Rondônia, - 05:30

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Ciência e Saúde
'Eu tenho só metade do cérebro, mas ninguém percebe'
Publicado Domingo, 2 de Abril de 2017, às 20:02 | Fonte BBC BRASIL 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=325479&codDep=42" data-text="'Eu tenho só metade do cérebro, mas ninguém percebe'

  
 
 

 

Jodie Graves

Jodie Graves começou a ter convulsões aos três anos com tanta frequência que médicos sugeriram retirar metade de seu cérebro

 

 

Quando tinha apenas três anos, a americana Jodie Graves começou a ter convulsões com tanta frequência que os médicos sugeriram retirar metade de seu cérebro.

 

Jodie havia sido diagnosticada com uma doença rara, a Encefalite de Rasmussen, caracterizada pela inflamação crônica em um dos lados do órgão.

 

A recomendação surpreendeu a família, que acabou optando por seguir, não sem alta dose de ceticismo, a orientação dos especialistas.

 

"Tenho metade do cérebro. Quando as pessoas me conhecem, não têm a menor ideia", diz Jodie à BBC".

 

Ela conta que tudo começou quando um dia desmaiou no jardim de infância.

 

"Só consigo me lembrar da minha primeira convulsão. Estava brincando no jardim de infância e a próxima coisa de que eu me lembro foi estar dentro de uma ambulância", lembra.

 

A mãe de Jodie, Lynn, conta que a família decidiu "voar para o hospital".

 

"Permanecemos lá durante todo o dia. No dia seguinte, Jodie teve uma nova convulsão, mas nada do que os médicos faziam estava dando certo", diz.

 

Convulsões frequentes

 

A partir de então, Jodie começou a ter convulsões repetidamente.

 

"Ela estava constantemente caindo para o lado esquerdo e chegou a um ponto tão crítico que um de nós tinha de estar sempre ao lado esquerdo dela", acrescenta Lynn.

 

Jodie lembra que as convulsões aconteciam "a cada três minutos".

 

 

Jodie Miller

Jodie Miller - Image caption - Convulsões começaram quando Jodie tinha três anos

 

 

"Não era legal", resume.

 

Segundo Lynn, os médicos explicaram à família que "a única maneira de tratá-la seria remover a metade do cérebro de Jodie que estava afetada".

 

Eles esperavam que, ao retirar o lado direito do cérebro de Jodie, as funções cerebrais seriam compensadas pelo lado esquerdo.

 

"Na primeira infância, o cérebro está em um de seus estados mais plásticos. Sendo assim, se você alterá-lo nesse momento, talvez haja uma maior capacidade para o órgão reorganizar suas funções", explica Amy Bastian, professora de Neurociência e Neurologia na Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, em Maryland, uma das mais prestigiadas dos Estados Unidos.

 

Jodie tinha três anos quando foi submetida à cirurgia. A operação foi um sucesso e as convulsões acabaram.

 

Os médicos também ficaram surpresos ao perceber que as funções cerebrais dela se reativaram antes mesmo do fim do procedimento.

 

O único efeito adverso da operação foi que Jodie ficou com parte da mobilidade do lado esquerdo prejudicada: ela tem movimentos restritos no braço e manca.

 

 

Lynn e Jodie

Lynn e Jodie - Image caption - Lynn, mãe de Jodie, diz que ela caía constantemente para o lado esquerdo

 

 

Otimismo

 

"Sou uma pessoa muito otimista e várias vezes brinco que eles tiraram o lado malvado do meu cérebro e só deixaram o feliz", brinca ela.

 

"Se você me perguntasse 25 anos atrás se seria possível remover metade do cérebro e continuar vivendo, eu diria: 'Você está maluco'", diz a mãe de Jodie.

 

"Mas aqui estamos nós", completa Lynn.

 

 

Jodie Graves

Jodie Graves - Image caption - Jodie está casada há quatro anos

 

 

Para Jodie, a vida sem metade do cérebro não é "diferente da dos outros".

 

"Estou casada há quatro anos e levo uma vida independente, ao lado de meu marido", diz.

 

"Fico muito feliz de que meus pais fizeram o que fizeram, pois nunca estaria onde estou hoje se tivesse feito a cirurgia depois ou tivesse esperado mais", conclui.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Ministro da Saúde visita o Hospital de Amor da Amazônia
O ministro da Saúde, Gilberto Occhi visitou na manhã desta segunda-feira (18) as instalações do Hospital de Amor da Amazônia. Vinculado ao antigo Hospital do Câncer de Barretos o HAA teve a sua pedra fundamental lançada, em janeiro de 2015....


Doação de sangue cai 90% em Rondônia
Conforme explica a médica hematologista da Fhemeron, Ana Carolina, a situação pode se agravar nos próximos dias caso o cenário for mantido. Ela ressalta a urgência em coleta de sangue dos tipos O, A e B negativo...


Campanha cadastra 302 doadores de medula óssea em Alvorada do Oeste
Exatamente 302 cadastros de doadores de medula óssea foram realizados no último sábado, durante atividade da equipe técnica do Hemocentro Regional de Ji-Paraná ocorrida no município de Alvorada do Oeste....


Sobe para 3 o número de mortes confirmadas por raiva humana no Pará
Dois novos casos foram confirmados nesta terça-feira, 22, após exames. Vítimas são crianças....

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM