Rondônia, - 10:12
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - NACIONAL
Nacional
TJ dá prazo para advogado e desembargador se explicarem após acusação durante sessão em SC
Publicado Terça-Feira, 8 de Agosto de 2017, às 11:55 | Fonte Do G1 SC 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=334216&codDep=30" data-text="TJ dá prazo para advogado e desembargador se explicarem após acusação durante sessão em SC

  
 
 

 

Resultado de imagem para TJ dá prazo para advogado e desembargador se explicarem após acusação durante sessão em SC

TJ dá prazo para advogado e desembargador se explicarem após acusação durante sessão

 

 

 

 

 

 

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) fez na tarde desta segunda-feira (6) uma reunião a portas fechadas para discutir o caso que envolve o desembargador Eduardo Gallo Júnior e o advogado Felisberto Odilón Córdova. Na semana passada, durante uma sessão na primeira Câmara de Direito de Civil, Córdova acusou diretamente o desembargador de pedir propina de R$ 700 mil para votar favoravelmente no processo. O desembargador nega as acusações.

O TJSC informou que vai enviar uma interpelação (pedido de explicações) ao advogado Córdova e ao sócio dele, para que apresentem as provas, e solicitou ao desembargador que faça explicaçõess formais ao tribunal. Eles terão prazo de cinco dias para responder, a partir do recebimento do pedido. Conforme a RBS TV, a expectativa é de que esse pedido seja protocolado nesta terça (8).

O TJSC deve ainda pedir que a Ordem dos Advogados do Brasil e o Ministério Público investiguem a conduta do advogado. Na Ordem, foi criada uma comissão para atuar no caso. Para o tribunal, a ação do advogado foi precipitada e contrária às normativas jurídicas.

"O Tribunal comprometeu-se em investigar, examinar e apurar os fatos com a profundidade que a situação merece e com a celeridade que for possível, sem prejuízo ao sagrado direito do contraditório e da ampla defesa", afirmou o desembargador João Henroque Blasi, coordenador do núcleo de comunicação institucional do TJSC.

O presidente da OAB-SC, Paulo Brincas, disse que os advogados têm a prerrogativa profissional de ocupar a tribuna para fazer denúncias e que a instituição tem o dever de garantir esta prerrogativa.

"Estou convicto que ele [Córdova] apresentará as provas e os fatos serão investigados pelos órgãos competentes. A OAB-SC vai apoiá-lo e acompanhar os desdobramentos das denúncias”, disse o presidente da ordem na sexta-feira (4).

O ministro João Otávio de Noronha, corregedor nacional do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), determinou a abertura de uma sindicância para a apurar a denúncia.

Desembargador distribui documentos

Dos 82 desembargadores, 64 acompanharam a discussão do caso nesta segunda. O desembargador Eduardo Gallo preferiu não participar da reunião, mas antes do encontro entregou aos colegas documentos com a versão dele sobre o ocorrido e também o detalhamento do voto da sessão onde houve a acusação.

 

 

 

 

 

Desembargador Blasi (à direita), disse episódio é o mais grave em 125 anos de história do TJSC (Foto: Eveline Pôncio/RBS TV)

Desembargador Blasi (à direita), disse episódio é o mais grave em 125 anos de história do TJSC (Foto: Eveline Pôncio/RBS TV)

 

 

 

 

 

"Nos 125 anos de história do Tribunal de Justiça, de história retilínea e ascendente, é sem dúvida o episódio mais grave de que se tem conhecimento", afirmou o desembargador João Henroque Blasi.

 

 

 

 

Tumulto em sessão

Após o voto contrário do desembargador durante a sessão sobre uma ação de mais de 50 anos, na qual Córdova representa a si mesmo, o advogado afirmou, em sua sustentação oral, que o julgamento era "comprado". Toda a confusão ocorrida na tarde de quinta-feira (3) foi gravada por um celular.

"Eu estou fazendo uma denúncia. Esse cidadão foi abordado com uma proposta que veio do Rio de Janeiro, para receber R$ 500 mil, R$ 250 mil antes, R$ 250 mil depois, e o descarado [Gallo] chegou a mandar para o nosso escritório, que poderíamos cobrir isso por R$ 700 mil", disse, exaltado.

O desembargador pediu ao juiz providências e a sessão foi interrompida. "Eu não vou admitir que um advogado me chame de vagabundo e Vossa Excelência não tome providências. Eu nunca passei por isso na minha vida, eu tenho 25 anos de magistratura. Eu requeiro a prisão do advogado", disse o desembargador ao presidente da Câmara após a saída de Córdova.

"Meu cliente não recebeu nenhuma propina, não solicitou nenhuma propina, não recebeu nenhuma oferta de propina", disse o advogado Nilton Macedo Machado. Já Córdova reafirmou suas acusações. "Não foi um ato impulsivo, foi uma constatação. A minha constatação de que tudo isso deveria ser verdadeiro estaria em função da maneira que ele julgasse a causa. Não que tivesse que julgar ao meu favor, mas que trouxesse um voto idoneamente técnico", disse o advogado.

 

 

 

 

Ação tem mais de 50 anos

O processo em discussão é uma ação de mais de 50 anos. O escritório de Córdova requer honorários advocatícios. A decisão de primeiro grau é no valor de R$ 35 milhões.

O TJSC está julgando o recurso da empresa, que na época contratou o escritório. O voto do relator Gallo foi contrário a decisão de primeiro grau, ou seja, contra o escritório de advocacia.

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em NACIONAL


Por que São Paulo ainda não conseguiu despoluir o rio Tietê?
...


Centro cultural em Manaus vai abrigar nova base da Polícia Militar
...


‘Liberdade Religiosa’, diz sabatista no Acre que vai fazer prova do Enem domingo (12)
...


Camponeses enfrentam tentativa de intimidação por pistoleiros e reafirmam decisão pela retomada da Fazenda Vera Cruz
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE