Rondônia, - 08:26
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
Governo ataca representante da ONU por comentários sobre corrupção
Publicado Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, às 11:15 | Fonte Diário de Pernambuco 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=335870&codDep=19" data-text="Governo ataca representante da ONU por comentários sobre corrupção

  
 
 

 

Na segunda-feira, o alto representante da ONU disse que o "escândalo" de corrupção no Brasil revela como o problema está profundamente enraizado. Foto: Evaristo Sa/AFP

Na segunda-feira, o alto representante da ONU disse que o "escândalo" de corrupção no Brasil revela como o problema está profundamente enraizado. Foto: Evaristo Sa/AFP

 

 

 

 

 

 


 

O governo de Michel Temer fez um duro e raro ataque contra o mais alto representante da ONU para Direitos Humanos, Zeid Al Hussein, sugerindo até mesmo que ele teria se baseado em "desinformação". Na segunda-feira, o alto representante da ONU disse que o "escândalo" de corrupção no Brasil revela como o problema está profundamente enraizado em "todos os níveis de governo" e ameaça a democracia.

 

"Não podemos, em especial, deixar que desinformação nos leve a falsas conclusões", alertou a embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo, nesta terça-feira. "Discordamos fortemente do comentário apressado, injustificado e injusto que ele (Zeid) fez sobre o Brasil em seu discurso circulado ontem", afirmou.

 

O Brasil foi um dos 40 países citados por Zeid ao abrir os trabalhos do Conselho de Direitos Humanos da ONU por conta de diversas violações. A menção ao Brasil foi feita explicitamente no contexto da corrupção e seus impactos.

 

Ao responder, a embaixadora garantiu que o Brasil está "seriamente engajado em uma luta contra a corrupção que deixa evidente, para que todos vejam, não apenas nosso apreço à Justiça e ao estado de direito, mas também ao fortalecimento de nossas instituições democráticas e ordem constitucional".

 

Atacando a forma de o Conselho de Direitos Humanos agir, o Brasil ainda indicou que está "engajado em discussões" para que o processo na ONU seja baseado em um "diálogo construtivo" e na "busca de soluções sensatas". "A eficiência desse órgão não depende apenas de seu valor intrínseco, mas também da adequação de suas decisões", afirmou.

 

Citando Zeid, ela disse ainda que, se a história for um guia, a era do medo e perplexidade pode gerar "divisão e rejeição" entre a comunidade internacional. "Contra essa onda, reitero o compromisso do Brasil em promover uma ordem mundial multilateral equitativa e baseada em regras, onde a proteção e promoção de direitos humanos são salvaguardas", disse.

 

Ao circular seu discurso na segunda-feira, Zeid apontou que "a corrupção viola o direito de milhões de pessoas pelo mundo, ao roubar deles o que deveria ser um bem comum e impedindo direitos fundamentais como saúde, educação ou acesso à Justiça".

 

"Recentes escândalos de corrupção, incluindo sérias alegações com altos funcionários do Brasil e de Honduras, mostram como a corrupção está profundamente enraizada em todos os níveis de governo em muitos países das Américas, muitas vezes ligados ao crime organizado e tráfico de drogas", afirmou Zeid.

 

"Isso mina as instituições democráticas e promove uma erosão da confiança pública", alertou. "Progresso para destapar, processar a corrupção em todos os níveis de governo é um passo essencial para garantir respeito pelos direitos dos povos, incluindo a Justiça", apelou Zeid.

 

Em fevereiro, ao reassumir o assento no Conselho de Direitos Humanos da ONU, o governo brasileiro fez questão de declarar que suas instituições estão funcionando e que têm como um dos seus objetivos lutar contra a corrupção.

 

Por um ano, por opção do governo de Dilma Rousseff, o Brasil se manteve fora do Conselho da ONU. Mas decidiu por voltar no final de 2016 e, em fevereiro, reassumiu seu posto por dois anos.

 

Em seu primeiro discurso, a Justiça e o tema da corrupção foram mencionados. "Depois de um processo político difícil, o Brasil se levanta para mostrar ao mundo a robustez de nossas instituições, nosso apego à lei e à Justiça e, acima de tudo, o caráter aberto e democrático de nossa sociedade e de nosso sistema político", disse a ministra de Direitos Humanos, Luislinda Valois.

 

"Hoje, como sempre, perseveramos no combate contra a corrupção, com o pleno empenho do Poder Público e total respeito ao devido processo legal e às garantias individuais preconizadas na Carta Magna Brasileira", afirmou.

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em POLÍTICA


Andrade Gutierrez relata pagamento para 1ª campanha de Dilma
...


Cunha quer que PMDB decida sobre saída do governo
...


Eduardo Braga recebeu entre R$ 20 e R$ 30 milhões em propina, diz delator
...


''Não há motivos jurídicos que impeçam Lula de assumir ministério'', diz Dalmo Dallari
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::