Rondônia, - 14:35
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Artigos
Não ao caminho da exclusão social!
Não ao caminho da exclusão social! Por Dom Moacyr Grechi
A sequência de temas desde domingo passado: Água, Luz, Vida, tem sintonia com os temas batismais e pascais desse período. Em nossa caminhada quaresmal estamos avançando na direção da vida nova, do novo nascimento do batismo, que é também iluminação.
Publicado Domingo, 26 de Março de 2017, às 13:04 | Fonte Dom Moacyr Grechi 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=324831&codDep=33" data-text="Não ao caminho da exclusão social! Por Dom Moacyr Grechi

  
 
 

Iniciamos a quarta semana quaresmal deixando-nos guiar pela Luz que nos precede e que sem ela não conseguimos enxergar. Este é o domingo da alegria, que começa com um convite: “Alegra-te (Laetare), Jerusalém, porque tua salvação superará tua tristeza” (canto da entrada).

 
A sequência de temas desde domingo passado: Água, Luz, Vida, tem sintonia com os temas batismais e pascais desse período. Em nossa caminhada quaresmal estamos avançando na direção da vida nova, do novo nascimento do batismo, que é também iluminação.
 
Aos cegos por opção, falta a coragem para se aproximarem da luz e buscar a verdade que liberta. Dessa forma, “fazem do direito uma amargura e a justiça jogam no chão” (Amós 5,7).
 
Nesse duro tempo de desconstrução do Brasil e desmonte das conquistas sociais e das estruturas produtivas do país, a Igreja, através da CNBB, manifestou, através de uma Nota, solidariedade com o povo brasileiro e apreensão com relação à Proposta de Emenda 287/2016, que trata da reforma da Previdência, afirmando que sua aprovação significa “escolher o caminho da exclusão social”.
 
Os Direitos Sociais no Brasil foram conquistados com intensa participação democrática; qualquer ameaça a eles merece imediato repúdio. O Art. 6º. da Constituição Federal de 1988 estabeleceu que a Previdência seja um Direito Social dos brasileiros e brasileiras.
 
Para a CNBB, é preciso conhecer a real situação da Previdência Social no Brasil. Iniciativas que visem ao conhecimento dessa realidade devem ser valorizadas e adotadas, particularmente pelo Congresso Nacional, com o total envolvimento da sociedade. O sistema da Previdência Social possui uma intrínseca matriz ética. Ele é criado para a proteção social de pessoas que, por vários motivos, ficam expostas à vulnerabilidade social, particularmente as mais pobres.
 
Nenhuma solução para equilibrar um possível déficit pode prescindir de valores éticos, sociais e solidários. Na justificativa da PEC 287/2016 não existe nenhuma referência a esses valores, reduzindo a Previdência a uma questão econômica. Buscando diminuir gastos previdenciários, a PEC 287/2016 “soluciona o problema”, excluindo da proteção social os que têm direito a benefícios. A opção inclusiva que preserva direitos não é considerada na PEC.
 
Na conclusão da Nota, uma convocação: o debate sobre a Previdência não pode ficar restrito a uma disputa ideológico-partidária, sujeito a influências de grupos dos mais diversos interesses. Quando isso acontece, quem perde sempre é a verdade. O diálogo sincero e fundamentado entre governo e sociedade deve ser buscado até à exaustão. Convocamos os cristãos e pessoas de boa vontade, particularmente nossas comunidades, a se mobilizarem ao redor da atual Reforma da Previdência, a fim de buscar o melhor para o nosso povo, principalmente os mais fragilizados (CNBB).
 
Somos nós os cegos e mendigos de que fala o Evangelho de hoje, pois fechamos os olhos para as inúmeras situações de injustiça social, que acontecem ao nosso redor, em nossas cidades e em todo o país. Cegueira que não nos deixa perceber “a própria invisibilidade diante de nossos semelhantes”.
 
Para o Papa Francisco, na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, assim como o mandamento “não matar” põe um limite claro para assegurar o valor da vida humana, assim também hoje devemos dizer não a uma economia da exclusão e da desigualdade social. Esta economia mata. Não é possível que a morte por enregelamento dum idoso sem abrigo não seja notícia, enquanto o é a descida de dois pontos na Bolsa. Isto é exclusão.
 
Não se pode tolerar mais o fato de se lançar comida no lixo, quando há pessoas que passam fome. Isto é desigualdade social. Hoje, tudo entra no jogo da competitividade e da lei do mais forte, onde o poderoso engole o mais fraco. Em consequência desta situação, grandes massas da população se veem excluídas e marginalizadas: sem trabalho, sem perspectivas, num beco sem saída.
 
O ser humano é considerado, em si mesmo, como um bem de consumo que se pode usar e depois lançar fora. Assim teve início a cultura do descartável, que, aliás, chega a ser promovida. Já não se trata simplesmente do fenômeno de exploração e opressão, mas duma realidade nova: com a exclusão, fere-se, na própria raiz, a pertença à sociedade onde se vive, pois quem vive nas favelas, na periferia ou sem poder já não está nela, mas fora. Os excluídos não são explorados, mas resíduos, sobras (EG 53).
 
A liturgia deste domingo reflete sobre a luz divina que se manifesta na história humana. Deus se revela ao mundo de modo original e surpreendente. É soberano em suas decisões e não se deixa levar pelas aparências. Nas pessoas pobres e frágeis, ele manifesta a grandeza de seu amor (VP).
 
A experiência de “viver na luz de Deus” é demonstrada no relato da eleição de Davi. Deus chama as pessoas não com base nas aparências; Ele não segue o padrão dominante da sociedade. A unção de Davi aponta para o nosso batismo. Deus quis contar com Davi para que assumisse a missão de servir ao povo como um governante justo. É uma indicação muito importante para quem assume cargos de responsabilidade social. Deus conta conosco para levar adiante o seu plano de amor e justiça no mundo (1Sm 16,1b.6-7.10-13a).
 
Paulo Apóstolo escreve um texto batismal aos Efésios, dizendo que quem é batizado e segue a sua fé produz os frutos da luz: bondade, justiça, verdade. Paulo propõe aos cristãos de Éfeso que recusem viver à margem de Deus (“trevas”) e que escolham a “luz”. Incentiva, portanto, a comunidade a viver como filhos da luz, pois a luz da fé leva o cristão a discernir o que agrada ao Senhor, praticando o bem e se afastando das “obras das trevas” (Ef 5,8-14).
 
O Evangelho de João nos apresenta Jesus, Luz do mundo. Aquele que caminhou neste mundo fazendo o bem, curando as pessoas e dissipando as trevas. A cura do cego de nascença vai além do sentido físico (Jo 9,1-41). É libertação das influências das ideologias dominantes.
 
Somos cegos quando entramos no jogo da ambição de poder e deixamos de servir humildemente o próximo; quando nos consideramos superiores aos outros e quebramos a fraternidade; quando acumulamos para nós mesmos o que Deus ofereceu para a vida de todos (VP). O “Cego” que recebe a luz da visão representa todos os homens que renascem pela fé, acolhendo Jesus e se deixando conduzir pela sua Palavra.
 
Este é o caminho da fé que se opera após ter encontrado o Cristo ressuscitado. Este relato evangélico tem o mérito de mostrar que a fé não é algo que se adquire uma vez para sempre; a fé é um longo processo, difícil em alguns momentos, quando o medo e a dúvida persistem, mas que sempre nos faz avançar e que nos obriga a assumir um compromisso.
 
A luz que descobrimos pouco a pouco e que nos ilumina jamais a possuímos completamente; devemos nos deixar guiar por ela, porque ela sempre nos precede e não conseguimos ver sem ela (R.Gravel). Penso que é o próprio sentido do evangelho de João: quem não vê por si mesmo, abre-se necessariamente à luz que é Cristo, ao passo que aquele que acredita ver por si mesmo não pode ver a luz que lhe é oferecida gratuitamente: “Eu vim a este mundo para exercer um julgamento, a fim de que os que não veem, vejam, e os que veem se tornem cegos”.
 
Ao celebrar, na sexta passada, a memória de Dom Oscar Romero, arcebispo de S. Salvador, assassinado, quando celebrava a eucaristia no dia 24 de março de 1980 e beatificado no dia 23 de maio de 2015, recordamos as palavras do papa Francisco: “Deus lhe concedeu a capacidade de ver e de ouvir o sofrimento do seu povo e plasmou o seu coração a fim de que, em seu nome, o orientasse e iluminasse, a ponto de fazer do seu agir uma prática repleta de caridade cristã”.
 
Que haja em nós abertura à luz de Cristo eliminando “comportamentos que não são cristãos”. E que a Palavra de Deus nos faça enxergar o “caminho da cegueira para a luz”. Abramo-nos à luz do Senhor! Ele espera-nos sempre para que vejamos melhor, para nos dar mais luz, para nos perdoar. Não podemos esquecer isto! Confiemos à Virgem Maria o caminho quaresmal para que também nós, como o cego curado, com a graça de Cristo, possamos progredir rumo à luz e renascer para uma vida nova (papa Francisco).





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Artigos


Domingueira da Nova Economia - por Confúcio Moura
Sei que tudo vai mudando com o passar dos anos. E o homem obrigatoriamente muda ou é extinto. E agora, chegou a época da reinvenção de tudo. A prova é o iphone (celular). Todo mundo tem um. E fica agarrado nele grande parte do dia. ...


Baixo número de inquéritos mostra ''colapso'' de órgãos de segurança e controle
O número baixo de inquéritos policiais abertos no Brasil e o consequente montante reduzido de ações propostas pelo Ministério Público coloca em discussão várias maneiras de melhorar a investigação e a ação penal no país....


Artigo: Feliz 2019 - por: Silvio Persivo
Bem, verdade seja dita, não gosto muito de chegar no Natal, no fim de ano, falando de coisas horrorosas, mas, me digam, como não falar, como não escrever sobre as tristezas de um país sem rumo, de um ano horroroso, que termina de forma mais melancó...


Nós Mulheres, e a Mamografia
Em torno dos seios femininos havia uma mística que muito fascinava os rapazes e os homens em geral; afinal, antigamente as mulheres não saíam exibindo seus dotes físicos como hoje...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::