Rondônia, - 00:05
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Espiritualidade e Religião
Espiritualidade e Religião
Por que muçulmanos vão a Meca. E como a política influencia a peregrinação
Publicado Domingo, 3 de Setembro de 2017, às 15:37 | Fonte Terra 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=335415&codDep=67" data-text="Por que muçulmanos vão a Meca. E como a política influencia a peregrinação

  
 
 

 

Local sagrado da fé islâmica

HOMEM REZA EM FRENTE A KAABA EM MECA, NA ARÁBIA SAUDITA - FOTO: SUHAIB SALEM/REUTERS - 26.08.2017

 

 

 

 

 

Mais de 1,75 milhão de muçulmanos se encontraram nos arredores de Meca na Arábia Saudita na quarta-feira (30) para uma das maiores reuniões anuais do mundo, o Hajj. A palavra em árabe significa peregrinação, e representa um dos cinco pilares da fé islâmica. Todo muçulmano deve ir à cidade na Arábia Saudita pelo menos uma vez na vida, se tiver as condições financeiras e de saúde para tanto.

Ao mesmo tempo que o evento é uma importante fonte de renda para a região, também demanda o planejamento logístico das autoridades sauditas. Nas peregrinações de 1990, 2004, 2006 e 2015, acidentes no meio da multidão geraram pânico e pisoteamentos que resultaram na morte de centenas de pessoas.

O Hajj é assunto governamental de alguns dos maiores países muçulmanos, e existem ministérios responsáveis por organizar a ida de seus nacionais a Meca. Incidentes como esses geram tensões políticas com acusações de incompetência na organização do evento.

 

 

 

1.000 vagas para cada um milhão de habitantes. É a cota estabelecida pelo governo saudita a outros países muçulmanos para a recepção de fiéis no Hajj

 

 

 

Em 2016, por exemplo, o Irã não organizou a peregrinação depois de mais de 400 de seus nacionais morrerem no incidente de 2015. O cenário político de 2017 também é de tensão na região, com o isolamento do Qatar liderado pela Arábia Saudita, e sua consequente aproximação do Irã, principal força rival dos sauditas no Oriente Médio.

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Espiritualidade e Religião


A polêmica orientação da Igreja Anglicana para que escolas deixem crianças vestir roupas identificadas com outro gênero
...


Papa diz estar preocupado com ''retorno dos nacionalismos'' na Europa
...


Papa fala com tripulação da ISS sobre lugar do homem no universo
...


Papa celebra beatificação no Brasil de sacerdote italiano
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::