Rondônia, - 07:50

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
Para Maia, rejeição impede eleição de Alckmin
Publicado Sábado, 3 de Março de 2018, às 12:26 | Fonte Veja.com 0

 
 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, chega para uma entrevista coletiva após um café da manhã com jornalistas, em Brasília - 16/02/2018 (Adriano Machado/Reuters)

 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira (2) que o pré-candidato do PSDB à Presidência, governador Geraldo Alckmin, não tem chance de vencer um eventual segundo turno porque “possui imagem negativa acima de 45%”. Para Maia, se uma candidatura alternativa de centro não for construída a tempo, os partidos vão “entregar a eleição para o PT, o Ciro (Gomes, do PDT) ou a Marina (Silva, da Rede)”. “Não precisa ser necessariamente a minha (candidatura), mas acho que o meu nome tem o apoio de alguns partidos importantes e pode nos dar a chance de disputar o segundo turno”, disse Maia, que se apresenta como possível presidenciável.

O presidente da Câmara esteve na sexta-feira em Barra Mansa, no sul fluminense, para participar de um encontro sobre a segurança pública do Rio com prefeitos. Ao fim da reunião, Maia adotou discurso de pré-candidato ao falar sobre as eleições e as declarações de seu pai, o ex-prefeito do Rio Cesar Maia. Este afirmou que apoia a candidatura de Alckmin e acha que o filho deve tentar a reeleição na Câmara.

“Ele falou como pai, com preocupação de pai, sobre um movimento de um partido que nunca concorreu à Presidência”, minimizou. “Mas ele conhece as pesquisas, ele sabe que, se não construirmos uma nova candidatura no campo do centro, vamos entregar a eleição. Porque, infelizmente, o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin ou outro, tem uma imagem negativa acima de 45%, o que inviabiliza uma vitória no segundo turno.”

O PSB aprovou, também nesta sexta, resolução em que, na prática, fecha as portas para um apoio formal a Alckmin. Pelo texto aprovado em congresso da legenda, em Brasília, caso o partido opte por apoiar algum candidato de fora, terá de ser um nome do campo de esquerda.

O partido adiou a decisão sobre lançamento de candidatura própria e colocou como possibilidade não fazer coligação no primeiro turno com nenhum candidato à Presidência. O objetivo é focar na eleição de dez governadores com potencial de vitória e na ampliação da bancada de deputados federais.

“Falamos em possibilidade de coligação com um candidato que tenha identidade programática”, disse o presidente do PSB, Carlos Siqueira. Defensor até então do acordo com Alckmin, o vice-governador paulista, Márcio França, demonstrou que já deu como perdida uma adesão do PSB à candidatura do tucano.

 







Veja também em POLÍTICA


Sérgio Moro vira caça-corrupto em capa de revista americana
...


Em encontro com Temer, FPA pede nomeação de ministro ligado às entidades e que tenha conhecimento do assunto
...


Mendes diz que sem julgamento do mensalão não haveria Lava Jato
...


Força-tarefa exige novos fatos e confissão ampla
...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News