Rondônia, - 01:39
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - POLÍTICA
PORTOAGRO
Individualismo dificulta reforma política, diz brasilianista
Publicado Segunda-Feira, 15 de Maio de 2017, às 09:47 | Fonte Terra 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=328789&codDep=19" data-text="Individualismo dificulta reforma política, diz brasilianista
  
 
 

 

Resultado de imagem para Individualismo dificulta reforma política, diz brasilianista

Divulgação - Foto do site Deutsche Welle700 × 394 Pesquisar por imagem

 

 

 

 

 

Em debate ao lado de Jacques Wagner e Ciro Gomes, cientista político Timothy Power afirma que mentalidade dos parlamentares deve impedir reforma ideal, que incluiria mudanças como lista fechada e fim do cargo de vice.Ao abordarem o futuro da democracia após o impeachment e a Operação Lava Jato, a maioria dos participantes da última mesa de debate da conferência Brazil Forum, em Oxford, defendeu neste domingo (14/05) a necessidade de uma reforma política no Brasil.

Na opinião do diretor do Programa de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford, Timothy Power, a reforma ideal deveria acabar com os cargos de vice e estabelecer o financiamento público de campanha e a lista fechada - com voto focado em partidos, e não em candidatos -, a coincidência de todas as eleições e a paridade de gênero. O cientista político destacou, porém, que a mentalidade individualista que impera entre parlamentares deve impedir que tal reforma aconteça.

Leia mais: Entenda os principais pontos da reforma política

De acordo com Power, uma pesquisa que ele realiza com parlamentares eleitos no Brasil desde a década de 1990 mostrou, numa tendência constante, que 80% dos deputados e senadores eleitos consideram ser os responsáveis pela própria eleição, dando pouca importância aos partidos.

Power defendeu ainda o fortalecimento do presidencialismo de coalizão no Brasil, com o objetivo de facilitar a coordenação política o máximo possível.

Reforma semelhante à ideal apresentada por Power foi respalda por Jaques Wagner, ex-ministro da Casa Civil. Para o petista, uma mudança no sistema deve acabar com a coligação proporcional e com a propaganda eleitoral continuada na televisão, assim como ampliar o mandato para cinco anos, além de extinguir o cargo de vice.

"Vice só serve para tramar. Vice é gasto de dinheiro, fórum de intriga e de constituição de golpe", disse, ressaltando que, com as tecnologias que permitem o deslocamento rápido pelo mundo, não haveria mais a necessidade de alguém para substituir o eleito para o cargo. O ex-ministro admitiu que o PT falhou ao não fazer uma proposta de reforma política em 2013.

Ameaça à democracia

Wagner destacou que há uma ameaça ao futuro da democracia no mundo inteiro, causada pela discrepância social. "Não existe democracia formal e institucional se a democracia social e o acesso à prosperidade não acontecer", destacou.

O ex-ministro defendeu o voto popular. "Democracia é voto na urna, com erros ou acertos, a população corrige, as pessoas sabem escolher. Podemos não gostar da sua escolha."

Além de Power e Wagner, o ex-governador do Ceará Ciro Gomes também participou do debate, defendendo uma maior responsabilização do Congresso. "Temos um órgão que detém o monopólio do desenho institucional do país e não tem nenhuma responsabilidade pela sanidade dos negócios do Estado e a qualidade do viver da sociedade e das políticas públicas", acrescentou.

O ex-governador defendeu ainda mais participação da população na política com a realização de plebiscitos e referendos. "No Brasil, se inventou que plebiscito e referendo são chavismo. A elite é que é egoísta e acha que consultar o povo é chavismo", ressaltou.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em POLÍTICA


Ninguém nunca acreditou que Temer fosse santo, diz FT
...


Comissão do Senado quer analisar amanhã reforma trabalhista
...


É cedo para dizer que o governo Temer acabou
...


Antes de abrir inquérito, Fachin pediu que Janot reiterasse possibilidade de investigação de presidente
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
728x90 350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE