Rondônia, - 01:35

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Veja a trajetória de Jacob Zuma, da luta anti-Apartheid aos escândalos de corrupção
Publicado Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, às 19:09 | Fonte Do G1 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=342690&codDep=24" data-text="Veja a trajetória de Jacob Zuma, da luta anti-Apartheid aos escândalos de corrupção

  
 
 

 

Jacob Zuma fala ao Parlamento em 7 de fevereiro (Foto: Sumaya Hisham/Reuters)

Alvo de mais de 800 acusações por corrupção relativa a contratos de armas do final dos anos 1990 e investigado por supostamente ter usado o Estado para favorecer empresários vinculados com concessões públicas milionárias, Jacob Zuma acatou o ultimato de seu próprio partido, o Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês) e renunciou à presidência sul-africana.

Figura importante da luta anti-Apartheid nos anos 60, 70 e 80, Zuma ficou preso por 10 anos e ficou mais 15 anos no exílio antes de dar voltar ao seu país para empreender carreira política.

Veja abaixo a trajetória do ex-presidente, de sua adesão ao braço armado do ANC à renúncia forçada como presidente.

 

 

 

Jacob Zuma discursa em congresso do ANC (Foto: hemba Hadebe/ AP Photo)

Jacob Zuma discursa em congresso do ANC (Foto: hemba Hadebe/ AP Photo)

 

 

 

Jacob Gedleyihlekisa Zuma

Nascimento: 12 de abril de 1942 (75 anos)

Local: Nkandla, província de KwaZulu-Natal

Pai: Gcinamazwi Zuma, policial

Mãe: Nobhekisisa Bessie, trabalhadora doméstica

Casamentos: Bongi Ngema (desde 2012); Thobeka Stacy Mabhija (desde 2010); Nompumelelo Ntuli (desde 2008); Nkosazana Clarice Dlamini (1982-1998, divorciada); Kate Mantsho Zuma (de 1976 a 2000, quando morreu); Gertrude Sizakele Khumalo Zuma (desde 1973)

Filhos: afirma que tem mais de 20

 

Trajetória:

 

  • 1958 – Filia-se ao ANC, aos 17 anos.
  • 1962 – Torna-se membro do Umkhonto we Sizwe (Lança da Nação), braço armado do ANC.
  • 1963 – Ao tentar sair do país, é preso com outros 45 novos recrutas do Umkhonto we Sizwe. Acusado de tentar derrubar o governo do Apartheid, é condenado a 10 anos de prisão, servidos em Robben Island, juntamente com Nelson Mandela.
  • 1973-1975: após sua libertação, Zuma começa a ajudar a mobilizar resistência interna. Ele é fundamental no restabelecimento das estruturas do ANC na província de Natal (atualmente KwaZulu-Natal).
  • 1975 - Foge da África do Sul e fica no exílio durante 15 anos na Suazilândia, Moçambique, Zâmbia, entre outros países africanos, enquanto continua seu trabalho com o ANC.
  • Fevereiro de 1990 - O presidente Frederik de Klerk retira a proibição do ANC e de outros grupos de oposição. Zuma retorna à África do Sul. No primeiro Congresso Regional do ANC na província de KwaZulu-Natal, Zuma é eleito presidente da região Sul do Natal e assume papel de liderança na luta contra a violência, o que resulta em acordos de paz entre o ANC e o Inkatha Freedom Party.

 

 

 

Jacob Zuma (de paletó xadrez) caminha com Nelson Mandela no centro de Joanesburgo, em julho de 1997 (Foto: Reuters/Juda Ngwenya)

Jacob Zuma (de paletó xadrez) caminha com Nelson Mandela no centro de Joanesburgo, em julho de 1997 (Foto: Reuters/Juda Ngwenya)

 

 

 

 

  • Dezembro de 1994 - É eleito presidente nacional do ANC.
  • 1999-2005 – Vice-presidente da África do Sul.
  • 2 de junho de 2005 – Tribunal considera o empresário Schabir Shaik culpado de subornar Zuma entre 1995 e 2002.
  • 14 de junho de 2005 - O presidente Thabo Mbeki critica Zuma sobre suposto envolvimento no escândalo de suborno de Shaik.
  • 6 de dezembro de 2005 – Zuma é acusado de estuprar a filha de um amigo da família. Ele afirma que foi sexo consensual e é absolvido em maio de 2006. A mulher tinha HIV e, durante o processo, Zuma afirmou que após a relação sexual, tomou um banho de chuveiro para "minimizar o risco de contrair a doença".
  • 5 de setembro de 2006 - É levado a julgamento e acusado de corrupção por supostamente aceitar subornos da empresa francesa de armas Thint Holdings. As acusações acabam rejeitadas pelo tribunal.
  • 28 de dezembro de 2007 - Aparecem novas acusações de corrupção contra Zuma, juntamente com acusações de agressões e lavagem de dinheiro.
  • 12 de setembro de 2008 - As acusações de corrupção contra Zuma são rejeitadas pelo tribunal pela 2ª vez, desta vez por motivos processuais.
  • 12 de janeiro de 2009 - O Supremo Tribunal de Recurso revoga a decisão do tribunal de primeira instância que descartou acusações de corrupção contra Zuma, afirmando que a decisão estava repleta de erros. Com isso, a Autoridade Nacional de Processo pode fazer novas acusações contra a Zuma.

 

 

 

Jacob Zuma e sua noiva Bongi Ngema durante a cerimônia do seu sexto casamento, em 2012 (Foto: Reuters)

Jacob Zuma e sua noiva Bongi Ngema durante a cerimônia do seu sexto casamento, em 2012 (Foto: Reuters)

 

 

 

  • 6 de abril de 2009 - O procurador-chefe da África do Sul, Mokotedi Mpshe, anuncia que as acusações contra Zuma serão canceladas depois que grampos telefônicos mostraram que havia interferência política na investigação e que "não era possível, nem desejável" processá-lo.
  • 26 de abril de 2009 - O ANC ganha a maioria dos votos nas eleições sul-africanas, garantindo que Zuma seja o próximo presidente do país.
  • 9 de maio de 2009 – Assume como presidente da África do Sul.
  • Fevereiro de 2010 - Zuma admite ser pai de uma criança fora do casamento com a filha do chefe do comitê organizador da Copa do Mundo da África do Sul.
  • 20 de março de 2012 - O Supremo Tribunal de Recurso determina que a Aliança Democrática (um partido de oposição) pode contestar a decisão de um tribunal anterior de descartar acusações de corrupção contra Zuma.
  • 7 de maio de 2014 - Zuma consegue novo mandato como presidente, com o ANC conquistando a maioria dos votos.
  • 31 de março de 2016 - O Tribunal Constitucional da África do Sul determina que Zuma desafiou a constituição quando usou 246 milhões de rand (US$ 15 milhões) em recursos públicos para renovar sua casa privada. O tribunal diz que Zuma deve devolver o dinheiro não relacionado à segurança da propriedade.

 

 

 

Zuma ao lado de Mandela, em 2013, pouco antes de sua morte (Foto: SABC/AFP)

Zuma ao lado de Mandela, em 2013, pouco antes de sua morte (Foto: SABC/AFP)

 

 

 

  • 29 de abril de 2016 - Tribunal determina que os promotores agiram "irracionalmente" quando decidiram derrubar mais de 700 acusações de corrupção e fraude contra Zuma em 2009. O tribunal diz que a decisão deve ser anulada e revisada. Cabe aos promotores decidir se renovam as acusações.
  • 2 de novembro de 2016 - Relatório "Estado de Captura", de 355 páginas, contendo alegações de corrupção contra Zuma, é publicado. Nele há evidências e acusações de compadrio, negócios comerciais questionáveis e compromissos ministeriais e outras possíveis situações de corrupção em grande escala no governo. Zuma nega as irregularidades.
  • 10 de novembro de 2016 - Zuma evita um voto de falta de confiança no Parlamento, com 214 votos contra, 126 a favor e 58 abstenções. É a terceira vez que Zuma enfrenta esse voto em menos de um ano.
  • 29 de novembro de 2016 - Membros do ANC dizem que Zuma não vai renunciar, apesar dos pedidos de alguns correligionários para que se demita.
  • 8 de agosto de 2017 - Uma moção de falta de confiança contra Zuma é derrotada por 198 votos contra 177 no Parlamento. Embora a votação seja por voto secreto, a oposição não é capaz de persuadir membros suficientes do ANC para se posicionarem contra Zuma.
  • 13 de fevereiro de 2018 - após deliberação interna, o ANC exige a renúncia de Zuma, sem, contudo, definir uma data para o cumprimento desta decisão.

 

 

As informações são de CNN, BBC e "Mail & Guardian".

 

 

 Jacob Zuma acena ao público em 2013 (Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters)

Jacob Zuma acena ao público em 2013 (Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters)

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em INTERNACIONAL


Milionário japonês consegue custódia de seus 13 filhos nascidos de barrigas de aluguel na Tailândia
...


Regime venezuelano quer legislativas no mesmo dia das presidenciais antecipadas
...


Oxfam investiga 26 novos casos de abuso e assédio sexual
...


Paraguai inaugura porto para escoamento de grãos do Brasil
...

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE