Rondônia, - 12:44
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - POLÍTICA
novo governador do amazonas
Amazonino Mendes herdará 'exército' de cinco mil comissionados no Estado
Cargos de confiança e de livre nomeação do governador representam mais de 6% do total de servidores do governo estadual
Publicado Domingo, 3 de Setembro de 2017, às 19:26 | Fonte A Crítica/AM 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=335428&codDep=19" data-text="Amazonino Mendes herdará 'exército' de cinco mil comissionados no Estado

  
 
 

Mais do que um orçamento com 70% dos recursos comprometidos, o governador eleito Amazonino Mendes (PDT) herdará uma administração que emprega mais servidores do que todas as 446 empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM) juntas. Enquanto no PIM a mão-de-obra empregada é de 78.830 pessoas, todos os órgãos que compõem a máquina estadual totalizam 80.586 postos de trabalho.

Desse total, 5.320 funcionários ocupam cargos comissionados, ou seja, são de livre nomeação do governador. São cargos de chefia e comando, em sua maioria preenchidos por critério técnico ou indicação política de aliados, parlamentares, prefeitos, ex-prefeitos. O contingente representa 6,6% da folha de pagamento do Estado que dependem de uma canetada do chefe do Poder Executivo.

O quantitativo de comissionados também engloba os cargos do primeiro e segundo escalão (secretários e secretários executivos) do governo do Estado. São 62 postos.

Orçamento empenhado

Dentre as secretarias que empenharam (reservaram para pagar serviços contratados) mais de 80% do orçamento estão a Secretaria de Estado de Comunicação Social (Secom), de Cultura (Sec), Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Secretaria De Estado Da Casa Militar e a Secretaria de Estado de Saúde (Susam).

A Susam e a Casa Militar lideram os gastos do orçamento deste ano com 97% e 91% de valores empenhados, respectivamente. Na Susam, Amazonino ainda poderá contratar R$ 28,5 milhões até o final de 2017 caso a receita não aumente por meio da arrecadação. Contudo, o governador eleito pode, se quiser, remanejar recursos de outras áreas até o limite de (40%).

A Secretaria de Cultura, por exemplo, tinha um orçamento inicial de R$ 82,5 milhões, foi aumentado para R$ 94,4 milhões. Desse montante, de janeiro a agosto, já foram comprometidos R$ 79,2 milhões, o que equivale a 84%. O Detran também teve um aumento de verbas e chegou a R$ 87,3 milhões. Mas só conta com 13% desse total.

Comunicação

A Secom, dos R$ 46,4 milhões, até a sexta-feira já havia comprometido R$ 38,1 milhões restando apenas para o governador que irá assumir o 18% para ser utilizado pelo órgão no último quadrimestre do ano. Do valor contratado pela Secom, 94% já foram devidamente quitados.

No topo do ranking de órgãos que menos empenharam recursos está a Secretaria de Estado de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Seplancti). Dos R$ 54,9 milhões de orçamento, só comprometeu 38%, R$ 20,7 milhões.

Com a palavra, o deputado estadual e economista Serafim Corrêa

“O Estado vai fechar, sem maiores problemas, as contas do ano. Em dois quadrimestres ele arrecadou R$ 10 bilhões, portanto se mantiver esse mesmo ritmo, a tendência é que nos últimos quatro meses a receita cresce. Terá uma arrecadação de, no mínimo, R$ 5 bilhões mais. Sendo assim, vai ter uma arrecadação de R$ 15 bilhões ao final do ano. Mas o que está empenhado são R$ 11 bilhões, então tem quase R$ 4 bilhões para empenhar daqui até o final do ano. Portanto, a grosso modo, eu não vejo dificuldades para fechar as contas. O fato de ter empenhado, não significa dizer que já tem que pagar. Porque o processo é assim: 1º previsão orçamentária; 2º tem que fazer licitação; 3º tem que contratar; 4º tem que empenhar; 5º tem que dar a ordem de serviço; 6º é preciso que a mercadoria seja entregue ou o serviço seja prestado; 7º quando isso for confirmado, aí se faz a liquidação; 8º pagamento. Então tem um longo caminho pela frente. Não afeta a receita do ano que vem”.

O ESTADO EM NÚMEROS

14,6 bilhões de reais era a previsão de receita para ser utilizada no ano de 2017. Esse valor é distribuído entre todos os órgãos do governo e dos outros poderes. São todas os recursos obtidos por meio de impostos, repasses e empréstimos.

80.586 pessoas ocupam cargos em 58 órgãos do governo. Desse montante 66.141 são concursados; 411 são celetistas - regidos pela CLT ; 8.634 ocupam cargos temporários; e 5.320 são comissionados.

2,2 bilhões de reais é o orçamento atualizado para a Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Deste recurso, 65% já foram empenhados - reservados para pagar serviços contratados, restando apenas R$ 789 milhões para serem gastos.

Seinfra turbina orçamento, mas despesas são brecadas

Levantamento realizado no Portal da Transparência Fiscal do Amazonas revela que a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) teve o orçamento deste ano turbinado pelo governo em mais de R$ 615 milhões. Saltou de R$ 540,3 milhões no início de janeiro para R$ 1,1 bilhão.

Desse total, apenas R$ 330 milhões foram empenhados – que é a primeira fase do pagamento de um contrato – pelo Estado, o que representa 29% do valor autorizado. A pasta já desembolsou R$ 144 milhões dos valores contratados, ou seja, 44% do total. Os dados abrangem as gestões de do governador cassado José Melo (PROS) e do interino Davi Almeida (PSD). A pasta é uma das que menos executou o orçamento.

Na última quarta-feira, o Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) proibiu que fossem realizados, pela governador em exercício, novos procedimentos licitatórios ou dispensa de licitações e a assinatura de contratos que reflitam na gestão do governador eleito, Amazonino Mendes (PDT). Além de contratação de obras, serviços e compras que possam ser objeto de uma análise mais minuciosa do TCE-AM.

No dia 31 de agosto, a Procuradoria Geral do Amazonas (PGE-AM) entrou com uma ação na Justiça Estadual na tentativa de anular a decisão do Tribunal de Contas de Estado (TCE-AM) que restringiu gastos do governo interino de David Almeida (PSD). No último sábado, o desembargador Sabino Marques negou o pedido.

Em sua decisão, o magistrado afirmou que não verificou a existência das ilegalidades apontadas pelos procuradores do Estado e extinguiu o processo sem resolução de mérito. Ressaltou também que essas supostas ilegalidades, necessariamente, passariam pela análise do mérito, sendo imperativo, portanto, que a decisão do TCE fosse examinada com base nos documentos apresentados na representação do Ministério Público de Contas, porém, a documentação não constava no processo.





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em POLÍTICA


Em reunião extraordinária, PSTU Rondônia define diretrizes para 2018
Em reunião realizada nesta quarta-feira ( 15/11) a direção estadual do PSTU - Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados em Rondônia definiu diretrizes para participação do partido no pleito eleitoral em 2018 no estado....


Mariana Carvalho acompanha trabalho da Marinha do Brasil em Rondônia
A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB – RO) visitou nesta quarta – feira, 15, o Navio Patrulha Fluvial Rondônia da Marinha do Brasil....


Por que 60% dos eleitores de Bolsonaro são jovens?
...


‘PSDB terá de ressurgir das cinzas’, diz Mariana Carvalho
Mariana Carvalho, tucana de Rondônia e segunda-secretária da Câmara, diz que a candidatura de Tasso Jereissati se fortalece e afirma que o PSDB...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::