Rondônia, - 12:53
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Espiritualidade e Religião
Espiritualidade e Religião
Por que muçulmanos vão a Meca. E como a política influencia a peregrinação
Publicado Domingo, 3 de Setembro de 2017, às 15:37 | Fonte Terra 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=335415&codDep=67" data-text="Por que muçulmanos vão a Meca. E como a política influencia a peregrinação

  
 
 

 

Local sagrado da fé islâmica

HOMEM REZA EM FRENTE A KAABA EM MECA, NA ARÁBIA SAUDITA - FOTO: SUHAIB SALEM/REUTERS - 26.08.2017

 

 

 

 

 

Mais de 1,75 milhão de muçulmanos se encontraram nos arredores de Meca na Arábia Saudita na quarta-feira (30) para uma das maiores reuniões anuais do mundo, o Hajj. A palavra em árabe significa peregrinação, e representa um dos cinco pilares da fé islâmica. Todo muçulmano deve ir à cidade na Arábia Saudita pelo menos uma vez na vida, se tiver as condições financeiras e de saúde para tanto.

Ao mesmo tempo que o evento é uma importante fonte de renda para a região, também demanda o planejamento logístico das autoridades sauditas. Nas peregrinações de 1990, 2004, 2006 e 2015, acidentes no meio da multidão geraram pânico e pisoteamentos que resultaram na morte de centenas de pessoas.

O Hajj é assunto governamental de alguns dos maiores países muçulmanos, e existem ministérios responsáveis por organizar a ida de seus nacionais a Meca. Incidentes como esses geram tensões políticas com acusações de incompetência na organização do evento.

 

 

 

1.000 vagas para cada um milhão de habitantes. É a cota estabelecida pelo governo saudita a outros países muçulmanos para a recepção de fiéis no Hajj

 

 

 

Em 2016, por exemplo, o Irã não organizou a peregrinação depois de mais de 400 de seus nacionais morrerem no incidente de 2015. O cenário político de 2017 também é de tensão na região, com o isolamento do Qatar liderado pela Arábia Saudita, e sua consequente aproximação do Irã, principal força rival dos sauditas no Oriente Médio.

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Espiritualidade e Religião


Papa diz que freiras fofoqueiras são piores que 'terroristas' do Sendero Luminoso
...


Cardeal critica papa Francisco por defender bispo em caso de pedofilia
...


Papa diz que corrupção é vírus que ataca povos e democracias da América Latina
...


Presidente da Igreja Mórmon Thomas Monson morre aos 90 anos
...

 

::: Publicidade :::

a



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE