Rondônia, - 01:01
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
Rodrigo Maia atrai congressistas para inflar o DEM e aumentar bancada
Publicado Sábado, 15 de Julho de 2017, às 18:51 | Fonte Portalodia 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=332770&codDep=19" data-text="Rodrigo Maia atrai congressistas para inflar o DEM e aumentar bancada

  
 
 

 

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

 

 

 

 

 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), articula a migração de deputados para turbinar seu partido, que esteve em vias de extinção na era petista. Ele negocia a filiação de dissidentes do PSB que se recusam a deixar a base do governo Temer. A meta é chegar a 50 deputados e tomar o lugar do PSDB como a terceira maior bancada da Câmara.

Nesta sexta (14), Maia recebeu um grupo de pessebistas em sua residência oficial. Ele espera atrair pelo menos dez deputados dispostos a trocar a sigla de centro-esquerda pelo antigo PFL. O grupo é encabeçado pela líder Tereza Cristina (MS), que participou da reunião. A deputada está em conflito com a cúpula do PSB, que rompeu com o Planalto e passou a defender a renúncia do presidente Michel Temer.

Outros aliados do governo, como o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), também estão de malas prontas para mudar de sigla. "Os neossocialistas estão chegando", brinca o deputado Pauderney Avelino (DEM-AM).

Maia reconhece que o DEM esteve próximo de desaparecer, mas diz que o partido está sendo recompensado pelos 13 anos de oposição ao PT. "Diziam que o DEM se aliaria a qualquer governo, mas nós mantivemos a coerência. Agora estamos colhendo os resultados disso", afirma.

Depois de eleger 105 deputados em 1998, a sigla passou a encolher a cada quatro anos. Chegou ao fundo do poço em 2014, quando conquistou apenas 21 vagas na Câmara. Hoje o partido tem 29 deputados, graças a mudanças negociadas durante a "janela da infidelidade".

O declínio eleitoral foi acentuado pelo escândalo do mensalão do DEM, que levou à prisão do então governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, em 2010. No ano seguinte, o atual ministro Gilberto Kassab aumentou a sangria ao criar o PSD em parceria com outro pefelista histórico, o ex-senador Jorge Bornhausen.

Os remanescentes do antigo PFL costumam lembrar uma provocação do ex-presidente Lula na campanha de 2010, quando o petista disse que era preciso "extirpar o DEM da política brasileira". "Fomos um exército de loucos que resistiram até o fim", diz o ministro da Educação, Mendonça Filho. "Quem acreditou que íamos desaparecer agora tem que enxergar essa realidade".

O deputado Avelino reconhece que a maioria dos colegas jogou a toalha ao assistir a quatro vitórias do PT em eleições presidenciais. "Ficou só a turma da resistência. O auge do petismo foi o pior momento do nosso partido. Agora o Lula está condenado pela Justiça e o DEM voltou a crescer", comemora.

Além de atrair os dissidentes governistas do PSB, a cúpula do DEM negocia a filiação de deputados de siglas menores, como PPS e PHS.

Maia não quer avançar na bancada do PMDB para não criar novo foco de atrito com Temer. No entanto, seus aliados reconhecem que a possibilidade de o deputado assumir a Presidência aumentou o dote do partido. A ideia é antecipar para dezembro a nova janela para trocas partidárias, que está prevista para março de 2018.

Ainda não está decidido se o DEM vai mudar de nome mais uma vez. O partido deixou de se chamar PFL há uma década, mas a operação não rendeu dividendos nas urnas. Os defensores da nova mudança argumentam que isso facilitaria a migração de parlamentares do PSB para uma sigla de direita, com ideário conservador e ligações históricas com a ditadura militar.

Se a versão turbinada do DEM chegar a 50 deputados, a sigla passará a ter a terceira maior bancada da Câmara, atrás de PMDB (62) e PT (58) e à frente do PSDB (46).

O deputado Danilo Forte (PSB-CE), um dos descontentes do PSB, diz que a ideia é recrutar parlamentares que apoiam as reformas liberais do governo e "não estejam muito queimados na imagem ética". Nesta quinta (13), ele contrariou a orientação de seu partido e votou a favor do arquivamento da denúncia que acusa Temer de corrupção.

Fonte: Bernardo Mello Franco e Daniel Carvalho (Folhapress)

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em POLÍTICA


Lúcio Mosquini defende regulamentaçāo da profissāo de Tecnólogo em Segurança do Trabalho
...


Paulinho chama de 'estapafúrdias' ideias de Meirelles para a Previdência
...


Prefeitos vindicam investimentos e Arom assina protocolo com o parlamento e governo
...


Cunha diz que não cabe a ele pedir apuração sobre assinatura suspeita
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::