Rondônia, - 00:20
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - NACIONAL
Nacional
Observatório brasileiro de asteroides faz financiamento coletivo para não parar
Publicado Sexta-Feira, 4 de Agosto de 2017, às 10:50 | Fonte Gizmodo 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=333974&codDep=30" data-text="Observatório brasileiro de asteroides faz financiamento coletivo para não parar

  
 
 

 

sonear

 

 

 

 

 

O hemisfério Sul pode ficar carente de um Observatório capaz de monitorar os asteroides que passam perto da Terra desse lado do globo. O SONEAR, Observatório Austral para Pesquisa de Asteroides Próximos à Terra, é uma iniciativa de astrônomos amadores, instalado na cidade de Oliveira, em Minas Gerais, e está sem grana para se manter até o ano que vem.

Embora o trabalho seja feito por entusiastas, o SONEAR é um dos observatórios mais importantes do hemisfério e um dos únicos capazes de realizar o monitoramento desses objetos por aqui. Ele, inclusive, já rendeu diversas descobertas importantes, a última delas neste ano, o asteroide 2017 NT5 – listado na lista de risco da NASA. Foi dessa iniciativa que surgiu também o primeiro cometa descoberto por brasileiros, o SONEAR C/2014 A4. O projeto funciona há quatro anos e até o momento localizou 28 NEOs (Near Earth Objects ou Objetos Próximos a Terra) e seis cometas. A lista completa e detalhada está aqui.

Cristovao Jacques, um dos fundadores do projeto, contou ao Gizmodo Brasil que custa entre R$ 8.000 e R$ 9.000 por ano manter tudo funcionando e que eles não recebem nenhum dinheiro de instituições ou governos. “O projeto é custeado pelos fundadores, eu, Cristovao Jacques, e João Ribeiro. Eventualmente, recebemos a colaboração do Eduardo Pimentel também. Portanto, 100% do custo de implantação e de manutenção é financiado com recursos próprios”, conta Jacques.

O SONEAR é um dos observatórios amadores mais eficientes em descobertas, considerando todo o mundo. Segundo os criadores, entre 2014 e 2016, eles encabeçaram a lista de número de objetos encontrados. Eles realizam monitoramento constante do céu noturno, e durante o dia uma programação com agendamentos que delimita as zonas do céu a serem monitoradas é realizada. Telescópios pré-programados e operados remotamente fazem imagens do céu, e então um software as analisa, separando o que vale a pena. Depois, o grupo analisa todos os dados, e aquilo que vale a pena é enviado para a União Astronômica Internacional, para que astrônomos confirmem.

Tudo isso exige grana, e por isso os criadores tentam um financiamento coletivo pelo site Vakinha. Segundo eles, é gasto dinheiro com energia elétrica, manutenção e aquisição de softwares, aquisição de peças de reposição para os telescópios, entre outros itens. O objetivo é arrecadar R$ 17.000, para custear o biênio 2017-2018.

Jacques ressalta que a continuidade do observatório é importante, ou ficaremos às cegas sobre os objetos que passam perto da Terra no hemisfério Sul. “Este é um dos dois únicos observatórios no hemisfério Sul a fazer este trabalho de descobertas”, comentou. O outro observatório, a propósito, está parado, esperando peças de reposição para o equipamento.

Imagem do topo: SONEAR

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em NACIONAL


Cármen Lúcia vai enfrentar Gilmar?
...


Operação combate desvios em pensões e aposentadorias de militares no Rio Grande do Sul
...


Júri absolve 3 PMs acusados de jogar suspeito de roubo do telhado e executá-lo
...


PM é baleado e morto durante blitz da Lei Seca no Rio
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE