Rondônia, - 14:01

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
cultura
Livro 'A Amazônia e Eu' revela as belezas e desafios de quem vive na região
Filha e esposa de militar, Karine Chacon Brasil escreveu livro para relatar experiência na tríplice fronteira amazônica
Publicado Segunda-Feira, 23 de Janeiro de 2017, às 10:17 | Fonte A Crítica -AM 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=319909&codDep=38" data-text="Livro 'A Amazônia e Eu' revela as belezas e desafios de quem vive na região

  
 
 

Simplicidade e contato com a natureza encantaram a publicitária pernambucana, que morou em Cucuí

Natália Caplan
Manaus

Como filha e esposa de militar, Karine Brasil, 29, já sabe: morar mais do que dois anos no mesmo lugar é raro. A cada transferência, conhece cidades e culturas diferentes e, no caso da Amazônia, não fazia ideia do que encontraria. Ela pesquisou muito sobre a tríplice fronteira — Brasil, Colômbia e Venezuela — do Amazonas para descobrir como seria a vida em Cucuí, uma comunidade com 1 mil habitantes, praticamente isolada no meio da selva. Sem respostas, chegou disposta a aprender. O resultado desses dois anos (2012/2013) nesse local tão longínquo resultou no livro “A Amazônia e Eu”, lançado em dezembro, no Rio de Janeiro. Nele, a publicitária revela as belezas e desafios de quem vive na região. Na entrevista abaixo, ela fala um pouco sobre a experiência. 

Por que escrever um livro sobre o tempo que viveu na Amazônia?

 

Durante dois anos (2012/2013), vi de perto uma região rica de belezas naturais e culturas diversificadas. Conheci pessoas incríveis que vivem com a simplicidade em suas pacatas vidas. Em contrapartida, conheci pessoas que sentiram medo (assim como eu) de morar em um lugar tão distante das facilidades urbanas. O meu intuito é transmitir conhecimento aos novos moradores (militares e familiares), levar informação a curiosos e tornar esse pedaço de chão chamado Cucuí, conhecido aos olhos de todos. 

 

Você disse que teve medo ao saber da transferência.

 

Muitas pessoas me relataram experiências vividas em longínquas fronteiras espalhadas pelo Brasil. Estava prestes a me deparar com uma realidade bem diferente da minha, num lugar completamente isolado da civilização. Senti medo de ter que enfrentar essa mudança radical; de abandonar os estudos, a profissão; de contrair uma doença tropical; de ficar longe da minha família...

 

Qual foi o maior choque?

 

Saí de uma cidade grande, onde tinha uma vida fácil e confortável e fui morar em um lugar com cerca de 1 mil habitantes, no meio da selva. Eu não fiquei abalada com nada, mas lembro-me que os medos eram constantes, devido ao contraste de cultura. Mas logo procurava um jeito de amenizar esse sentimento.

 

Como fez para lidar com o medo e se adaptar?

 

Quando via algo diferente, que poderia ser um choque de cultura para mim, procurava enxergar isso como uma novidade, pensava: ‘Uau, que diferente! Isso é demais!’, Ao invés de sofrer com as divergências. Eu precisava focar no que realmente me traria coragem para enfrentar o desafio que estava prestes a viver. Passei a pensar positivamente, pois, naquela remota localidade, eu haveria de encontrar motivações para seguir minha vida. Tudo dependia de mim, da minha mente, da minha vontade de querer estar ali.

 

Do que mais você gostou?

 

Acho que o mais gostoso dessa região está na maneira simples com que as pessoas encaram a vida: poder colher frutas em árvores, andar de sandália rasteira o dia inteiro, nadar no rio negro, passear pela comunidade a pé, desfrutar das maravilhas da natureza, apreciar um pôr do sol e ouvir o som misterioso da selva. Também gostei de ver a cultura indígena enraizada na fala, no andar e no olhar das pessoas. E me surpreendi com a variedade cultural das etnias que integram a população indígena de São Gabriel da Cachoeira.

 

Como filha e esposa de militar, você morou em muitas cidades?

 

Desde pequena, mudo de cidade com frequência. Durante o período que acompanhei meu pai em suas transferências, morei em Recife, Rio de Janeiro, Osasco, Manaus, Fortaleza, São Paulo, Brasília, entre outras. Quando Guilherme e eu nos casamos, ainda em lua de mel, mudamos para Cucuí. No Amazonas, tive a oportunidade de conhecer as cidades de Manaus e São Gabriel da Cachoeira e, os distritos de Cucuí, Iauaretê e Maturacá.

 

Qual foi o maior desafio de viver na Amazônia?

 

A precariedade e a ausência de médicos no local eram os maiores desafios que enfrentávamos. Presenciei um parto de risco na noite de Natal e isso mexeu muito comigo. Descobri que estava grávida por acaso, em uma viagem a São Gabriel da Cachoeira. Foi quando senti na pele o que as moradoras locais passavam durante a gravidez: sem assistência médica, sem local para fazer ultrassom, sem acompanhamento mensal, etc. E meu e marido eu decidimos viajar para San Carlos, na Venezuela, a duas horas de Cucuí, onde tinha ecografia. Minha filha nasceu em Brasília, mas a gravidez foi uma verdadeira aventura.

 

Já voltou para visitar?

 

Apesar de não retornar mais ao Amazonas, fundei o grupo “Rompendo Mais Fronteiras”, com minha amiga Adriana Villas Bôas, que ajuda comunidades ribeirinhas.

 

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Notícias da Amazônia


Pará é o estado com maior índice de desmatamento da Amazônia Legal, aponta Imazon
Ao contrário do ano anterior, foi registrado aumento de 22% do desmatamento em todo território da floresta amazônica em 2018. 52% das áreas atingidas no Pará são de preservação ambiental. ...


Comunicólogos de Porto Velho debatem lixo plástico e os efeitos nos rios
Defensora de questões socioeconômicas e ambientais com metodologias inclusivas, a jornalista Claudia Moura disse aos colegas debatedores, que soluções para problemas sociais do país......


MPF identifica responsáveis por todos os desmatamentos com mais de 60 hectares na floresta amazônica entre 2016 e 2017
2,3 mil pessoas ou empresas foram associadas a mais de 1,5 mil áreas desmatadas de forma irregular...


Governo Temer e Estado de Roraima não alcançam conciliação sobre imigrantes venezuelanos
Em uma primeira reunião, em maio, o estado abriu mão do fechamento de fronteira, mas pediu R$ 184 mi em ressarcimento, por parte do governo federal...

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM