Rondônia, - 03:03

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Ciência e Saúde
O DNA e uma vida longa e próspera
Publicado Segunda-Feira, 30 de Outubro de 2017, às 15:07 | Fonte Veja.com 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=338210&codDep=42" data-text="O DNA e uma vida longa e próspera

  
 
 

 

(Negreiros/VEJA)

 

 

 

 

 

 

“A expectativa de vida é um fenômeno estatístico. Mesmo assim, você ainda pode ser atropelado por um ônibus amanhã”, gosta de lembrar o americano Ray Kurzweil, cientista da computação, inventor e futurista — nome dado ao especialista em prever como viveremos daqui a alguns anos, ou mesmo séculos. Um dos focos dos estudos de Kurzweil, financiado por empresas como Google, é justamente mostrar como inovações da ciência de manipulação genética podem estender a vida humana. Para ele, em algumas décadas, o progresso tecnológico levará à seguinte situação: morrer será difícil, ainda que inexorável. O.k., entendido. Mas quão difícil? Se “a expectativa de vida é um fenômeno estatístico”, quais dados devem ser considerados para calcular a jornada? Nos últimos vinte anos, os avanços nas pesquisas genéticas levaram a conclusões precisas sobre qual seria a predisposição de cada indivíduo para viver mais, ou menos.

O mais recente trabalho nessa linha foi publicado em 13 de outubro pela Universidade de Edimburgo, na Escócia. Ele indica o caminho para uma resposta mais objetiva acerca dessa questão, sensível para qualquer um de nós. Baseado em informações genéticas de 600 000 indivíduos, o estudo descobriu, por exemplo, uma alteração que potencializa o efeito negativo de alimentos com o chamado “colesterol ruim”, como frituras (o que não significa, é claro, que essa predisposição de DNA seja sempre a responsável por disparar ou impedir o mau hábito na alimentação). Quem herdou tal configuração hereditária pode ter uma redução de oito meses, em média, na expectativa de vida. Já outra variação genética, ligada a melhoramentos no sistema imunológico, acarreta o oposto: um aumento de cerca de seis meses no tempo de permanência no mundo dos vivos. A pesquisa também ratificou o grau de periculosidade de hábitos como o fumo: o cigarro é responsável por 25% das mortes por doenças cardíacas, 30% por câncer de boca e 90% por câncer de pulmão. De acordo com o estudo escocês, independentemente dos males que se desenvolvem em consequência da nicotina, qualquer pessoa que fumar um maço de cigarros por dia terá sete anos a menos de vida.

“É crucial ressaltar, porém, que, apesar de ser impossível mudar nossa herança genética, não somos escravos dela. Afinal, podemos resistir aos impulsos desenhados em nosso DNA”, afirmou a VEJA o geneticista escocês Peter Joshi, o principal nome à frente do novo trabalho.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Este cara tinha um “segundo dedo” crescendo sobre o seu dedo médio
...


Diga adeus aos lábios ressecados no Outono
...


Confira as dicas essenciais para preparar bem os cogumeloss
...


Contato com plástico na gravidez afeta fertilidade por gerações
...

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM