Rondônia, - 21:27
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Ciência e Saúde
O DNA e uma vida longa e próspera
Publicado Segunda-Feira, 30 de Outubro de 2017, às 15:07 | Fonte Veja.com 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=338210&codDep=42" data-text="O DNA e uma vida longa e próspera

  
 
 

 

(Negreiros/VEJA)

 

 

 

 

 

 

“A expectativa de vida é um fenômeno estatístico. Mesmo assim, você ainda pode ser atropelado por um ônibus amanhã”, gosta de lembrar o americano Ray Kurzweil, cientista da computação, inventor e futurista — nome dado ao especialista em prever como viveremos daqui a alguns anos, ou mesmo séculos. Um dos focos dos estudos de Kurzweil, financiado por empresas como Google, é justamente mostrar como inovações da ciência de manipulação genética podem estender a vida humana. Para ele, em algumas décadas, o progresso tecnológico levará à seguinte situação: morrer será difícil, ainda que inexorável. O.k., entendido. Mas quão difícil? Se “a expectativa de vida é um fenômeno estatístico”, quais dados devem ser considerados para calcular a jornada? Nos últimos vinte anos, os avanços nas pesquisas genéticas levaram a conclusões precisas sobre qual seria a predisposição de cada indivíduo para viver mais, ou menos.

O mais recente trabalho nessa linha foi publicado em 13 de outubro pela Universidade de Edimburgo, na Escócia. Ele indica o caminho para uma resposta mais objetiva acerca dessa questão, sensível para qualquer um de nós. Baseado em informações genéticas de 600 000 indivíduos, o estudo descobriu, por exemplo, uma alteração que potencializa o efeito negativo de alimentos com o chamado “colesterol ruim”, como frituras (o que não significa, é claro, que essa predisposição de DNA seja sempre a responsável por disparar ou impedir o mau hábito na alimentação). Quem herdou tal configuração hereditária pode ter uma redução de oito meses, em média, na expectativa de vida. Já outra variação genética, ligada a melhoramentos no sistema imunológico, acarreta o oposto: um aumento de cerca de seis meses no tempo de permanência no mundo dos vivos. A pesquisa também ratificou o grau de periculosidade de hábitos como o fumo: o cigarro é responsável por 25% das mortes por doenças cardíacas, 30% por câncer de boca e 90% por câncer de pulmão. De acordo com o estudo escocês, independentemente dos males que se desenvolvem em consequência da nicotina, qualquer pessoa que fumar um maço de cigarros por dia terá sete anos a menos de vida.

“É crucial ressaltar, porém, que, apesar de ser impossível mudar nossa herança genética, não somos escravos dela. Afinal, podemos resistir aos impulsos desenhados em nosso DNA”, afirmou a VEJA o geneticista escocês Peter Joshi, o principal nome à frente do novo trabalho.

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


7 coisas estranhas que podem acontecer enquanto você dorme
...


Complexo de Napoleão: altura pode afetar autoestima, felicidade e carreira das pessoas?
...


O que é a Dpoc, doença pulmonar silenciosa que mata 3 milhões de pessoas por ano e não tem cura
...


Vício em celular chega a consultórios e já preocupa médicos no Brasil
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::