Rondônia, - 02:59

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Ciência e Saúde
Como esta fruta pode ajudar a reduzir custos dos painéis solares
Publicado Domingo, 7 de Maio de 2017, às 16:13 | Fonte Revista Exame.com 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=328300&codDep=42" data-text="Como esta fruta pode ajudar a reduzir custos dos painéis solares

  
 
 

 

Jamelão

(Rajesh Dang/Wikimedia Commons)

 

 

 

 

São Paulo – Cientistas do Instituto Indiano de Tecnologia Roorkee (IIT) descobriram que o “jamun”, conhecido no Brasil como jamelão, uma popular frutinha preta oriunda do sul da Ásia, poderia ajudar a reduzir os custos de produção de painéis solares em massa. Isso porque ele contém um pigmento capaz de absorver a luz solar.

De nome científico Syzygium cumini, a fruta é bastante conhecida por seu valor medicinal e nutricional, e cresce em árvores que podem atingir 10 metros de altura e viver por mais de cem anos. Agora, graças ao pigmento antocianina (também encontrado em mirtilos, framboesas e cerejas), ela pode se tornar valiosa para o desenvolvimento de células solares de baixo custo.

O estudo foi publicado recentemente no periódico científico IEEE Journal of Photovoltaics. Em entrevista ao site Quartz, o professor assistente do Instituto, Soumitra Satapathi, conta que os pesquisadores “extraíram o pigmento usando etanol e descobriram que a antocianina era um grande absorvedor termo-solar”.

Os pesquisadores usaram a antocianina como um sensibilizador em células solares sensibilizadas por corantes (“Dye-Sensitized Solar Cells”, ou simplesmente DSSCs, na sigla em inglês). Segundo o estudo, a utilização de corantes naturais, como o pigmento do jamelão, poderia reduzir em até 40% os custos de um painel solar.

Claro que há um percurso longo a se percorrer antes da solução chegar às vias comerciais.

Os pigmentos naturais ainda não são tão eficientes quanto as tradicionais células solares baseadas em silício (classificadas como de primeira-geração), mas, segundo os cientistas, eles poderiam oferecer uma alternativa de baixo custo, especialmente benéfica para países como a Índia, que até 2030 pretende obter 40% de sua energia a partir de fontes renováveis.

Até o momento, o corante natural só conseguiu uma eficiência de 0,5%, em contraste com os 15% de eficiência das células solares tradicionais. Os cientistas acreditam que, com mais desenvolvimento, seria possível superar as eficiências de células feitas com o silício, com a vantagem de se ter uma alternativa biodegradável e não tóxica aos corantes sintéticos usados ​​atualmente para sensibilização de células solares.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Este cara tinha um “segundo dedo” crescendo sobre o seu dedo médio
...


Diga adeus aos lábios ressecados no Outono
...


Confira as dicas essenciais para preparar bem os cogumeloss
...


Contato com plástico na gravidez afeta fertilidade por gerações
...

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM