Rondônia, - 09:04

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Círio em Belém e bois de Parintins
Coração da Amazônia pulsa com Círio em Belém e bois de Parintins
Festas na floresta: religiosidade e tradição fazem a força do turismo na Região Norte
Publicado Segunda-Feira, 25 de Dezembro de 2017, às 11:35 | Fonte Globo.com - Bruno Calixto. 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=340432&codDep=38" data-text="Coração da Amazônia pulsa com Círio em Belém e bois de Parintins

  
 
 

O Círio de Nazaré tem romaria fluvial: barcos acompanham o transporte da santa na Baía de Guajará, de Ananindeua ao Centro de Belém - Bruno Calixto / Agência O Globo

Os ventos do Norte não movem moinhos, mas assobiam por entre as frestas tal e qual a imensidão da Floresta Amazônica, que não tem outro verbo senão impressionar. A bordo de um hotel flutuante — uma maneira confortável, não menos emocionante —, é possível conhecer de perto o pulmão verde do Brasil, como faz a maior parte dos turistas durante as duas maiores festas da região: o Festival Folclórico de Parintins, na pequena ilha que lhe dá o nome, a 420km de Manaus (AM), e que acontece todos os anos no último fim de semana de junho; e o Círio de Nazaré, em Belém (PA), no segundo domingo de outubro.

Patrimônio Imaterial registrado pelo Iphan, o Círio mistura fé, tradição e dor. De acordo com a Secretaria de Turismo do Pará (Setur), o evento injeta R$ 92 milhões na economia local.

— O Círio é mágico, porque ali a Virgem de Nazaré é a senhora de todos os destinos. Encanta fiel, filósofo, ateu e comunista. Tudo isso em razão de um atributo que transcende: sua história. Não é religião, é fé — diz Fafá de Belém, que dirige o projeto Varanda de Nazaré, iniciativa que participa da divulgação do Círio de Nazaré.

Cirio de Nazaré e patrimônio imaterial registrado pelo Iphan: fé e tradição em Belém do Pará - Bruno Calixto / Divulgação

 

Agito, boemia, carimbó e boa comida fazem de Belém a cidade mais desejada da região. Açaí, tacacá, Cerpa gelada e banho-de-cheiro, marés, rios, palafitas, canoas e ilhas, Dona Onete... Dá vontade de mergulhar com vontade no paraensismo.

 

  • Aos 61 anos, Fafá de Belém acompanha o Círio da área chamada Varanda de Nazaré, onde recebe convidadosFoto: Bruno Calixto / Agência O Globo

  • Cirio de Nazaré é patrimônio imaterial registrado pelo Iphan: fé e tradição em Belém do ParáFoto: Bruno Calixto / Agência O Globo

  • O Círio de Nazaré tem romaria fluvial: barcos acompanham o transporte da santa na Baía de Guajará, de Ananindeua ao Centro de BelémFoto: Bruno Calixto / Agência O Globo

  • Naza é o nome carinhoso pelo qual os fiéis chamam Nossa Senhora de Nazaré Foto: Bruno Calixto / Agência O Globo

  • A santa chega ao Centro de Belém com status de chefe de estado, numa embarcação oficial da MarinhaFoto: Bruno Calixto / Agência O Globo

  • Milhões de pessoas acompanham o Círio; a procissão percorre 4km por quase quatro horasFoto: Bruno Calixto / Agência O Globo

 

 

 

PARINTINS: DOIS PRA LÁ, DOIS PRA CÁ

Além da Basílica Santuário, os fiéis visitam pontos prestigiosos de Belém, como o mercado Ver-o-Peso, e restaurantes como o Remanso do Bosque, do chef Thiago Castanho, incluído na lista dos 50 melhores da América Latina em 2016.

 

Na amazonense Parintins, por três noites, os bois Garantido (vermelho) e Caprichoso (azul) se enfrentam na arena do Bumbódromo num desafio de música (toadas), alegorias, lendas e ritos indígenas e dos demais povos que formam a região. Na arena, cabem 40 mil pessoas, 20 mil (cravados) de cada lado. Este ano, o Caprichoso levou a melhor e sagrou-se campeão.

O Festival Folclórico de Parintins bebe em uma rivalidade iniciada há quase cem anos, quando dois grandes grupos — os “bois” — começaram a representar nas ruas o folclore do boi-bumbá, variação do bumba-meu-boi nordestino. Seja ele Garantido ou Caprichoso, o morador de Parintins tem em comum uma alma leve que passa por um eterno estado de brincadeira, que no Festival Folclórico é levada a sério. Todos têm a mesma alma, coabitam com a natureza e só se diferenciam quanto à difícil escolha entre Garantido e Caprichoso.

Há 52 anos, a festa dos bumbás, uma ópera a céu aberto no centro da Ilha Tupinambarana, com o auto do boi ressuscitado pelo pajé, acontece diante de uma multidão. A obra-prima do caboclo amazonense é vista por moradores e turistas. O investimento na festa, por parte do Estado do Amazonas, é de R$ 1 milhão em cada boi e de R$ 2 milhões no evento. São injetados cerca de R$ 60 milhões na economia da pequena cidade.

— É a festa do dois pra lá e dois pra cá. O ritmo do grito das galeras (torcidas) toma conta da alma do visitante, que se encanta pelo festival — diz o guia de turismo e parintinense de coração vermelho Inaldo Albuquerque.

 

  •  

  • 52° Festival Folclórico de Parintins, 2017 Foto: Emiliano Capozoli / Divulgação

    Arena

    No formato de uma cabeça de boi estilizada, o Bumbódromo abriga 40 mil pessoas. Só 5% dos ingressos são vendidos, o restante é cedido para as torcidas dos bois.
  •  

  •  

  •  

  •  

  •  

  •  

  •  

  •  

  •  

 

Para a festa, turistas chegam a Parintins, em sua maioria, de barco. Por via fluvial, os 420km entre a capital amazonense e a ilha podem ser vencidos de sete a dez horas (no barco rápido) ou em 24 horas (nas “gaiolas”). Nessas, cada um leva sua rede. A capacidade é para 537 pessoas, e o preço vai de R$ 160 a R$ 200 (três noites). O camarote para até três pessoas sai por R$ 2,5 mil. A volta demora mais, devido à corrente. Há voos de Manaus para Parintins (duração: uma hora).

Navegar pelo imenso Amazonas quer dizer silêncio absoluto e em companhia de animais perigosos, os donos do pedaço. Você vai cansar de ver jacaré com o topo da cabeça para fora da água. O pôr do sol é um espetáculo à parte, e o luar não fica atrás.

— A paisagem varia conforme a época do ano. De dezembro a maio, na cheia, os alagamentos permitem navegar perto das árvores, mais próximo dos pássaros — diz o capitão.

Nas lanchas rápidas, a viagem é mais curta, e a capacidade é para até 90 pessoas, mas não dá para pernoitar. A opção é se hospedar num barco hotel, atracado no Rio Amazonas, alguns com pensão completa e acomodações em suítes para duas pessoas.

VARIADOS SABORES DA AMAZÔNIA

Camarão exposto no mercado Ver-O-Peso, em Belém: opções variadas de produtos e sabores - Divulgação

 

Num lugar onde o azul e o vermelho estão em disputa constante, a cor barrenta do Rio Amazonas é o que menos importa, a não ser pela diversidade de espécies de peixes que brotam dali para a mesa. E já ouviu falar no bodó? Assado na brasa ou na caldeirada de tucupi, o peixe é encontrado em restaurantes da ilha, em ruas e feiras a partir de R$ 4. O sabor é consistente, lembra carne de caça. O tucupi garante o agridoce, com ervas, chicória e alho para perfumar.

E em Parintins, o Mercado Municipal à beira do Amazonas é o local certo para experimentar o café regional, que não dispensa a tapioquinha e o X-caboquinho (pão recheado com tucumã e queijo coalho). Uma viagem que agrada a todos os sentidos.

Onde comer

BELÉM

Remanso do Bosque. Avenida Rômulo Maiorana 2.350. Tel. (91) 3347-2829.

Remanso do Peixe. Avenida Barão do Triunfo 2.590. Tel. (91) 3228-2477.

Onde ficar

BELÉM

Atrium Quinta das Pedras. Diárias a R$ 230: atriumhoteis.com.br

BARCO HOTEL

Amazon Star. Vai de Santarém (PA) a Parintins (AM), em 18 horas. Rede R$ 120 e camarote para dois: R$ 400. Tel. (91) 3212-6244.

Valeverde. Trajeto Belém/Santarém /Parintins/Manaus: R$ 300 (cabine dupla, 5 dias). Durante o Círio de Nazaré, o preço sobe. Telefone: (91) 8414-6183.

PARINTINS

Amazonas River Resort Hotel. Diárias a

 

R$ 200 (no festival, pacote de 5 dias: R$ 2 mil a R$ 4 mil, para 5 pessoas). Lagoa da Francesa 697, Santa Rita. Tel. (92) 3533-1342.

Passeios

PARINTINS

O Park Náutico Marina Menina oferece passeios de lancha em torno da ilha: Lagoa da Francesa, Lago Macurany, Parananema, Aninga e Orla de Parintins (R$ 50).

Bruno Calixto viajou a convite da Amazonastur e da Varanda de Nazaré








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Notícias da Amazônia


Pará é o estado com maior índice de desmatamento da Amazônia Legal, aponta Imazon
Ao contrário do ano anterior, foi registrado aumento de 22% do desmatamento em todo território da floresta amazônica em 2018. 52% das áreas atingidas no Pará são de preservação ambiental. ...


Comunicólogos de Porto Velho debatem lixo plástico e os efeitos nos rios
Defensora de questões socioeconômicas e ambientais com metodologias inclusivas, a jornalista Claudia Moura disse aos colegas debatedores, que soluções para problemas sociais do país......


MPF identifica responsáveis por todos os desmatamentos com mais de 60 hectares na floresta amazônica entre 2016 e 2017
2,3 mil pessoas ou empresas foram associadas a mais de 1,5 mil áreas desmatadas de forma irregular...


Governo Temer e Estado de Roraima não alcançam conciliação sobre imigrantes venezuelanos
Em uma primeira reunião, em maio, o estado abriu mão do fechamento de fronteira, mas pediu R$ 184 mi em ressarcimento, por parte do governo federal...

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM