Rondônia, - 12:41
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
Senado pode concluir nesta semana votação do fim do foro privilegiado
Publicado Segunda-Feira, 15 de Maio de 2017, às 10:05 | Fonte Do G1, em Brasília 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=328794&codDep=19" data-text="Senado pode concluir nesta semana votação do fim do foro privilegiado

  
 
 

 

Plenário da Câmara, que terá nesta semana votação de medidas provisórias (Foto: Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados)

Plenário da Câmara, que terá nesta semana votação de medidas provisórias (Foto: Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados)

 

 

 

O Senado deve concluir nesta semana a análise da proposta de emenda à Constituição (PEC) que acaba com a prerrogativa de foro para autoridades nos casos de prática de crimes comuns, como roubo e corrupção.

O texto precisa ser votado em segundo turno antes de ser enviado para a Câmara. No fim de abril, os senadores aprovaram a proposta em primeiro turno por 75 votos a favor e nenhum contrário.

Pela lei em vigor, políticos como senadores, deputados federais e ministros têm direito a ser investigados e julgados apenas no Supremo Tribunal Federal (STF). No caso dos governadores, o foro é o Superior Tribunal de Justiça (STJ). Prefeitos, por sua vez, são julgados por tribunais de Justiça nos estados.

Pela proposta, as autoridades deverão ser julgadas pela primeira instância no estado onde o eventual crime tiver ocorrido e não mais em tribunais superiores. O projeto estabelece uma exceção para os presidentes da República, da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal.

Ainda no Senado, o plenário terá na terça-feira (16) uma sessão de debates sobre a reforma trabalhista. Foram convidados o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, sindicalistas e especialistas.

O projeto foi aprovado na Câmara no fim de abril. Entre outros pontos, a reforma estabelece regras para que acordos entre empresários e representantes dos trabalhadores passem a ter força de lei, o chamado "negociado sobre o legislado".

Câmara

Na Câmara, a semana será dedicada à análise de projetos que represados, pendentes de votação. Na última semana, por exemplo, o plenário principal da Casa não apreciou nenhum projeto na quarta-feira (10), dia em que as atenções dos deputados estavam voltadas à Comissão Especial da Reforma da Previdência.

A proposta com alterações nas regras da aposentadoria está pronta para ir a plenário, mas o texto ainda não está na pauta. Membros da base aliada avaliam que o debate sobre o projeto ainda precisa amadurecer para garantir a aprovação do texto. Por se tratar de uma mudança na Constituição, a proposta precisa de apoio de pelo menos 308 dos 513 deputados.

Enquanto a Previdência não entra em votação, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informou que vai alongar os trabalhos na Casa nesta semana. Estão previstas sessões deliberativas de segunda (15) a quinta (18).

Projetos

Os deputados vão se dedicar à análise de nove medidas provisórias. Uma delas prorroga o programa seguro-emprego, que autoriza empresas a reduzirem o salário e a carga-horária de funcionários em até 30%. Nesses casos, o governo repassa ao trabalhador o equivalente à metade da perda salarial.

Também deve ser votada a MP que autorizou o comércio a cobrar preços diferentes de quem paga com cartão de crédito ou com dinheiro. Por se tratar de medida provisória, a regra já está valendo, mas o projeto precisa do aval da Câmara e do Senado.

Maia disse que também quer colocar em votação um projeto que regulariza incentivos fiscais concedidos por estados a empresas sem o aval do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). A proposta autoriza os estados a estenderem os incentivos por até quinze anos.

Também na pauta da Câmara, pode ser votado um projeto que agiliza procedimentos de destituição de uma criança do poder familiar e de adoção de crianças e adolescentes.

Um dos pontos do texto reduz o prazo que o Ministério Público tem para encaminhar um pedido de destituição familiar de uma criança, podendo ser dispensada a realização de estudos complementares se, por exemplo, “houver suspeita de agressão física” contra o jovem.

CPI

Na terça-feira (16), a CPI da Funai e do Incra deve votar o relatório final do deputado Nilson Leitão (PSDB-MT). O parecer, com quase 3,4 mil páginas, sugere o indiciamento de mais de cem pessoas, além de propor a criação de um órgão para substituir a Funai.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em POLÍTICA


“Nenhum petista me intimida”, diz Doria sobre manifestação
...


Mesmo após traições na CCJ, Temer assegura a tucano que PSDB fica no governo
...


Planalto arma ofensiva para evitar que Câmara aceite ação contra Temer
...


Senado vota hoje pedido de urgência para reforma trabalhista
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE