Rondônia, - 18:30
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
Ciência e Saúde
Cientistas descobrem ferramenta que aperfeiçoa “edição” do genoma
Publicado Sexta-Feira, 3 de Março de 2017, às 11:40 | Fonte Revista Exame.com 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=323001&codDep=42" data-text="Cientistas descobrem ferramenta que aperfeiçoa “edição” do genoma
  
 
 

 

Imagem do DNA

DNA: os cientistas comprovaram que esses genes regulam importantes processos celulares e são alterados por muitas doenças, entre elas o câncer (Thinkstock)

 

 

Madri – Uma equipe internacional de cientistas criou um software para “editar” o genoma, permitindo que os pesquisadores estudem melhor o DNA não codificante e acelerem assim os estudos sobre a origem genética de muitas doenças.

 

O estudo, publicado hoje na “PLOS Computational Biology”, foi realizado por pesquisadores do Centro de Regulação Genômica da Universidade Pompeu Fabra de Barcelona e do Instituto Hospital do Mar de Pesquisas Médicas, em parceria com cientistas de várias instituições de ensino da Suíça.

 

A parte codificante do genoma humano (exoma) contém informações para a formação de proteínas, células, órgãos, etc, mas é também onde ocorre a maior parte das mutações que causam doenças. Por isso, até agora, ela foi a mais estudada pelos pesquisadores.

 

O restante do genoma, quase 98%, é formado por DNA não codificante, um material genético que, até pouco tempo, os cientistas acreditavam que não tinha nenhuma função.

 

No entanto, graças às novas técnicas de sequenciamento em massa e de “edição” genética, os cientistas comprovaram que esses genes regulam importantes processos celulares e são alterados por muitas doenças, entre elas o câncer.

 

A técnica de edição genética utilizada no mundo todo, a CRISPR-Cas 9, é inspirada no mecanismo de defesa das bactérias e é utilizada para selecionar e “pegar” partes do genoma que codifica proteínas, o que limita muito as pesquisas.

 

Em 2015, o mesmo grupo que assina o estudo publicado hoje, a equipe liderada por Rory Johnson, desenhou uma ferramenta baseada no CRISPR-Cas 9, batizada de “Decko”, que permitia estender a técnica de edição genômica para o DNA não codificado.

 

Agora, a nova ferramenta, chamada CRISPETa, é um software que permite desenhar duplas de sgRNA guias, o que permitirá fazer um “duplo corte” no genoma e eliminar uma parte do gene, explicou à Agência Efe a coautora do estudo, Carme Arnan.

 

A grande vantagem da nova ferramenta é que ela permite trabalhar com vários genes em paralelo, algo essencial na pesquisa de processos porque “permite estudar que genes são importantes e quais não são”, disse a pesquisadora.

 

“Esperamos que as ferramentas de engenharia do genoma conduzam a uma revolução em nossa capacidade para compreender a base genômica da doença, em particular nos 99% do DNA que não codifica as proteínas”, completou Johnson.

 

Além disso, o CRISPETa foi projetado para ser utilizado por qualquer pesquisador, sem a necessidade de ser um especialista neste tipo de ferramenta ou possuir um grande laboratório.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Campanha de vacinação contra a gripe é prorrogada
...


Estatina reduz risco de infarto, derrame e insuficiência cardíaca
...


Colágeno a todo custo?
...


Portugal terá salas de consumo assistido para usuários de drogas
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
728x90 350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE