Rondônia, - 01:04

 

Você está no caderno - Ação Parlamentar
Rebanho de Rondônia
Rebanho de Rondônia poderá ser livre da aftosa sem vacinação
O presidente da Assembleia Legislativa, Maurão de Carvalho (PMDB), e o presidente da Agência de Defesa Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron), Anselmo de Jesus, discutiram a possibilidade real de Rondônia tornar-se área livre da febre aftosa, sem vacinação.
Publicado Segunda-Feira, 3 de Abril de 2017, às 11:34 | Fonte Ale - Ascom 0

 
 

 

O presidente da Assembleia Legislativa, Maurão de Carvalho (PMDB), e o presidente da Agência de Defesa Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron), Anselmo de Jesus, discutiram a possibilidade real de Rondônia tornar-se área livre da febre aftosa, sem vacinação.

 

"A medida traria muitos benefícios para a economia rondoniense. Primeiro, porque a carne teria os mercados mundiais abertos, sem restrição alguma. Depois, os produtores deixariam de ter o custo da vacinação, sem contar nas perdas no manejo para a imunização", destacou Maurão.

 

Anselmo ressaltou que desde 2003 que o Estado ostenta o título de livre da aftosa, com vacinação. "Mudar de status seria um avanço enorme. E como temos feito direitinho o dever de casa, a nossa expectativa de nos tornarmos livres sem a vacinação é muito grande. E estamos bem perto disso", comemorou.

 

Maurão lembrou que tratou da questão com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, em recente encontro na capital. "Não há focos em nenhuma região do País e Rondônia cumpre bem o seu papel, graças principalmente aos criadores, que há 18 anos vacinam o rebanho. As informações que temos são de que, seja qual for o cenário, o Estado está na linha de frente para ter a vacina obrigatória retirada, o que pode acontecer nos próximos anos", completou.

 

Uma audiência pública, requerida também pelo deputado Lazinho da Fetagro (PT), deverá ocorrer em breve, em Ji-Paraná, para discutir esse importante tema. Dela, deverá participar o vice-presidente de Relações Internacionais da Pecuária de Corte (CNPC), Sebastião Guedes, um dos defensores da suspensão da vacina.

 

"Para vacinar o rebanho, é preciso mobilizar gente e gastar com a compra da vacina. Tem também os efeitos sobre o gado. Uma vaca de leite fica até três dias sem produzir, após ser vacinada. No caso do gado de corte, essa perda chega, em média, a R$ 30 por cabeça. É que a carne na região onde a vacina é aplicada, é descartada no abate", explicou Jesus.

 

Um levantamento prévio mostra que, para imunizar as mais de 14 milhões de cabeças, nas duas campanhas anuais de vacinação, sejam gastos R$ 30 milhões, pelos produtores.

 

Uma das propostas debatidas é a suspensão da vacina iniciar nos Estados do Centro Sul do País, em 2019. "Por nosso trabalho de controle com vacinação, a possibilidade de entrarmos nesse grupo de imediato, é enorme", observou Jesus.

 

 

 

 

ALE/RO - DECOM - Eranildo Costa Luna

Foto: Marisvaldo José

 







Veja também em Ação Parlamentar


Ezequiel Neiva anuncia liberação de R$ 500 mil para a reforma do centro cirúrgico de Colorado do Oeste
Emenda do parlamentar garante a recuperação do centro cirúrgico, que está desativado há seis anos...


Goebel indica troca do pagamento de dívida da Energisa por construção de hospitais e rodoviária na capital
Deputado defende um encontro de contas, com parte da dívida da empresa sendo usada para essa finalidade...


Assembleia Legislativa acusa advogado e radialista de divulgar Fake News
Declarações irresponsáveis foram feita no programa Rota Policial da Rádio Rondônia FM 93,3...


Lazinho da Fetagro indica distribuição da merenda escolar às famílias de alunos sem aulas
Sabedor de que a merenda escolar é, em muitos casos, a principal refeição do dia para estudantes, o parlamentar aponta ao governo...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News