Rondônia, - 19:36

 

Você está no caderno - Ação Parlamentar
Rebanho de Rondônia
Rebanho de Rondônia poderá ser livre da aftosa sem vacinação
O presidente da Assembleia Legislativa, Maurão de Carvalho (PMDB), e o presidente da Agência de Defesa Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron), Anselmo de Jesus, discutiram a possibilidade real de Rondônia tornar-se área livre da febre aftosa, sem vacinação.
Publicado Segunda-Feira, 3 de Abril de 2017, às 11:34 | Fonte Ale - Ascom 0

 
 

 

O presidente da Assembleia Legislativa, Maurão de Carvalho (PMDB), e o presidente da Agência de Defesa Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron), Anselmo de Jesus, discutiram a possibilidade real de Rondônia tornar-se área livre da febre aftosa, sem vacinação.

 

"A medida traria muitos benefícios para a economia rondoniense. Primeiro, porque a carne teria os mercados mundiais abertos, sem restrição alguma. Depois, os produtores deixariam de ter o custo da vacinação, sem contar nas perdas no manejo para a imunização", destacou Maurão.

 

Anselmo ressaltou que desde 2003 que o Estado ostenta o título de livre da aftosa, com vacinação. "Mudar de status seria um avanço enorme. E como temos feito direitinho o dever de casa, a nossa expectativa de nos tornarmos livres sem a vacinação é muito grande. E estamos bem perto disso", comemorou.

 

Maurão lembrou que tratou da questão com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, em recente encontro na capital. "Não há focos em nenhuma região do País e Rondônia cumpre bem o seu papel, graças principalmente aos criadores, que há 18 anos vacinam o rebanho. As informações que temos são de que, seja qual for o cenário, o Estado está na linha de frente para ter a vacina obrigatória retirada, o que pode acontecer nos próximos anos", completou.

 

Uma audiência pública, requerida também pelo deputado Lazinho da Fetagro (PT), deverá ocorrer em breve, em Ji-Paraná, para discutir esse importante tema. Dela, deverá participar o vice-presidente de Relações Internacionais da Pecuária de Corte (CNPC), Sebastião Guedes, um dos defensores da suspensão da vacina.

 

"Para vacinar o rebanho, é preciso mobilizar gente e gastar com a compra da vacina. Tem também os efeitos sobre o gado. Uma vaca de leite fica até três dias sem produzir, após ser vacinada. No caso do gado de corte, essa perda chega, em média, a R$ 30 por cabeça. É que a carne na região onde a vacina é aplicada, é descartada no abate", explicou Jesus.

 

Um levantamento prévio mostra que, para imunizar as mais de 14 milhões de cabeças, nas duas campanhas anuais de vacinação, sejam gastos R$ 30 milhões, pelos produtores.

 

Uma das propostas debatidas é a suspensão da vacina iniciar nos Estados do Centro Sul do País, em 2019. "Por nosso trabalho de controle com vacinação, a possibilidade de entrarmos nesse grupo de imediato, é enorme", observou Jesus.

 

 

 

 

ALE/RO - DECOM - Eranildo Costa Luna

Foto: Marisvaldo José

 







Veja também em Ação Parlamentar


Jean Oliveira parabeniza os mototaxistas no seu dia
O deputado Jean Oliveira (MDB) parabenizou os mototaxistas pela passagem do seu dia, 07 de junho, no âmbito do Estado de Rondônia....


Deputado Só na Bença visita São Francisco do Guaporé
O deputado Só na Bença (MDB) esteve recentemente visitando o Vale do Guaporé....


Adelino Follador participa de entrega de trator na Associação dos Produtores da Linha C 25
No domingo (24), o deputado Adelino Follador (DEM) participou da entrega de um trator para a Associação dos Produtores da Linha C 25 (Asprul), em Cacaulândia. ...


Deputado Anderson do Singeperon apresenta demandas da categoria para o novo secretário da Sejus
O deputado Anderson do Singeperon (Pros) realizou na quinta-feira (19) sua primeira reunião de trabalho com o novo titular da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), o também agente penitenciário Adriano de Castro....

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News