Rondônia, - 01:44
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - Artigos
ALTO MADEIRA – 100 ANOS
ALTO MADEIRA – 100 ANOS - Por Yêdda Pinheiro Borzacov
Ausente de Porto Velho durante 16 dias, não pude participar do evento histórico do centenário do jornal ALTO MADEIRA, entretanto ainda há tempo de prestar-lhe uma homenagem nesta rede social.
Publicado Quinta-Feira, 4 de Maio de 2017, às 10:24 | Fonte Yêdda Pinheiro Borzacov 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=328041&codDep=33" data-text="ALTO MADEIRA – 100 ANOS - Por Yêdda Pinheiro Borzacov
  
 
 

Euro Tourinho, diretor do jornal Alto Madeira. Foto: Saul Ribeiro/Jornal Nortão

Ausente de Porto Velho durante 16 dias, não pude participar do evento histórico do centenário do jornal ALTO MADEIRA, entretanto ainda há tempo de prestar-lhe uma homenagem nesta rede social.

Há tempos, lendo Jean François Revel, impressionei-me com as suas observações sobre o dilema que todo jornalista enfrenta ao ter de decidir entre o dever de opinar e o de informar. Enquanto a opinião implica na liberdade que pode eventualmente conduzir a uma atitude tendenciosa, a informação tem que ser rigorosamente exata. Todavia, como alcançar a exatidão numa época em que as próprias ciências naturais se conformam com a relatividade de seus resultados? Nessas condições quando as ciências chamadas exatas se satisfazem com aproximações, as ciências humanas como a História – da qual o jornalismo faz parte como patrulha de reconhecimento – não podem ter a pretensão de atingir a verdade. Mesmo assim, porém, torna-se inegável que o jornalista, na sua benéfica colheita dos fatos, assume um compromisso de lealdade com os seus leitores, mediante o qual a imprensa se constitui na primeira frente de defesa dos seus direitos. Ao meditar sobre essas considerações, acrescentei para mim mesma que não basta ao homem de imprensa se colocar à frente da comunidade a que serve. Impõe-se ficar ao seu lado, compartilhando de seus anseios e de suas realizações. E essa tem sido a posição tradicional do ALTO MADEIRA, que juntamente com as notícias e comentários de suas edições, sempre se caracterizou por iniciativas em benefício da comunidade, como a defesa do patrimônio histórico material da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, enfatizando sempre que preservar a memória histórica é sintoma de maturidade e consciência. Afinal, um povo que não conhece os erros do seu passado está condenado a repeti-los; as realizadas campanhas para a abertura da BR-29 (hoje 364); a criação do Território Federal do Guaporé e a criação do Estado de Rondônia, dentre outras.

Desde a sua fundação em 1917, o ALTO MADEIRA leva voz à comunidade contando a verdade das coisas: respira a sensibilidade coletiva vista, ouvida, conversada, protestada, educativa, crítica, cotidiana, inevitável, no diálogo do repórter com o inesperado, que forja a consciência da sociedade.

No dia em que o ALTO MADEIRA completa seu centenário, conservando o misticismo redacional por meio dos escritos de um Carlos Mendonça, de João Malato, de Oderlo Bezerra Serpa, de Ossian Britto, de João Alfredo de Mendonça (jornalista da Folha do Norte, de Belém-PA e que enviava crônicas para o ALTO MADEIRA), João Tavares, Ary Macedo, Esron Menezes, rendo homenagens a Euro Tourinho, pelas lutas que travou e trava, no sentido de preservar o seu jornal, estendendo essas homenagens a Ciro Pinheiro, Lúcio Albuquerque, Sílvio Persivo, dentre outros, e para aqueles que assinalam emersões literárias e históricas, Aluízio Pimenta, Abnael Machado de Lima, Matias Mendes, Dante Ribeiro da Fonseca e Aluízio Pimenta.

Um fato inédito pode ser citado referente à imprensa rondoniense: muitos jornais surgiram, desaparecendo tempos depois, alguns reaparecendo com a mesma filosofia, outros, de forma inteiramente diferente. Coube ao ALTO MADEIRA, apesar de muitas vezes enfrentar graves questões econômicas e sociais, a láurea de se manter firme e forte tal qual o seu diretor, Euro Tourinho, idêntico a árvore mulateiro, dobra, mas não quebra.

 

* Yêdda Pinheiro Borzacov, da Academia de Letras de Rondônia, do Instituto Histórico e Geográfico de Rondônia, vice-presidente do Memorial Jorge Teixeira, da Academia Histórica Militar Príncipe da Beira, colunista do site Gente de Opinião e do jornal Alto Madeira.








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Artigos


O Suicídio
Com caráter epidêmico, o suicídio alcança índices surpreendentes na estatística dos óbitos terrestres, havendo ultrapassado o número daqueles que desencarnam vitimados pela AIDS....


Protagonistas da boa notícia! Por Dom Moacyr Grechi
No Dia Mundial das Comunicações Sociais somos convidados a desenvolver “uma comunicação construtiva......


Um mundo de fumantes
O mundo tem quase 1 bilhão de fumantes. O cigarro é a principal causa de morte precoce em mais de cem países....


O fruto da justiça é semeado na paz! Por Dom Moacyr Greschi
Diante da crise ética, política, econômica e social, a mobilização contra as reformas de exclusão que tira os direitos conquistados......

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
728x90 350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE