Rondônia, - 13:38

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
doença de chagas em Rondônia
Agevisa alerta para cuidados que podem ser tomados para evitar a doença de chagas em Rondônia
A Agência estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) retomará neste primeiro semestre todas as parcerias com órgãos públicos de produção, consumo e fiscalização sanitária em Rondônia
Publicado Quarta-Feira, 17 de Janeiro de 2018, às 19:24 | Fonte da Redação 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=341349&codDep=42" data-text="Agevisa alerta para cuidados que podem ser tomados para evitar a doença de chagas em Rondônia

  
 
 

A Agência estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) retomará neste primeiro semestre todas as parcerias com órgãos públicos de produção, consumo e fiscalização sanitária em Rondônia, a fim de detectar e tratar casos de infecção do açaí por parasitos do protozoário Trypanosoma cruzi (barbeiro), inseto que se alimenta de sangue.

Atualmente, mais de 70% dos casos agudos de doença de chagas no Brasil resultam da transmissão alimentar, e esse novo padrão vem se refletindo na apresentação clínica do agravo.

No mais recente levantamento, a Agevisa cadastrou mais de 40 pontos de distribuição de vinho de açaí em Porto Velho, informou hoje (17) a diretora geral da Agevisa, médica Arlete Baldez.

Em Lábrea (sudoeste do Amazonas), a 400 quilômetros de Porto Velho, subiu para dez o número de casos de pessoas infectadas, informou a Fundação de Vigilância em Saúde daquele estado. Desde o primeiro diagnóstico em 29 de dezembro do ano passado. Uma criança internada recebeu alta. Quase todas são da mesma família.

De algum tempo para cá, a ocorrência de doença de chagas aguda tem sido observada em diferentes estados, em especial na região da Amazônia Legal, principalmente por causa desse tipo de transmissão. O último caso conhecido em Rondônia foi notificado em Cacoal: um homem se contaminou via oral.

Vítimas apresentam sintomas de edema de face, hemorragia e dor abdominal, além do comprometimento do coração, que também ocorre na forma clássica da doença.

Médico veterinário alerta para cuidados simples que podem evitar a doença de chagas

O monitoramento e o controle por amostras são feitos no Laboratório Central (Lacen) da Secretaria Estadual de Saúde.

O Ministério da Saúde estima a existência de dois a três milhões de indivíduos infectados no País. “Boas práticas representam a segurança para o comércio e o consumo do vinho que pode ser agravado pela contaminação do barbeiro em ambiente silvestre”, ela disse.

 

O Programa Estadual de Controle da Malária promove cursos anuais para microscopistas, e esses mesmos servidores também são treinados para identificar parasitos na gosta espessa (tipo de amostra coletada para a pesquisa do plasmódio).

As duas maiores regiões fornecedoras de açaí – ainda não há estatística do total de litros diários – da capital são o Baixo Madeira e o Vale do Jamari.

“Água da lavagem dos grãos, embalagem e armazenamento do vinho devem ser bem observados; numa das recentes análises foi encontrado coliforme fecal no fruto, que é consequência da lavagem mal feita”, alertou o médico veterinário da Agevisa Edeildon Mendes Ramos.

A manipulação é fundamental: “A temperatura de congelamento não inativa o parasito. O barbeiro fica no cacho, a bateção deve ser bem feita, porque o açaí faz parte de uma atividade econômica para qual também se exige a credibilidade de quem o comercializa”.

CONTATO E CONTAMINAÇÃO

► A doença de chagas é uma doença infecciosa ou antropozoonose, também é conhecida por Tripanossomíase Americana, causada pelo barbeiro.

► O consumo de sucos batidos – açaí, caldo de cana – foi identificado em diversos casos como origem da doença: barbeiros são triturados acidentalmente junto com as bebidas.

► Ao picar um novo indivíduo, ele defeca e elimina parasitos nas fezes. Estes patógenos entram na corrente sanguínea das pessoas quando elas coçam a picada e acabam promovendo o contato das fezes do barbeiro com a área ferida da pele.

► Os barbeiros são insetos conhecidos das populações rurais de várias regiões do Brasil. Existem mais de 100 espécies . Algumas vivem somente na mata, mas outras se adaptaram totalmente às casas. Geralmente pretos ou acinzentados, possuem manchas vermelhas, amarelas ou alaranjadas ao redor de seu abdômem. São hematófagos, alimentam-se de sangue.

Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Jeferson Mota
Secom - Governo de Rondônia

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


9 motivos pelos quais os idosos devem fazer Pilates
...


Sobe para 3 o número de mortes confirmadas por raiva humana no Pará
Dois novos casos foram confirmados nesta terça-feira, 22, após exames. Vítimas são crianças....


O uso de boné pode provocar calvice? Descubra
...


Abertas as inscrições para a terceira edição do Exame do Cremero
O Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero) realizará no próximo dia 19 de agosto mais uma prova do Exame do Cremero, um instrumento de avaliação externa dos profissionais médicos....

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM