Rondônia, - 16:30
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
Carmen Lúcia, Rosa Weber e a desigualdade de gênero no STF
Publicado Sexta-Feira, 12 de Maio de 2017, às 10:18 | Fonte Carta Capital 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=328653&codDep=19" data-text="Carmen Lúcia, Rosa Weber e a desigualdade de gênero no STF

  
 
 

 

As ministras do STF Carmen Lucia e Rosa Weber

Rosinei Coutinho/Nelson Jr/STF - 'Eu e a ministra Rosa, não nos deixam falar, então nós não somos interrompidas', desabafou a presidente da Corte, Carmen Lúcia

 

 

 

 

 

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, sem dúvidas, chegou ao topo de sua profissão e exerce uma posição de liderança. Ou, ao menos, assim deveria ser. Um diálogo sobre ela e a outra mulher membro da Corte, Rosa Weber, revela como, ainda que de maneira sutil, a desigualdade de gênero persiste mesmo quando a mais alta corte do País é presidida por uma mulher.

"Eu e a ministra Rosa, não nos deixam falar, então nós não somos interrompidas", afirmou Carmen Lúcia em uma sessão na quarta-feira 10.

O contexto da frase ocorreu após uma sequência de diálogos, transcritos pelo site jurídicoJota, entre os ministros Ricardo Lewandowski, Luiz Fux e Rosa Weber no aparte.

A presidente da Corte concedeu a palavra para a ministra Rosa Weber, para que ela pudesse votar na questão.

"Ministro Lewandowski, o ministro Fux é quem tinha me concedido um aparte", disse Rosa.

"Agora é o momento do voto…", começou Cármen Lúcia.

"Concedo a palavra para o voto integral", fala Fux, em meio aos risos dos demais.

"Como concede a palavra? É a vez dela votar. Ela é quem concede, se quiser, um aparte", cortou Cármen Lúcia. E continuou:

"Foi feita agora uma pesquisa, já dei ciência à ministra Rosa, em todos os tribunais constitucionais onde há mulheres, o número de vezes em que as mulheres são aparteadas é 18 vezes maior do que entre os ministros… E a ministra Sotomayor [da Suprema Corte americana] me perguntou: como é lá? Lá, em geral, eu e a ministra Rosa, não nos deixam falar, então nós não somos interrompidas. Mas agora é a vez de a ministra, por direito constitucional, votar. Tem a palavra, ministra."

A presidente do Supremo refere-se à pesquisa Justice, Interrupted: The Effect of Gender, Ideology and Seniority at Supreme Court Oral Arguments ("Justiça, interrompida: efeitos de gênero, ideologia e senioridade nas sustentações orais na Suprema Corte dos Estados Unidos", em uma tradução livre). A pesquisa é assinada por Tonja Jacobi e Dylan Schweers, da norte-americana Northwestern University Pritzker School of Law.

O artigo centra-se no comportamento daqueles que atuam no âmbito do judiciário nos EUA no momento das sustentações orais. Um dos pontos de análise é justamente a interrupção sofrida quando uma das partes está argumentando.

"Descobrimos que as interações judiciais durante as sustentações orais são fortemente influenciadas pelo gênero, com mulheres [da Suprema Corte] sendo interrompidas de maneira desproporcional pelos colegas homens, bem como por advogados".

Segundo o artigo, pesquisas realizadas desde a década de 1970 concluem que, nos tribunais, mulheres são mais interrompidas por homens do que o contrário. Na verdade, mulheres são mais frequentemente interrompidas tanto por homens quanto por outras mulheres. A chance de um homem ser interrompido, por outro lado, é bem menor. 

A pesquisa mostra que, em 1990, quando havia apenas uma mulher na Suprema Corte dos EUA, 35% das interrupções eram direcionadas a ela. Uma década depois, em 2002, havia duas mulheres presentes entre os magistrados: 45% das interrupções eram direcionadas a elas. Em 2015, com três mulheres, 65% das interrupções foram dirigidas a elas. O mesmo fenômeno de aumento de interrupções não é detectável entre os homens.

"Na verdade", diz o artigo "quanto mais mulheres há na Corte, mais elas são interrompidas. Isso sugere que, ao invés de se adaptarem com o tempo a dividir o espaço com mulheres, os homens podem estar se tornando mais hostis às incursões de mulheres em um espaço tradicionalmente masculino [como a Suprema Corte]".

Não é a primeira vez que a atual presidente do STF - apenas a terceira mulher a compor a Corte na história - mostra desconforto com o machismo. Em 2012, durante o julgamento da constitucionalidade da Lei Maria da Penha, Cármen Lúcia desabafou.

"Alguém acha que uma ministra deste tribunal não sofre preconceito? Mentira, sofre. Não sofre igual - outras sofrem mais que eu -, mas sofrem. Há os que acham que não é lugar de mulher, como uma vez me disse uma determinada pessoa sem saber que eu era uma dessas: 'Mas também agora tem até mulher'. Imagina", desabafou a ministra.

Homens que interrompem

Nos círculos feministas e de discussão sobre gênero, a expressão "manterrupting" (ou, na tradução sugerida por feministas brasileiras, "ominterrupção") é uma velha conhecida. A palavra é uma junção de man (homem) e interrupting (interrupção) e significa, literalmente, homens que interrompem.

Tal comportamento é bastante comum em reuniões, grupos ou palestras mistas. Nessas ocasiões, em geral, uma mulher é impedida de concluir uma frase ou raciocínio porque é constantemente interrompida pelos homens ao seu redor. O fenômeno acontece em reuniões políticas, conversas ocasionais, na sala de aula e até na Suprema Corte. 

Outra demonstração de que o machismo – para além de suas exibições mais violentas – também mora nos detalhes é o fenômeno do "mansplainning", expressão traduzida para o português como "omiexplicação". É quando um homem se presta a explicar didaticamente o óbvio para uma mulher, mesmo quando a mesma é uma autoridade no assunto.

"É quando um homem dedica seu tempo para explicar a uma mulher como o mundo é redondo, o céu é azul, e 2+2=4. E fala didaticamente como se ela não fosse capaz de compreender, afinal é mulher. Mas o mansplaining também pode servir para um cara explicar como você está errada a respeito de algo sobre o qual você de fato está certa, ou apresentar ‘fatos’ variados e incorretos sobre algo que você conhece muito melhor que ele, só para demonstrar conhecimento", explica o texto da ONG Think Olga.

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em POLÍTICA


Em reunião extraordinária, PSTU Rondônia define diretrizes para 2018
Em reunião realizada nesta quarta-feira ( 15/11) a direção estadual do PSTU - Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados em Rondônia definiu diretrizes para participação do partido no pleito eleitoral em 2018 no estado....


Mariana Carvalho acompanha trabalho da Marinha do Brasil em Rondônia
A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB – RO) visitou nesta quarta – feira, 15, o Navio Patrulha Fluvial Rondônia da Marinha do Brasil....


Por que 60% dos eleitores de Bolsonaro são jovens?
...


‘PSDB terá de ressurgir das cinzas’, diz Mariana Carvalho
Mariana Carvalho, tucana de Rondônia e segunda-secretária da Câmara, diz que a candidatura de Tasso Jereissati se fortalece e afirma que o PSDB...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::