Rondônia, - 00:18

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Rondônia que a patente
Rondônia pede patente para fármaco anti-leishmaniose extraído de cobra cascavel
Desde 2013 a equipe do cientista Roberto Nicolete avalia a eficácia e efeitos toxicológicos da crotamina isolada dessa cobra
Publicado Sexta-Feira, 24 de Março de 2017, às 11:16 | Fonte Montezuma Cruz 0

  
 
 

PORTO VELHO – É de Rondônia o primeiro pedido da região amazônica, e possivelmente um dos mais raros do País, para o patenteamento de um fármaco anti-leishmaniose obtido da serpente Crotalus durissus terrificus [espécie de cascavel que também habita a região amazônica]. No Brasil só há uma espécie de cascavel e cinco subespécies. Projeto fomentado pela Fundação de Amparo ao Desenvolvimento das Ações Científicas e Tecnológicas e à Pesquisa em Rondônia (Fapero) e desenvolvido pela equipe do pós-doutor em Biociências Aplicadas à Farmácia, Roberto Nicolete (Fiocruz-RO) resultou na solicitação de patente ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).
 
Nicolete e sua equipe, na Fiocruz-RO
 
Para o presidente da Fapero, Francisco Elder Oliveira, o trabalho de Nicolete tem alto significado para o estado. “Até algum tempo atrás não havia fomento à pesquisa, e essa busca da patente é a joia que ganhamos ao tempo em que formamos doutores, mestres, e contribuímos com a ciência mundial”, disse.
 
A investigação aprovada pela chamada do Projeto de Pesquisa Para o SUS (PPSUS) em 2013 avaliou a crotamina [proteína presente no veneno da serpente Crotalus como “ferramenta para carreamento de drogas contra a leishmaniose”.
 
Leishmanioses constituem um conjunto de doenças que afetam aproximadamente 12 milhões de pessoas, especialmente em países pobres ou muito pobres.
 
Até então, os tratamentos disponíveis apresentam severos efeitos colaterais e falha terapêutica.
 
Nos anos 1960/70, quando recebeu levas de migrantes do Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do País, Rondônia também tinha casos de leishmaniose nos cantões da floresta e zona rural, onde até hoje ainda ocorrem filarioses, toxoplasmose, micoses profundas e outras doenças causadas por insetos.
 
Desde 2013 a equipe do cientista Roberto Nicolete avalia a eficácia e efeitos toxicológicos da crotamina isolada da cascavel.
Estudos preliminares e in vitro possibilitaram combinações de droga, citotoxidade dos tratamentos sobre células, e as duas combinações mais eficazes de cada droga foram avaliadas acerca da inibição do crescimento de amastigotas, produção de NO [óxido nítrico] por reação de Griess e diferentes citocinas por ELISA [do inglês Enzyme Linked ImmunonoSorbent Assay).
 
Os tratamentos foram feitos por oito dias alternados com os controles e combinações de drogas com CTA. A massa e tamanho da pata infectada foi monitorada diariamente.
 
Após 48 h do fim do tratamento os animais foram eutanasiados para a retirada de sangue, tecido da pata, linfonodo, rins, fígado e baço para posteriores experimentos. O sangue foi centrifugado e o soro separado para análise bioquímica e imunológica.
 
In vivo, a combinação das drogas com CTA mostrou-se mais eficaz que as drogas sozinhas na contagem de parasitos nos tecidos, revelou o estudo. A medida das massas dos órgãos não sugerem megalias [aumento ou desenvolvimento anormal de um órgão ou parte dele], no entanto, a bioquímica do soro dos animais demonstra aumento de enzimas hepáticas e musculares sem apresentar toxidade.
 
“A associação da crotamina mostra-se um promissor caminho para tratamentos antileishmania”, considerou o cientista.
 
A equipe de pesquisadores envolvida no Depósito de Patente tem experiência na área de Biotecnologia e doenças negligenciadas, pela Fiocruz-RO. São eles: Roberto Nicolete (Fiocruz-RO e Ceará), Andreimar Martins Soares (Fiocruz-RO), Leonardo de Azevedo Calderon (Fiocruz-RO e Universidade Federal de Rondônia). Um aluno de Doutorado da Rede Bionorte, também bolsista da Fapero integra a equipe.
 
Para Nicolete, as principais contribuições à ciência, tecnologia e inovação privilegiam a difusão do conhecimento no estado e nacionalmente.
 
“Formam-se recursos humanos em nível de pós-graduação e consolidam-se colaborações locais e regionais. A área de Biotecnologia e Saúde aplicadas para o desenvolvimento de produtos e protótipos para tratamento de doenças infecciosas e crônicas ainda é um gargalo para o fortalecimento da indústria nacional, a qual setoriza suas prioridades de mercado e deixa de apoiar a sustentabilidade do SUS e a concorrência nacional na área”, disse.
 
FONTEMontezuma Cruz – Secom-RO

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Sebrae On encerra com atividades sobre o tema alimentação fora do lar
O assunto será amplamente debatido com empresários do ramo que atuam na região ...


Ministério da Saúde abre hoje segunda fase da vacinação contra gripe
A partir desta segunda, também podem receber a vacina trabalhadores da saúde, povos indígenas, idosos, professores de escolas públicas e privadas...


Mulher viveu por 99 anos sem saber que seus órgãos estavam nos lugares errados
Uma mulher de Oregon, nos Estados Unidos, viveu por 99 anos com uma das condições mais raras do mundo: ela tinha a maioria de seus órgãos do lado contrário....


Dentista ensina como manter o hálito saudável
De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 40% da população mundial sofre de halitose....

 




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News