Rondônia, - 10:32

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
Presidente da Assembleia do Rio, Jorge Picciani é alvo de condução coercitiva
Publicado Quarta-Feira, 29 de Março de 2017, às 08:24 | Fonte Correio do Estado 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=325177&codDep=19" data-text="Presidente da Assembleia do Rio, Jorge Picciani é alvo de condução coercitiva

  
 
 

 

Data: 01/10/2015 Editoria: Politica Reporter: Cristian Klein Local: Rio de Janeiro, RJ Pauta: Entrevista com o presidente da Alerj Setor: Legislativo Personagem: Jorge Picciani, presidente da Alerj - Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, fotografado durante a entrevista e no corredor da Alerj, no centro do Rio Tags: falando, gesticulando, familia, filhos, deputados, rosa, pecuarista Fotos: Leo Pinheiro/Valor ***FOTO DE USO EXCLUSIVO FOLHAPRESS***

Divulgação - Foto do site Folha de São Paulo - O presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB) - Leo Pinheiro - 1º. out. 2015/Valor

 

 

O presidente da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), Jorge Picciani (PMDB), é alvo de condução coercitiva na operação O Quinto do Ouro, deflagrada na manhã desta quarta (29) pela Polícia Federal no Rio.

 

Cinco dos sete conselheiros do TCE (Tribunal de Contas do Estado) são alvos de prisão temporária: Aloysio Neves, Domingos Brazão, José Gomes Graciosa, Marco Antônio Alencar e José Maurício Nolasco.

 

A força-tarefa desta quinta não está no âmbito da Lava Jato. É fruto da operação Descontrole, deflagrada em dezembro de 2016, que investiga crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva praticados pelos membros do TCE.

 

A Quinto do Ouro investiga pagamentos de vantagens indevidas por meio de desvios de contratos com órgãos públicos. Os conselheiros do TCE são suspeitos de receber propina como contrapartida para favorecer a análise de contratos atrasados sob fiscalização do órgão.

 

Também está sob investigação a um "fundo especial" do Tribunal para pagar contratos do ramo alimentício atrasados com o Executivo do Estado. A suspeita é que servidores receberiam uma porcentagem por cada contrato faturado.

 

O nome da operação é uma referência ao quinto da Coroa, imposto de 20% que Portugal cobrava dos mineradores no período colonial.

 

No total, a força-tarefa cumpre 43 mandados, incluindo os de busca e apreensão e de bloqueio de bens. Todos determinados pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Além do Rio, a operação acontece em Duque de Caxias e em São João do Meriti.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em POLÍTICA


Rondônia pode ser isento de cobrança adicional na tarifa de energia elétrica
Proposta apresentada por Marcos Rogério extingue sistema de bandeiras para estados produtores...


Mariana Carvalho apresenta mais um projeto em defesa do consumidor
Se o boleto vence hoje, o cliente precisa ir até o banco que emitiu o documento para pagá-lo. Isso ocorre porque somente a instituição financeira ...


STF manda senador Ivo Cassol cumprir pena imediatamente
O Supremo condenou o parlamentar, com base no voto da relatora Cármen Lúcia, em 2013. Na ocasião, ele se tornou o primeiro senador a ser condenado pela Justiça desde a Constituição de 1988. ...


Filho de Bolsonaro negocia apoio da Universal
...

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM