Rondônia, - 11:41
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
internacional
'O pai de todas as bombas': como é arma que russos dizem ser 4 vezes mais poderosa que a usada pelos EUA no Afeganistão
Publicado Quarta-Feira, 26 de Abril de 2017, às 10:44 | Fonte G1 - Da BBC 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=327521&codDep=24" data-text="'O pai de todas as bombas': como é arma que russos dizem ser 4 vezes mais poderosa que a usada pelos EUA no Afeganistão

  
 
 

 

Vladimir Putin, o presidente russo (Foto: Denis Sinyakov/Reuters)

Vladimir Putin, o presidente russo (Foto: Denis Sinyakov/Reuters)

 

 

 

"Crianças, conheçam o papai", foi um anúncio em tom jocoso que o site de notícias russo RT (abreviação de Russia Today) fez logo após os Estados Unidos lançarem, no dia 13 de abril no Afeganistão, uma bomba que os americanos - e boa parte da imprensa internacional - chamaram de "a mãe de todas as bombas".

A bomba americana, a MOAB GBU-43 - sendo MOAB as siglas para Massive Ordnance Air Blast (bomba de ar de artilharia massiva) e, ao mesmo tempo, para Mother of All Bombs (Mãe de todas as bombas) - foi anunciada pela Força Aérea dos EUA em 2002 com a mais poderosa bomba não nuclear já feita.

Já o artefato russo é uma Bomba Termobárica de Aviação de Poder Aumentado (AVBPM, na sigla russa), e foi apresentada pela primeira vez em 2007 - como sendo uma versão bem mais potente que a bomba americana.

O ataque no Afeganistão foi a primeira vez em que a MOAB americana foi usada em situação de combate. Não há registro de que a AVBPM russa tenha sido usada até o momento.

A bomba termobárica, também chamada de bomba de vácuo, é detonada em dois estágios: uma pequena explosão cria uma nuvem de material explosivo, que suga o oxigênio em volta e cria uma onda de impacto maior do que a provocada por explosivos convencionais de mesma dimensão.

O vácuo parcial criado aumenta seu poder de causar danos materiais e ferimentos em vítimas.

A bomba russa pesa 7,1 toneladas, enquanto que a GBU-43 lançada pelos EUA sobre uma base do Estado Islâmico no Afeganistão em abril, matando 36 combatentes do grupo extremista, tem 10 toneladas.

Mas a carga explosiva da russa seria de 44 toneladas de TNT, contra 11 toneladas da MOAB, segundo o canal russo.

Além disso, o AVBPM atinge um raio de 300 metros, o dobro da americana.

As informações sobre a bomba russa são escassas - talvez a principal seja uma reportagem da emissora estatal russa Primeiro Canal (IPA, na sigla russa), de dez anos atrás.

Em setembro de 2007, a emissora apresentou um vídeo de um teste da bomba. Imagens mostram um avião lançando o artefato e uma grande explosão em terra, deixando, como resultado, um monte de crateras e escombros de um conjunto de edifícios vazios.

Segundo o site de análises de armamentos Global Security, a bomba russa tem um efeito de destruição total em um raio de até 90 metros. Já em 300 metros, ocorre a destruição quase completa de estruturas não fortificadas, como casas. E a até 2,3 km, pode derrubar uma pessoa.

Ao apresentar o artefato em setembro de 2007, o vice-chefe do gabinete militar russo, Aleksandr Rukshin, disse que a arma "tem potência e eficácia comparáveis às de uma bomba atômica".

Disse também que a arma teria a vantagem adicional de não contaminar o meio ambiente.

O teste provocou reações mistas de especialistas internacionais.

"É possível questionar os número e a escala da bomba, mas os russos têm uma ampla e comprovada história no desenvolvimento de armas de classe termobárica", disse à BBC o analista militar britânico Robert Hewson, quando o explosivo foi lançado em 2007.

"Acredito ser provável que esta seja a maior bomba não nuclear do mundo", acrescentou.

Já Sascha Lange, do Instituto Alemão para Relações Internacionais e de Segurança, questionou o vídeo.

"Duvido que tudo tivesse ocorrido da forma como os russos mostraram. As imagens mostradas no canal de televisão estatal não comprovam isso", afirmou ao DW, ressaltando que o avião de lançamento é mostrado, mas não a arma saindo da aeronave.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em INTERNACIONAL


Cristina Kirchner se repagina para tentar recuperar espaço político
...


Qatar prepara ''resposta adequada'' para países árabes
...


Theresa May não conseguiu virar a nova Thatcher
...


Istambul proíbe Marcha do Orgulho Gay
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
728x90 350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE