Rondônia, - 05:36

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Notícia da Amazônia
Para denunciar morosidade da Justiça, famílias sem-terra bloqueiam rodovia no Mato Grosso
Publicado Domingo, 19 de Novembro de 2017, às 09:08 | Fonte Amazônia notícia e informação 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=338872&codDep=38" data-text="Para denunciar morosidade da Justiça, famílias sem-terra bloqueiam rodovia no Mato Grosso

  
 
 

 

Na manhã desta quinta-feira, 16, cerca de 200 trabalhadores e trabalhadoras sem-terra da região Norte do estado de Mato Grosso fecharam a BR-163, entre o trecho dos municípios de Nova Santa Helena e Itaúba, a 600 quilômetros de Cuiabá

Esta ação faz parte da Jornada de Lutas dos Acampamentos União Recanto Cinco Estrelas, Irmã Dorothy, Boa Esperança e Renascer. Os mesmos denunciam a morosidade da Justiça Federal e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) sobre os processos de retomada de áreas públicas e desapropriação de terras improdutivas para fins de reforma agrária.

Tal morosidade implica na situação cotidiana de violência que estas famílias vivenciam. A situação de vulnerabilidade que estão sujeitas debaixo da lona preta, devido à espera de uma resposta dos órgãos públicos competentes, geram conflitos e ameaças diariamente, além da fome, sede e miséria que estas mesmas famílias vêm passando há mais de 10 anos na luta pela conquista de seus direitos de acesso à terra.

Todos estes impasses são ignorados pelo juiz Murilo Mendes que, há mais de 50 dias, tarda a emissão na posse para assentar 96 famílias em áreas comprovadamente da União, que estão com processo concluído para decisão e com plano de assentamento constituído pelo INCRA.

Mesmo caso acontece com o juiz federal Marcel Queiroz que, até o momento, ignora a manifestação do INCRA e da Advocacia-Geral da União (AGU) comprovando que a área da Gleba Gama é de fato da União, fazendo com que mais de 100 famílias continuem debaixo de lona. As famílias reivindicam agilidade em relação ao processo de suspeição sobre o juiz Murilo Mendes, que, com isso, deixa mais 100 famílias à espera. Além disso, as famílias também cobram do INCRA a vistoria em áreas para fins de desapropriação, que até o momento não cumpriu nenhum prazo estabelecido.

Essa morosidade e falta de interesse por parte do Estado e do Judiciário intensificam os índices de conflitos e mortes no campo no Brasil, chegando a 64 assassinatos até momento, conforme dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT). As famílias vêm lutando bravamente pelos seus direitos de acesso à terra, terras estas que estão nas mãos do agronegócio e do latifúndio, e também pelo direito a uma vida digna a todas as trabalhadoras e trabalhadores que ali estão vivendo às margens de rodovias e sob lona.

 

Fonte: CPT Mato Grosso

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Notícias da Amazônia


Comunicólogos de Porto Velho debatem lixo plástico e os efeitos nos rios
Defensora de questões socioeconômicas e ambientais com metodologias inclusivas, a jornalista Claudia Moura disse aos colegas debatedores, que soluções para problemas sociais do país......


MPF identifica responsáveis por todos os desmatamentos com mais de 60 hectares na floresta amazônica entre 2016 e 2017
2,3 mil pessoas ou empresas foram associadas a mais de 1,5 mil áreas desmatadas de forma irregular...


Governo Temer e Estado de Roraima não alcançam conciliação sobre imigrantes venezuelanos
Em uma primeira reunião, em maio, o estado abriu mão do fechamento de fronteira, mas pediu R$ 184 mi em ressarcimento, por parte do governo federal...


Operação resgata famílias que tentaram atravessar a vergonhosa e inacabada BR-319
O grupo que saiu de Porto Velho-RO com destino a Manaus-AM, ficou preso em atoleiros ao longo da rodovia no dia 30 de maio....

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM