Rondônia, - 07:00

 

Você está no caderno - Tecnologia e Vida Digital
Tecnologia
WhatsApp, Facebook e Twitter da China são investigados por hospedar pornografia
Publicado Sábado, 12 de Agosto de 2017, às 08:23 | Fonte Olhar Digital 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=334429&codDep=41" data-text="WhatsApp, Facebook e Twitter da China são investigados por hospedar pornografia
ADS NEWS 3

  
 
 

 

(Foto: reprodução)

 

 

 

 

 

 

A Administração do Ciberespaço do governo da China iniciou uma investigação contra as redes sociais WeChat, Baidu Tieba e Weibo, que são os equivalentes chineses do WhatsApp, do Facebook e do Twitter, respectivamente. De acordo com a BBC, as autoridades afirmaram que as três plataformas estavam sendo usadas para espalhar obscenidades, rumores e conteúdos relacionados a terrorismo.

Essas redes sociais pertencem, respectivamente, às gigantes chinesas de tecnologia Tencent, Baidu e Sina Corporation. Elas são algumas das redes sociais mais populares do mundo, cada uma das quais tendo centenas de milhões de usuários. Embora elas já censurem pesadamente o conteúdo postado por usuários para seguir diretrizes do governo, aparentemente esse policiamento ainda estava insuficiente.

O governo acusou os usuários das plataformas de "espalhar violência, terror, rumores falsos, pornografia e outras ameaças à segurança nacional, segurança do público e ordem social" nas redes. A BBC especula que a investigação dos sites esteja relacionada ao Congresso do Partido Comunista chinês, que acontecerá entre outubro e dezembro e teria incentivado o governo a fechar ainda mais o cerco contra a liberdade de expressão.

Respondendo às investigações, a Baidu disse "lamentar profundamente" a situação e que vai "cooperar ativamente com os departamentos do governo para retificar a questão e aumentar a intensidade da vigilância", segundo a Reuters. As empresas responsáveis pelo WeChat e pelo Weibo não comentaram o caso. 

Internet cercada

Redes sociais ocidentais como o Facebook, o Twitter e o Instagram já são bloqueadas na China, bem como o Google e sites de notícias do ocidente, como o New York Times e o Le Monde. O acesso a esses sites poderia até mesmo ser feito por meio de VPNs (redes virtuais privadas), mas o governo chinês mudou a legislação em janeiro deste ano para criminalizar o uso de VPNs. O governo também tem registro dos números de telefone associados aos usuários, o que torna a prática bastante arriscada. 

No final de julho, a Apple, sob pressão do governo, também removeu de sua loja chinesa de aplicativos todos os programas relacionados a VPNs, como aponta o TechCrunch. Esses fatores levaram a ONG Freedom House, que avalia o nível de democracia nos países, a considerar a China "o maior abusador da liberdade da internet do mundo". 

 






ADS NEWS 4

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em Tecnologia e Vida Digital


Tinder adiciona Bitmoji às conversas
...


Apple usou membrana de silicone para evitar que sujeira trave as teclas dos novos MacBooks
...


Falha pode transformar robô de limpeza em máquina de espionagem
...


Gigantes de tecnologia negam censura de conteúdo político em redes sociais
...

 

::: Publicidade :::

ADS NEWS 1

ADS NEWS 2

ADS NEWS 3


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM