Rondônia, - 06:32

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Combate à biopirataria no bioma Amazônico
Inpa recebe palestra do Ibama sobre combate à biopirataria no bioma Amazônico
O combate à biopirataria e a aproximação entre as instituições é o foco de palestra e visita técnica que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) realizará no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), na próxima quinta-feira (23).
Publicado Domingo, 19 de Novembro de 2017, às 09:24 | Fonte INPA 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=338878&codDep=38" data-text="Inpa recebe palestra do Ibama sobre combate à biopirataria no bioma Amazônico

  
 
 

Banner: Tito Fernandes

 

O combate à biopirataria e a aproximação entre as instituições é o foco de palestra e visita técnica que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) realizará no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), na próxima quinta-feira (23). A palestra Nova Lei da Biodiversidade e demais normas ambientais aplicadas ao encaminhamento de material biológico ao exterior acontecerá, das 8h às 12h, no auditório da biblioteca do Inpa.

A finalidade da palestra é repassar orientações técnicas sobre as atividades relacionadas ao combate à biopirataria no comércio exterior. A atividade gratuita é destinada à comunidade do Inpa e ao público externo que trabalha com patrimônio genético e conhecimento tradicional associado. A programação faz parte do Curso de Combate à Biopirataria do Ibama. As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo no endereço https://doity.com.br/cursoibama.

O Inpa é uma instituição de referência mundial nos estudos de biodiversidade e ecossistemas amazônicos e que possui interação com a população tradicional da região, como ribeirinhos, indígenas e quilombolas. “É preciso ter ações e mecanismos de combate à biopirataria, sabendo que o envio de material para estudo é algo normal na ciência. E a atividade no Inpa visa informar, interagir e nos aproximar do Ibama”, disse o diretor do Inpa, Luiz Renato de França.

De acordo com a pesquisadora do Inpa e coordenadora de pesquisa de biodiversidade, Lucia Rapp, que foi já representante do Inpa no Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (Cgen), a biopirataria é enviar ou comercializar amostras da biodiversidade brasileira para o exterior para pesquisa, venda de animais, desenvolvimento de produtos ou patentes de remédios, extratos, perfumes, cremes, sem nenhum controle do governo.  O Cgen é a autoridade nacional competente para decidir sobre as solicitações de acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado.

Na maioria das vezes, a biopirataria gera lucro proveniente da biodiversidade amazônica sem que o país ganhe nada com isso. “O Inpa não gera lucro nem produtos, mas levanta a informação básica para futuras parcerias e comercializações. Esta informação básica é que está sendo protegida dentro da Lei de Biodiversidade”, explicou Rapp.

Conforme a pesquisadora, a atividade será ainda uma oportunidade de mostrar as pesquisas que o desenvolve. “É preciso saber diferenciar o trabalho do Inpa em relação à biopirataria para não corrermos o risco de termos apreensões de material científico nos correios ou aeroportos ou multas milionárias impetradas pelo Ibama”.

Atualmente, a Nova Lei da Biodiversidade regulamenta o acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional. Segundo Rapp, o Inpa por atuar nesse contexto precisa acompanhar a legislação sobre a biodiversidade. “Todo e qualquer trabalho de pesquisas ou desenvolvimento tecnológico desenvolvido pelo Inpa que envolva acesso a patrimônio genético e ao conhecimento adquirido através das comunidades tradicionais está sob a regulamentação desta lei”, explica. 

Palestra e visita técnica

Pela parte da manhã será realizada a palestra “Nova lei da biodiversidade e demais normas ambientais aplicadas ao encaminhamento de material biológico ao exterior”. Os palestrantes serão o especialista no combate à biopirataria, Isaque Medeiros Siqueira, e o especialista em fiscalização em ambiente alfandegário aeroportuário, Antônio Goncalves de Lima.

À tarde, as atividades ficam por conta das visitas técnicas a laboratórios do Inpa: Coleções Zoológicas, Recursos Genéticos Zoológicos, Herbário, Coleção de Macrofunfos e Coleções Microbiológicas. “As Coleções do Inpa, que incluem o Herbário, tem o maior interesse nesta visita para que sejam trocadas informações sobre legislação e o trabalho direto com a biodiversidade desenvolvido no instituto”, destaca Rapp.

Na palestra serão abordados definições e conceitos da Nova Lei de Acesso ao Patrimônio Genético e aos Conhecimentos Tradicionais (Lei n.º 13.123/2015) e Decreto n.º 6.514/08, que tratam do acesso e remessa do patrimônio genético nacional e conhecimento tradicional associado. As demais legislações ambientais envolvendo o intercâmbio de material científico e o encaminhamento de amostras biológicas também fazem parte da programação.

Conforme o Ibama, a proposta é diferenciar biopirataria de intercâmbio científico e identificar as melhores oportunidades de atuação da fiscalização em recinto alfandegado, que são as áreas demarcadas pelas autoridades.

 

*Publicação editada: 17/11/2017

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Notícias da Amazônia


Governo deve transferir até 18 mil venezuelanos de RR para outros estados
Os primeiros começam a chegar em SP, AM e MT já nesta quinta-feira (5)...


Madeireiras “inventam” árvores para continuarem a desmatar a Amazônia
Segundo estudo, documentação que permite o manejo legal de florestas apresenta número de ipês maior do que a ciência julga possível...


Dom Roque Paloschi é nomeado pelo Papa para o conselho de Sínodo sobre Amazônia
A reunião de bispos para tratar dos problemas dessa região, especialmente da sua população indígena....


Acir Gurgacz é condenado a 4 anos e meio de prisão pelo STF por crime contra o sistema financeiro
Jurisprudência do STF prevê que eventual prisão só será decretada após julgamento de recursos contra a condenação. Perda do mandato terá de ser decidida pelo Senado. Gurgacz diz que recorrerá....

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM