Rondônia, - 12:13
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Espiritualidade e Religião
Reconciliação transformadora!
Reconciliação transformadora! Por Dom Moacyr Grechi
A sociedade continua padecendo grandes perdas, e os pobres são os mais atingidos. Em favor do povo brasileiro, principalmente dos mais pobres, a Arquidiocese de Londrina manifestou apoio e solidariedade a toda e qualquer iniciativa que se oponha à proposta de reforma da Previdência.
Publicado Domingo, 19 de Março de 2017, às 09:38 | Fonte Dom Moacyr Grechi 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=324071&codDep=67" data-text="Reconciliação transformadora! Por Dom Moacyr Grechi

  
 
 

Estamos vivendo um período de declínio, a partir do perfil dos políticos, “em sua maior parte incapazes de raciocinar em termos de justiça e de bem comum”; de “anestesia da mente juvenil, cada vez mais indiferente” à realidade, ao mundo, analisa o teólogo e professor Vito Mancuso. Para ele, o ponto específico do nosso tempo é a dificuldade de confessar o próprio mal, declarando-o publicamente como tal e encontrando percursos de reforma e de expiação.
 
A sociedade continua padecendo grandes perdas, e os pobres são os mais atingidos. Em favor do povo brasileiro, principalmente dos mais pobres, a Arquidiocese de Londrina manifestou apoio e solidariedade a toda e qualquer iniciativa que se oponha à proposta de reforma da Previdência.
 
Posicionando-se contra as propostas do Governo enviadas ao Congresso, entre as quais: a mudança de idade mínima para aposentadoria aos 65 anos para homens e mulheres, a extinção da aposentadoria especial para professores da educação básica, para trabalhadores rurais e outras que dificultam o acesso à aposentadoria de milhões de trabalhadores, a Nota destaca que os países que já fizeram a sua reforma do Sistema Previdenciário não foram tão injustos quanto quer se tornar o Brasil, pois essa proposta apresentada ao Congresso privilegia uma minoria, isto é, os que hoje usufruem de melhores condições de vida, em detrimento dos anseios da maioria dos trabalhadores que constroem a riqueza de nosso país.
 
Através de uma Carta, a Conferência dos Religiosos do Brasil alerta que “a Reforma da Previdência, na qual o Governo Federal busca alterar a Constituição Federal por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC n° 287), além de outros absurdos, no bojo dessa reforma, nossos representantes querem extinguir o direito à Filantropia a que muitas instituições beneficentes e de caridade tem direito; trata-se de um dos efeitos colaterais de contornos imprevisíveis que tal emenda produzirá contra os pobres dessa nação no presente e no futuro”.
 
Também, a Província Franciscana, através de seu Ministro Provincial, Frei Fidêncio Vanboemmel, posicionou-se nessa semana “frontalmente contrária à Reforma da Previdência Social proposta pela PEC 287/2016, especialmente no que diz respeito ao aumento do tempo mínimo de contribuição para 49 anos e da idade mínima para 65 anos”, afirmando “com convicção que esta proposta é um verdadeiro ato de covardia com os mais pobres”. E questiona: a quem beneficia iniciativas dessa natureza? Por que não apostarmos em estratégias mais distributivas e justas? Por que, para uma minoria privilegiada, um sem-número de privilégios e, para a grande massa da população, a dureza de explicações pautadas em argumentos frios e desumanos, baseados na aridez dos números?
 
Iniciamos a Quaresma ouvindo o apelo à conversão, à mudança de vida, de mentalidade. Este é, portanto, o tempo oportuno “para olhar para dentro de nós” e a renovarmos nosso encontro pessoal com Jesus Cristo, aproximando-nos d’Ele, pois “é Ele quem nos converte” e nos reconduz ao verdadeiro caminho.
 
Mudar de vida, converter-se não é questão de um momento ou de um período do ano, é compromisso que dura toda a vida. Nesta semana, o papa nos convida, sob o lema “Eu quero misericórdia”, a vivermos um momento especial de penitência (“24 horas pelo Senhor”: dias 24 e 25), no qual somos chamados a celebrar a festa do perdão, através da oração e confissão.
 
No documento Misercordiae Vultus, o papa Francisco lançou um apelo de conversão: Este é o momento favorável para mudar de vida! Este é o tempo de se deixar tocar o coração. Diante do mal cometido, mesmo crime grave, é o momento de ouvir o pranto das pessoas inocentes espoliadas dos bens, da dignidade, dos afetos, da própria vida. Permanecer no caminho do mal é fonte apenas de ilusão e tristeza. A verdadeira vida é outra coisa. Deus não se cansa de estender a mão. Basta acolher o convite à conversão e submeter-se à justiça, enquanto a Igreja oferece a misericórdia (MV 19).
 
O sacramento da reconciliação deve ser entendido “com a mente e com o coração”, orienta-nos dom Bruno Forte, dessa forma, sentiremos a necessidade e a alegria de fazer experiência deste encontro, no qual Deus, dando-nos seu perdão mediante o ministro da Igreja, cria em nós um coração novo, dando-nos um Espírito novo, para que possamos viver uma existência reconciliada com Ele, conosco e com os outros, tornando-nos capazes de perdoar e amar, além de qualquer tentação de desconfiança e cansaço.
 
“Tu nos fizestes para ti e o nosso coração está inquieto enquanto não repousar em ti” (Santo Agostinho). Fomos feitos para o encontro com este “Tu” inesgotável e encarnado que propõe a “vida verdadeira”, a que enche de verdade o coração humano. Quem tem feito esta experiência sente seu sabor de verdade e liberdade e não será nunca mais o mesmo para o resto de sua vida.
 
É do confronto com o Tu divino (ou com o ideal do bem e da justiça, ou com o princípio-responsabilidade, ou com outras instâncias éticas e espirituais) que nasce a inquietação do coração e, portanto, o desejo da confissão (VP). E “à medida que o sacramento da reconciliação atingir também os pecados sociais e estruturais, seguirá uma ação pastoral sempre mais moldada por uma reconciliação transformadora que não deixará as coisas como estão” (F. Sorrentino).
 
A liturgia do 3º domingo da Quaresma está centrada na transformação que se opera mediante o encontro e o reconhecimento do Ressuscitado (R.Gravel). Encontro que é reservado para aqueles que têm sede: sede de justiça, sede de dignidade, sede de perdão, sede de paz, sede de amor, sede de Deus.
 
No Evangelho de João, Jesus toma a iniciativa de ir ao encontro dos samaritanos, inimigos dos judeus. Estabelece um diálogo com a mulher, representante do povo da região da Samaria. Do diálogo nasce a compreensão; Jesus se revela: ele é a fonte de água viva.
 
Mas agora o encontro humaníssimo com Jesus transformou essa mulher em uma criatura nova, tornando-a testemunha e evangelizadora (E.Bianchi). Para a samaritana, testemunhar é, acima de tudo, recordar os eventos, contar a própria experiência: algo decisivo aconteceu na sua vida, e isso provocou nela uma mudança, uma conversão.
 
“A fé nasce da escuta” (Rm 10,17): da escuta de Jesus, nasceu a fé da samaritana, da escuta da samaritana nasceu a fé da sua gente. E, da fé procede o conhecimento; do conhecimento, o amor: esse é o evento cristão, admiravelmente resumido no encontro da samaritana com Jesus. Além de nos saciar, tornamo-nos fonte de água viva (Jo 4,5-42). Como a samaritana, tornamo-nos discípulos missionários (VP); após seu encontro com Cristo passa da escuta para o seguimento e tem coragem e forças para sair e ir anunciar Jesus.
 
O Livro do Êxodo mostra Deus caminhando com seu povo no deserto e saciando sua sede. Revela a pedagogia de Deus e dá-nos a chave para entender a sua lógica, manifestada em cada passo da história da salvação (Ex 17,3-7).
 
Paulo Apóstolo é o ministro da reconciliação (Rm 5,1-2.5-8). Deus acompanha o seu Povo em marcha pela história; e, apesar do pecado e da infidelidade, insiste em oferecer-lhe, de forma gratuita e incondicional, a salvação.
 
Na próxima 4ª feira, celebraremos o Dia Mundial da Água (22/3). A cada ano, a ONU escolhe um tema diferente para ser discutido que corresponde a um desafio atual ou futuro. Em 2016 o tema foi “Água e Empregos”, neste ano, “Água Residual” e em 2018: “Soluções Naturais para a Água”.
 

Celebrando São José (19/3), lembramos o Peregrino andante, desterrado com Deus, companheiro de Jesus e de Maria pelos caminhos da diáspora, família de Deus sem-terra e sem-teto, alma grande que não se entregou ao desespero nem se rendeu à descrença, cooperador da salvação, gota de suor e sangue a completar o cálice do Senhor, homem das longas caminhadas que, afinal, um dia, com Jesus de um lado e Maria do outro, atendeu ao último chamado de “levanta-te e vem”, para entrar na glória do Pai e colocar-se como o inspirador da passagem temida, mas querida, de voar para junto daquele que preparou uma apoteose para os carpinteiros de todos os tempos que o ajudaram a construir o Reino Salvador (Frei Hugo D. Baggio/Revista “Grande Sinal”). 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Espiritualidade e Religião


A polêmica orientação da Igreja Anglicana para que escolas deixem crianças vestir roupas identificadas com outro gênero
...


Sem mencionar rohingyas, Papa Francisco faz apelo por direitos humanos em Mianmar
...


Papa diz estar preocupado com ''retorno dos nacionalismos'' na Europa
...


Papa fala com tripulação da ISS sobre lugar do homem no universo
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE