Rondônia, - 13:56

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Ecologia, o futuro da economia da Amazônia
Ecologia, o futuro da economia da Amazônia
“debater o Futuro da Amazônia”, com a manifestação de algumas autoridades regionais, escolhidas pelo critério dos patrocinadores,
Publicado Quarta-Feira, 29 de Novembro de 2017, às 10:09 | Fonte A Folha 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=339364&codDep=38" data-text="Ecologia, o futuro da economia da Amazônia

  
 
 

Redes Sociais e ou Internet

A Folha veio a Manaus, nesta segunda-feira, com o propósito de “debater o Futuro da Amazônia”, com a manifestação de algumas autoridades regionais, escolhidas pelo critério dos patrocinadores, naturalmente. E veio, com certeza, atrás de novos formatos jornalísticos que afugentem o esvaziamento global dos grandes veículos de comunicação por aí afora dessa mudança de parâmetros e velocidade da informação. Todos estes veículos estão em vias de encerrar suas atividades editoriais.

Como grande jornal, a Folha será sempre bem vinda, sempre e quando, porém, o propósito seja o de integrar esta economia de acertos e incompreensões a uma política nova de ciência, tecnologia, inovação industrial e de sustentabilidade que o Brasil precisa construir. E, sinceramente, vade retro, se não resistir à tentação dominante, em determinados círculos da imprensa Sudeste, em difamar sem conhecer as nuances, história e acertos da economia incentivada do Amazonas, a Zona Franca de Manaus.

Na semana passada, alguns desses veículos transformaram as três linhas do Relatório do Banco Mundial, dedicados à ZFM, recomendando a revisão de sua eficácia, em bode expiatório da gestão desastrosa da economia brasileira. E trataram de recomendar, em vez de seu ajustes, explicitamente sua extinção. Ora, numa das primeiras matérias, publicadas após a fala de abertura do prefeito de Manaus, Arthur Neto, o jornalista tratou de associar o atraso da diversificação econômica à existência e dependência da ZFM “O Estado do Amazonas explora pouco sua natureza e recursos naturais, devido à grande dependência financeira que criou em relação à Zona Franca de Manaus.”, levando seus leitores pelo país afora reforçar o preconceito contra o que fazemos no Amazonas.

O que o prefeito disse estava claramente relacionado a recessão econômica, não ao caráter de isenção fiscal. Ele não emitiria um comentário desairoso contra quem lhe ajuda a formar o grosso de suas receitas. Seu recado, dado mais adiante, e que se aplica exatamente ao preconceito e desinformação com relação à ZFM, é exatamente o que impede o florescer de uma nova economia, ou seja, é o confisco da riqueza aqui gerada e que aqui deveria ser aplicada. “Prevalece aquele julgamento canhestro de que o incentivo que vem para cá é dinheiro desperdiçado. Isso não é absolutamente verdade, esse dinheiro é bem inferior ao que retorna para o Tesouro a partir dos tributos aqui recolhidos.”. O que o prefeito propôs é aquilo que as lideranças empresariais se esgoelam em reivindicar. “… uma parceria com outros Estados, como São Paulo, geralmente visto como antagonista no setor industrial, para pensar estratégias que estimulem o desenvolvimento da região”.

Há exatamente um ano, em São Paulo, no Insper, em parceria com o Instituto Escolhas, um parceiro que a indústria local tem mobilizado na discussão dos serviços ambientais que as empresas do Polo Industrial de Manaus oferecem, a Folha ajudou a promover um evento sobre crescimento econômico, com baixa emissão de carbono, contrapondo aos prejuízos ambientais de alguns segmentos do agronegócio. O evento concluiu que o “futuro da economia do Brasil passa pela Amazônia” pelo desenvolvimento de inovação tecnológica dos produtos da biodiversidade, a dermocosmética, a nutracêutica e os fitoterápicos. 100 produtos, em 10 anos, poderiam gerar em 10 anos, o dobro da receita do agronegócio, 50% da balança comercial, atualmente, concluiu o concorrido evento.

As empresas de informática, recolheram por força do estatuto legal que lhes confere isenção, aos cofres do FNDCT, o Fundo de Ciência e Tecnologia, nos últimos 5 anos, a bagatela de R$2,4 bilhões. O Amazonas pouco ou quase nada viu dessa dinheirama ser aplicado na região. Portanto, a ZFM não é o problema, é sim a solução dessa nova ecologia, digo, dessa bioeconomia, ambientalmente correta e socialmente equilibrada, como as empresas incentivadas costumam tratar o desenvolvimento regional por aqui, apesar da desarticulada presença federal na Amazônia…

(*) Alfredo é consultor do CIEAM, Centro da Indústria do Estado do Amazonas [email protected]








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Notícias da Amazônia


Pará é o estado com maior índice de desmatamento da Amazônia Legal, aponta Imazon
Ao contrário do ano anterior, foi registrado aumento de 22% do desmatamento em todo território da floresta amazônica em 2018. 52% das áreas atingidas no Pará são de preservação ambiental. ...


Comunicólogos de Porto Velho debatem lixo plástico e os efeitos nos rios
Defensora de questões socioeconômicas e ambientais com metodologias inclusivas, a jornalista Claudia Moura disse aos colegas debatedores, que soluções para problemas sociais do país......


MPF identifica responsáveis por todos os desmatamentos com mais de 60 hectares na floresta amazônica entre 2016 e 2017
2,3 mil pessoas ou empresas foram associadas a mais de 1,5 mil áreas desmatadas de forma irregular...


Governo Temer e Estado de Roraima não alcançam conciliação sobre imigrantes venezuelanos
Em uma primeira reunião, em maio, o estado abriu mão do fechamento de fronteira, mas pediu R$ 184 mi em ressarcimento, por parte do governo federal...

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM