Rondônia, - 01:40
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - NACIONAL
Nacional
Governo corta projetos de energia limpa por economia minúscula
Publicado Sexta-Feira, 1 de Setembro de 2017, às 10:08 | Fonte Gizmodo 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=335328&codDep=30" data-text="Governo corta projetos de energia limpa por economia minúscula

  
 
 

 

 

 

 

 

 

 

O governo brasileiro economizou pouco mais de R$ 100 milhões no primeiro leilão para… cancelar contratos de energia limpa? Talvez possa soar estranho, mas você não leu errado: foi o primeiro leilão para devolver projetos no país.

Voltado para descontratar projetos de energia, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) cancelou nesta semana a capacidade de gerar 183,2 MW médios por meio de 25 projetos — 16 de energia eólica e nove solar. Os “ganhadores” terão os contratos rescindidos e não poderão participar dos próximos leilões de energia por dois anos. O país, por sua vez, economizará 105,9 milhões.

A razão para o leilão de cancelamentos, segundo o Ministério de Minas e Energia foi devido aos otimistas planos de crescimento econômico do governo durante o começo do ano, que vem com o que ministérios fechasse mais contratos do que precisasse – segundo informações da Época, uma avaliação inicial julgou que os projetos gerariam 8.000 MW em excesso.

O Brasil é o 9º país do mundo que mais gera energia eólica, ultrapassando a Itália e com uma capacidade acumulada de 12GW, segundo informações da EBC. A energia proveniente dos ventos é responsável também por mais de 60% do abastecimento elétrico do Nordeste — que há quase 10 anos dependia quase que exclusivamente de fontes hidrelétricas.

O governo cancelou o leilão original em dezembro do ano passado e anunciou um novo, voltado para energia de reserva, em fevereiro e ele incluiria diferentes fontes de energia, inclusive as renováveis.  — produtoras de energia eólica e solar não assinavam novos contratos de longo prazo com o governo desde o final de 2015, segundo informações do UOL.

Na época, o secretário de planejamento e desenvolvimento energético do Ministério de Minas e Energia, Eduardo Azevedo, afirmava que era necessário reavaliar a sobra de energia no país pois ela não era “tão grande quanto a que foi anunciada”. O secretário afirmava também que, com o leilão, preservaria o setor de energias renováveis do país.

No auge das mudanças climáticas, fontes de energia renováveis, baratas e limpas  não são apenas necessárias, são essenciais. Mas, ironicamente (ou não), apenas de ter cancelado diversas fontes de energia limpa, o governo não cancelou nenhum contrato de hidrelétricas, termelétricas ou energias poluentes que tiveram participação no leilão.

Imagem de topo: Eduardo Fonseca/Flickr

[Época, G1]

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em NACIONAL


Centro cultural em Manaus vai abrigar nova base da Polícia Militar
...


Cantor amapaense Alan Gomes homenageia Djavan em show especial
...


Festival 'Até o Tucupi' 2017 debate sobre Consciência Negra, em Manaus
...


Um ano após STF impedir veto a tatuagem, Marinha, bombeiros e polícias militares barram tatuados
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::