Rondônia, - 16:32

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
Para Maia, rejeição impede eleição de Alckmin
Publicado Sábado, 3 de Março de 2018, às 12:26 | Fonte Veja.com 0

 
 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, chega para uma entrevista coletiva após um café da manhã com jornalistas, em Brasília - 16/02/2018 (Adriano Machado/Reuters)

 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira (2) que o pré-candidato do PSDB à Presidência, governador Geraldo Alckmin, não tem chance de vencer um eventual segundo turno porque “possui imagem negativa acima de 45%”. Para Maia, se uma candidatura alternativa de centro não for construída a tempo, os partidos vão “entregar a eleição para o PT, o Ciro (Gomes, do PDT) ou a Marina (Silva, da Rede)”. “Não precisa ser necessariamente a minha (candidatura), mas acho que o meu nome tem o apoio de alguns partidos importantes e pode nos dar a chance de disputar o segundo turno”, disse Maia, que se apresenta como possível presidenciável.

O presidente da Câmara esteve na sexta-feira em Barra Mansa, no sul fluminense, para participar de um encontro sobre a segurança pública do Rio com prefeitos. Ao fim da reunião, Maia adotou discurso de pré-candidato ao falar sobre as eleições e as declarações de seu pai, o ex-prefeito do Rio Cesar Maia. Este afirmou que apoia a candidatura de Alckmin e acha que o filho deve tentar a reeleição na Câmara.

“Ele falou como pai, com preocupação de pai, sobre um movimento de um partido que nunca concorreu à Presidência”, minimizou. “Mas ele conhece as pesquisas, ele sabe que, se não construirmos uma nova candidatura no campo do centro, vamos entregar a eleição. Porque, infelizmente, o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin ou outro, tem uma imagem negativa acima de 45%, o que inviabiliza uma vitória no segundo turno.”

O PSB aprovou, também nesta sexta, resolução em que, na prática, fecha as portas para um apoio formal a Alckmin. Pelo texto aprovado em congresso da legenda, em Brasília, caso o partido opte por apoiar algum candidato de fora, terá de ser um nome do campo de esquerda.

O partido adiou a decisão sobre lançamento de candidatura própria e colocou como possibilidade não fazer coligação no primeiro turno com nenhum candidato à Presidência. O objetivo é focar na eleição de dez governadores com potencial de vitória e na ampliação da bancada de deputados federais.

“Falamos em possibilidade de coligação com um candidato que tenha identidade programática”, disse o presidente do PSB, Carlos Siqueira. Defensor até então do acordo com Alckmin, o vice-governador paulista, Márcio França, demonstrou que já deu como perdida uma adesão do PSB à candidatura do tucano.

 









Veja também em POLÍTICA


A carreira internacional de João Santana, marqueteiro do PT alvo da Lava Jato
...


Mariana Carvalho destina recursos para a Unidade de Saúde Dr. Ronaldo Aragão de Porto Velho
...


STF manda desarquivar duas ações contra três ministros do governo FHC
...


Moro põe planilhas da Odebrecht com nomes de políticos sob sigilo
...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News