Rondônia, - 04:47
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Ciência e Saúde
O papel da banana nos exercícios
Publicado Sexta-Feira, 12 de Maio de 2017, às 11:55 | Fonte Veja.com 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=328688&codDep=42" data-text="O papel da banana nos exercícios

  
 
 

 

Banana (iStockphoto/Getty Images)

 

 

 

 

 

É muito comum vermos atletas comendo banana durante os jogos e, apesar de ser um ótimo alimento, talvez não seja o momento certo de ingeri-lo.

A fisiologia do corpo durante o exercício

A absorção de água e nutrientes ocorre no intestino, portanto, é necessário que o alimento ou a água saiam do estômago. O esvaziamento gástrico depende de três fatores: o volume, a temperatura e a concentração do que é ingerido. Grandes volumes, alta temperatura e alta concentração diminuem o esvaziamento gástrico e, portanto, retardam a digestão e absorção dos alimentos. O melhor exemplo é quando se come uma feijoada, grande quantidade, quente e muito salgada, ela ficará por horas no estômago.

Durante a atividade física, ocorre uma redistribuição do fluxo sanguíneo no corpo. Diminui-se a irrigação dos órgãos menos envolvidos na atividade física (principalmente o estômago e os intestinos), para que se possa aumentar a irrigação dos músculos em atividade, fornecendo mais oxigênio para a produção de energia. Isto determina uma diminuição da velocidade de digestão, pois esta depende de sangue para que ocorra em velocidade normal.

Estes ajustes devem direcionar a ingestão de fluidos e nutrientes no decorrer da atividade física. A utilização de bebidas isotônicas (mesma concentração dos fluidos corporais), em baixa temperatura e pequenos volumes, vai acelerar o esvaziamento gástrico, possibilitando uma melhor absorção.

Quando utilizamos bebidas hipertônicas (mais concentrada do que os fluidos corporais), ou alimentos sólidos, estes demoram para sair do estômago, pois necessitam, primeiro, serem diluídos e/ou digeridos. Para isto, o organismo “rouba” líquido do sangue, transferindo para o estômago, podendo, então, desidratar o corpo. Se os líquidos mais concentrados já demoram para sair do estômago, imagine os alimentos sólidos.

O exercício promove aumento da utilização de vários minerais e, dentre eles, um bastante importante, o potássio. A diminuição da sua concentração no interior da célula leva à fadiga que, claro, precisa ser evitada. Em média uma banana nanica (86g) tem aproximadamente 80 calorias, perto de 20 gramas de açúcar e 330 miligramas de potássio.

Potássio e magnésio

A concentração de potássio em uma banana é relativamente alta, quando comparada com outros alimentos e talvez isso tenha feito com que ela ficasse famosa entre os esportistas. Porém, a principal causa da perda de potássio é a perda de magnésio. O magnésio estimula a bomba de sódio e potássio (mecanismo que trás de volta o potássio para dentro da célula, impedindo a sua perda), portanto, se não houver reposição de magnésio, de nada adiantará a reposição de potássio. O correto é fazer a reposição dos dois minerais associados, através de soluções isotônicas, para que eles possam ser rapidamente absorvidos.

Quando comer?

Comer banana durante uma partida pode até ser agradável, mas não tem nenhum significado prático, muito pelo contrário, pode, inclusive, dependendo das condições climáticas, induzir à desidratação, o que é extremamente prejudicial. Coma antes de iniciar o exercício. Além do potássio, a banana contém frutose, um açúcar importante para a produção de energia.

Quando víamos o Guga (do tênis) ou o Giba (do vôlei) comendo banana esquecíamos da fisiologia e ficávamos maravilhados assistindo aos seus desempenhos sensacionais, mas, para os meros mortais, a fisiologia continua valendo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista
Walmir Coutinho, endocrinologista

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Câncer de intestino com metástases. E agora?
...


Toque da pessoa amada ajuda a aliviar a dor física
...


‘Fragmentado’ da vida real: convivendo com várias personalidades
...


Como um marshmallow e o cérebro explicam o endividamento
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE