Rondônia, - 12:18
Últimas Política Amazônia Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - Espiritualidade e Religião
espiritualidade e religião
Jesus existiu mesmo?
Publicado Sábado, 11 de Fevereiro de 2017, às 15:30 | Fonte Revista Despertai - JW.org 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=321433&codDep=67" data-text="Jesus existiu mesmo?
  
 
 

Resultado de imagem para jesus cristo
 
ELE não era rico nem tinha influência política. Também não tinha um lugar para morar. Mas o que ele ensinou influencia a vida de milhões de pessoas. Será que Jesus realmente existiu? O que historiadores e pessoas de destaque, no passado e no presente, disseram sobre a existência de Jesus?
 
Michael Grant, historiador e especialista no estudo de civilizações antigas, escreveu: “Devemos usar para o Novo Testamento o mesmo critério que usamos para outros escritos antigos que contêm informações históricas. Se fizermos isso, teremos de aceitar que Jesus realmente existiu. Se rejeitamos a existência de Jesus, então podemos rejeitar também a existência de vários personagens históricos pagãos que ninguém duvida que existiram.”
Rudolf Bultmann, professor universitário de estudos do Novo Testamento, declarou: “A dúvida quanto à existência de Jesus não tem base nem merece ser contestada. Ninguém em sã consciência pode duvidar que Jesus foi o fundador [do cristianismo].”
Will Durant, historiador, escritor e filósofo, escreveu: “Seria um milagre ainda mais incrível [do que qualquer milagre registrado nos Evangelhos] que apenas em uma geração uns tantos homens simples . . . inventassem uma personalidade tão poderosa e atraente como a de Jesus, uma moral tão elevada e uma tão inspiradora ideia da fraternidade humana.”
Albert Einstein, físico nascido na Alemanha, disse: “Sou judeu, mas fico encantado com a figura luminosa do Nazareno.” Numa ocasião, perguntaram a ele se acreditava que Jesus tinha existido de verdade. Ele respondeu: “Sem dúvida! Ninguém consegue ler o Evangelho sem sentir a presença real de Jesus. A personalidade dele pulsa em cada palavra. Nenhum mito tem tanta vida assim.”
“Ninguém consegue ler o Evangelho sem sentir a presença real de Jesus.” — Albert Einstein
 O QUE A HISTÓRIA REVELA
 
O registro mais detalhado da vida e do ministério de Jesus está nos quatro livros bíblicos conhecidos como Evangelhos, que foram escritos por Mateus, Marcos, Lucas e João. Mas várias outras obras antigas e não cristãs citam o nome de Jesus.
 
Tácito
TÁCITO
 
(Cerca de 56-120 d.C.) Tácito é considerado um dos maiores historiadores romanos da Antiguidade. Uma de suas obras trata do Império Romano durante os anos 14 a 68. (Jesus morreu no ano 33.) Tácito escreveu que o imperador Nero foi acusado de causar um incêndio que devastou Roma no ano 64. Depois de dizer que Nero pôs a culpa nos cristãos, Tácito escreveu: “O autor do . . . nome [“cristãos”] foi Cristo, que no governo de Tibério foi condenado ao último suplício pelo procurador Pôncio Pilatos.” (Anais, XV.)
 
Suetônio
SUETÔNIO
 
(Cerca de 69–depois de 122 d.C.) Esse historiador romano registrou eventos que ocorreram durante os governos de vários imperadores romanos. Ao falar do imperador Cláudio, Suetônio mencionou conflitos que ocorreram entre os judeus em Roma, provavelmente causados por discussões a respeito de Jesus. (Atos 18:2) Ele escreveu que os judeus que causavam tumultos “por incitamento de Cresto [Cristo, nota], foram expulsos de Roma por ele [Cláudio]”. (A Vida dos Doze Césares, Editora Martin Claret: 2005, p. 263.) Suetônio estava errado ao afirmar que Jesus estava provocando tumultos, mas ele não negou que Jesus existia.
 
Plínio, o Moço
PLÍNIO, O MOÇO
 
(Cerca de 61-113 d.C.) Esse escritor romano foi também governador da Bitínia (atual Turquia). Na época, ele escreveu ao imperador Trajano sobre como estava tratando os cristãos na Bitínia. Plínio disse que tentava forçar os cristãos a renunciar sua fé e que executava os que não fizessem isso. Ele escreveu: “Decidi libertar os que . . . repetiram comigo uma invocação aos deuses [pagãos] e adoraram . . . sua imagem [isto é, do imperador], . . . e que, por fim, amaldiçoaram Cristo.” (Cartas de Plínio, * Livro X, XCVI.)
 
Flávio Josefo
 FLÁVIO JOSEFO
 
(Cerca de 37-100 d.C.) Em uma de suas obras, esse sacerdote judeu e historiador falou sobre Ananias, um sumo sacerdote judaico com muita influência política. Flávio Josefo escreveu que Ananias reuniu “um conselho, diante do qual fez comparecer Tiago, irmão de Jesus, chamado Cristo”. (Antiguidades Judaicas, Livro XX.)
 
O Talmude
O TALMUDE
 
Essa coleção de escritos religiosos judaicos foi produzida entre os anos 200 e 500. Ela deixa claro que até os inimigos de Jesus acreditavam na sua existência. Um trecho do Talmude diz que na “Páscoa Yeshu [Jesus], o Nazareno, foi pendurado”. A história confirma essa informação. (Talmude Babilônico, Sinédrio 43a, Códice de Munique; veja João 19:14-16.) Outra passagem diz: “Que nenhum de nossos filhos ou alunos se envergonhe em público como o Nazareno.” (Talmude Babilônico, Berakoth 17b, nota, Códice de Munique.) “Nazareno” era um título dado a Jesus. — Lucas 18:37.
 
O QUE A BÍBLIA REVELA
 
Os Evangelhos contêm um relato bem abrangente da vida e do ministério de Jesus. Os nomes de pessoas, lugares e períodos específicos mostram que esses relatos são história real. Um exemplo disso está em Lucas 3:1, 2. Esse texto nos ajuda a saber a data exata em que João Batista, que anunciou a chegada de Cristo, começou a sua obra.
 
A Bíblia
“Toda a Escritura é inspirada por Deus.” — 2 Timóteo 3:16
Lucas escreveu: “No décimo quinto ano do reinado de Tibério César — quando Pôncio Pilatos era governador da Judeia, Herodes era governador distrital da Galileia, seu irmão Filipe era governador distrital da região da Itureia e de Traconites, e Lisânias era governador distrital de Abilene —, nos dias do principal sacerdote Anás, e de Caifás, a declaração de Deus chegou a João, filho de Zacarias, no deserto.” Essas informações detalhadas e historicamente corretas nos ajudam a saber que “a declaração de Deus chegou a João” no ano 29.
 
 As sete pessoas que Lucas citou por nome são bem conhecidas pelos historiadores. Mas nem sempre foi assim. Por um tempo, alguns críticos afirmaram precipitadamente que Pôncio Pilatos e Lisânias não existiram. Só que mais tarde foram descobertas inscrições antigas com o nome desses dois governantes. Assim, ficou claro que Lucas estava certo o tempo todo. *
 
POR QUE SABER DISSO É IMPORTANTE
 
A Terra
Jesus ensinou sobre um governo chamado “Reino de Deus”
Os ensinos de Jesus são importantes. Por isso, vale a pena saber se ele existiu mesmo. Por exemplo, Jesus ensinou como ser feliz e ter objetivo na vida. * Também falou de um tempo em que os humanos vão viver em paz, segurança e união, debaixo de um único governo: o “Reino de Deus”. — Lucas 4:43.
 
O termo “Reino de Deus” indica que Deus vai usar esse governo para exercer sua soberania, ou autoridade, em toda a Terra. (Apocalipse 11:15) Jesus deixou isso claro quando fez a oração-modelo: “Pai nosso, que estás nos céus, . . . venha o teu reino. Seja feita a tua vontade . . . na terra.” (Mateus 6:9, 10) O que esse governo vai fazer pelos humanos? Veja algumas coisas:
 
Guerras e conflitos civis vão acabar. — Salmo 46:8-11.
A maldade, a ambição e a corrupção vão deixar de existir, junto com as pessoas más. — Salmo 37:10, 11.
Os humanos terão um trabalho produtivo, que lhes dará satisfação. — Isaías 65:21, 22.
A Terra vai se recuperar e vai produzir muito alimento. — Salmo 72:16; Isaías 11:9.
Algumas pessoas acham que essas promessas não passam de um sonho. Mas não concorda que sonho seria esperar que os humanos melhorassem o mundo? Pense bem: a humanidade já fez progressos incríveis na área da ciência, da educação e da tecnologia. Mesmo assim, milhões de pessoas não sabem o que esperar do futuro. Somos afetados por crises políticas e econômicas, opressão religiosa, ambição e corrupção. Não há dúvidas: o governo do homem é um fracasso! — Eclesiastes 8:9.
 

Assim, a existência de Jesus é um assunto que merece nossa atenção. A Bíblia diz em 2 Coríntios 1:19, 20: “Não importa quantas sejam as promessas de Deus, elas se tornaram ‘sim’ por meio dele [Cristo].” * 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Espiritualidade e Religião


Papa: a misericórdia abre a porta da mente e do coração
Aos milhares de fiéis reunidos na Praça S. Pedro, Francisco explicou que este domingo, na tradição da Igreja, era chamado “in albis” (alba). A expressão evocava o rito do batismo na Vigília de Páscoa ...


O amor em tempos de transição planetária
...


Palestras de Divaldo Franco no Paraná
...


Pastorinhos vão ser canonizados a 13 de Maio
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
728x90 350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE