Rondônia, - 22:03
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Pilotando pela ''Rodovia fantasma'' BR-319
Pilotando pela ''Rodovia fantasma'' BR-319
A BR-319 não é uma estrada para motos pesadas, com bagagem e garupa. Porém, com determinação, cumplicidade e planejamento, é possível percorrê-la de ponto a ponto.
Publicado Domingo, 22 de Janeiro de 2017, às 15:53 | Fonte http://www.motoadventure.com.br/ 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=319788&codDep=38" data-text="Pilotando pela ''Rodovia fantasma'' BR-319

  
 
 

Os riscos e dificuldades de cruzar a pior estrada federal do país, localizada no coração da Floresta Amazônica: a BR-319

Texto e fotos: Guga Dias
 
Muitos motociclistas reclamam das péssimas condições das estradas brasileiras, o que é legítimo, pois são quilômetros de buracos, remendos e falta de sinalização. No entanto, resolvi ir além e enfrentar a BR-319, conhecida como “Rodovia Fantasma”, tamanho é o grau de seu abandono e isolamento. Ciente das dificuldades, concentrei-me mais no fato de viajar com minha esposa na garupa do que, necessariamente, na superação de cruzar a Floresta Amazônica de moto.
 
PLANO DE VIAGEM
 
É rotineiro levar de seis a oito meses estudando um roteiro, os mapas e os pontos turísticos que visitaremos ao longo de uma viagem. E para essa aventura, não foi diferente. Assim, detectamos dois principais gargalos da expedição: chegar e sair de Manaus (AM).
 
Fosse via porto de Belém (PA) ou Santarém (PA), uma hora seria preciso embarcarmos com a moto em um barco e navegar pelo Rio Amazonas e seus afluentes. Optamos por embarcar em Belém para uma viagem de seis dias rio acima.
 
BARCO
 
As acomodações no barco deixam muito a desejar, esteja você viajando em uma rede ou em camarote. Porém, conforto é algo que curtimos em casa: o jeito foi aproveitar o incrível cenário e as histórias de figuras pitorescas que conhecemos a bordo. Depois de seis dias de navegação e cinco dias com turismo e manutenção da moto em Manaus, era chegada a hora de percorrer a BR-319, a Rodovia Fantasma, que segue por 890 km até Porto Velho e possui mais de 400 km em meio ao nada.
 
BR-319
 
O estudo para percorrer a BR-319 contou com informações de vários amigos, pois há muitos malucos que percorreram esta estrada e postaram seus dramas em filmes (muitas vezes, desesperadores). Por exemplo: um casal de colombianos que cometeu o grave erro de percorrer a 319 na época das chuvas, que se estendem de janeiro ao final de julho – os planos de cruzarem em quatro dias se estenderam por duas semanas e meia.
 
Cientes dessas agruras, seguimos viagem. A BR-319 é a única rodovia que liga Manaus ao resto do Brasil e foi construída ainda na década de 1960.
 
Conta a história que coronéis e barqueiros contrataram jagunços para destruir a rodovia, o que foi feito ao longo de dez anos. Na base de enxada, o asfalto foi arrancado; na base do fogo e da dinamite, pontes foram destruídas; e o resto a floresta tomou para si…
 
Além disso, às margens da BR-319 há inúmeros igarapés que transbordam – e quando as águas se vão, deixam bancos de areia e um cenário insólito, que nos faz pensar em como uma areia branca de praia surgiu no meio da Floresta Amazônica.
 
NA ESTRADA
 
Antes de encaramos a estrada passamos em um supermercado para comprar mantimentos. Tão logo cruzamos o “Encontro das Águas” entre o Rio Negro e Solimões, estávamos diante da placa da BR-319, que informava a direção rumo a Porto Velho.
 
Os 200 km seguintes foram feitos em asfalto, que nos acompanhou até depois da cidade de Castanho, onde completamos o tanque e compramos três garrafas “pet” de 2 litros, cada, com gasolina. Tínhamos cerca de 480 km pela frente e 28 litros de combustível. Se a média de consumo ficasse na casa dos 17 km/l, nossa V-Strom 650cc chegaria a tempo de novo abastecimento.
 
Passando de Castanho, o asfalto sumiu e um longo trecho de barro compactado pelas máquinas do Exército surgiu. Por sorte não chovera nos últimos dias e a lama estava seca – porém, sem muita margem para velocidade acima dos 50 km/h, já que qualquer deslize literalmente nos levaria ao chão.
 
A BR-319 não é uma estrada para se fazer com uma moto como a 650cc, aro 19, cerca de 60 kg de bagagem e garupa, mas estávamos prontos para o desafio (e sabíamos que não seria nada fácil!).
 
Com esta certeza em mente, conseguimos percorrer, no primeiro dia, cerca de 280 km até o povoado de Igapó Açu, que fica às margens de um afluente do Rio Madeira, aonde a travessia (ao custo de R$ 10,00) é feita por meio de uma plataforma rebocada por uma embarcação que demora um pouco para ligar.
 
Do outro lado do rio, o vilarejo (isolado do mundo) não se estende por mais de 100 metros e conta com menos de 70 moradores (entre crianças, adultos e idosos).
 
A rampa da balsa passa ao lado do Restaurante e Pousada da Dona Mocinha, uma simpática anfitriã, que recebe a todos de braços abertos. Sem luxo algum, a diária para o casal custou meros R$ 30,00 (com banho à parte, que saia por R$ 2,50). Já que tínhamos pão e atum, entre outras coisas, jantamos no quarto e, pouco depois, testemunhamos um forte temporal na região.
 
De manhã, cogitamos ficar mais um dia na pousada, na esperança de que o solo secasse e nossa viagem pudesse continuar. Mas um céu azul distante nos chamou para a estrada e partimos cheios de esperança de conseguir atravessar a floresta naquele mesmo dia – e desfrutar, à noite, de um bom banho quente em Humaitá (AM), a 450 km de distância dali.
 
TOMBOS
 
Com pouco tempo de estrada – se é que assim podemos chamar uma faixa de asfalto com pouco mais de um metro de largura, além de repleta de buracos e lama –, cruzamos com dois motociclistas que vinham de Porto Velho, ambos em motos de 250cc e com mochilas nas costas. Eles nos acharam loucos por tentarmos percorrer a BR-319 pilotando uma Suzuki V-Strom 650cc com garupa e bagagens.
 
Conversamos com a dupla, rimos e seguimos viagem. Porém, logo veio o primeiro tombo, ocasionado por baixa velocidade e uma roda dianteira que deslizou na lama.
 
Rapidamente soltei os baús da moto e, em uma alavancada só, coloquei-a de pé e me deitei, exausto. A Floresta Amazônica, apesar de úmida, é muito quente – e o esforço de pilotar naquele tipo de estrada começava a cobrar seu preço, principalmente, na forma de cãibras.
 
TRAVESSIAS
 
Continuamos na estrada e cruzamos com pontes de madeiras nas mais assombrosas condições. Feitas de toras de árvores e tábuas, muitas apresentavam enormes buracos e pregos expostos. Sem contar aquelas que não tinham rampas de descida no lado oposto.
 
O cerimonial consistia em parar a moto, descer e cruzar a ponte a pé, preferencialmente, pulando (para identificar os pontos firmes e se certificando de que, do outro lado, havia como descer), para, então, passar com a moto, sem garupa e em primeira marcha. Isto se repetiu aproximadamente 125 vezes.
 
Com o fim da tarde se aproximando, era quase inacreditável constatar que levamos o dia inteiro para percorrer míseros 80 km. E este esforço todo se refletiu em mais um tombo! Levantar a moto acabou com nossa energia, mas, por sorte, em pouco mais de 5 km (percorridos em meia hora), chegamos a mais uma torre da Embratel – uma dica: quem for percorrer a BR-319 poderá contar com um porto seguro a cada 40 km, em média: são “elas”, as torres da Embratel, retransmissoras de sinais, que oferecem abrigo (já que seu entorno é cercado).
 
Naquela primeira noite na selva, encontramos a Torre Aristóteles aberta e com funcionários responsáveis pela manutenção de saída, que nos autorizaram a pernoitar ali. O jantar, mais uma vez, foi pão com atum (e de sobremesa, bolo de laranja).
 
DESGASTE
 
No dia seguinte, saímos cedo – e ao passarmos por um igarapé com correnteza, enchemos as garrafas com água. O mais indicado é ferver ou ter pastilhas de cloro (Clorin, Hidroesteril etc.), mas a necessidade falou mais alto e apostamos nossas fichas na pureza da água corrente…
 
Algumas horas depois, tínhamos avançado pouco mais de 30 km e o sol do meio-dia nos castigava duramente. Até que, após outra ponte, minha pressão caiu rapidamente. Não sei de onde tirei forças para frear a moto, descer e “apagar” no chão! Minha esposa, Elda, estava com fortes cólicas e “apagou” ao meu lado. Dormimos no meio da pista por quase duas horas, completamente desprotegidos e a mercê dos animais da floresta.
 
Quando acordei, não queria mais aquilo. Pensei em jogar a moto da próxima ponte e esperar a passagem de algum carro. Comentei a ideia com Elda, que, de tão fraca e com dores, chegou a achar a solução viável.
 
Subimos na moto e, determinados, seguimos rumo à próxima ponte. Do nada, surgiu outra torre, com os mesmos funcionários do dia anterior. Pedimos para esquentar um pouco de água e devoramos um suculento CupNoodles.
 
Foi mágica a energia gerada por aquela simples refeição, que nos fez decidir continuar a viagem.
 
NOVOS CAMINHOS
 
A estrada melhorou a ponto de percorrermos um trecho de 40 km em duas horas. E como nos restava cerca de duas horas e meia antes do pôr-do-sol, decidimos seguir rumo à próxima torre. Já era noite quando chegamos ao destino, mas encontramos o portão trancado com uma corrente. Por sorte havia um buraco na grade e, assim, dormimos na garagem da torre, com uma luz de 40 Watts que acendia e apagava continuamente.
 
Ao amanhecer, saímos bem cedo, com um objetivo ambicioso: percorrer os últimos 250 km até Humaitá (AM). No entanto, ao rodamos cerca de 5 km, um macaco-aranha pulou à nossa frente e entrou na mata. Parei a moto e peguei a máquina fotográfica para registrar aquele belo animal. Pouco depois, quando olhei para frente, a cerca de uns 50 metros, vi uma onça sair da floresta e postar-se no meio da estrada. Fiquei “gelado”, mal conseguindo notificar Elda do perigo. Mas, por sorte, o bichano não nos deu tanta importância e retornou à mata.
 
O dia foi passando entre solavancos, pinguelas e atoleiros. No fim da tarde, conseguimos chegar ao povoado de Realidade, vila que mais parece uma cidade do Velho-Oeste, com construções enfileiradas às margens da estrada.
 
Abastecemos no único posto disponível, tomamos uma deliciosa e gelada Coca-Cola e seguimos rumo a Humaitá, em um misto de trechos de terra e asfalto.
 
VITÓRIA
 
Entramos no hotel por volta das 19h00, depois de quatro dias na BR-319, repletos de lama, desnutridos e completamente modificados. Alguma coisa mudara dentro de nós. Não éramos mais aquele casal que, dias antes, havia atravessado o Encontro das Águas e apontado a moto no começo da BR-319. Estávamos diferentes – éramos quase estranhos a nós mesmos. A satisfação da superação sequer foi comentada. As palavras morreram em nossos lábios lábios, mas a sensação estava presente nos olhares que trocávamos. No curso daquela inusitada aventura, reavaliamos muitos de nossos valores – e nossa cumplicidade foi 100% reforçada.
 
A BR-319 não é uma estrada para motos pesadas, com bagagem e garupa. Porém, com determinação, cumplicidade e planejamento, é possível percorrê-la de ponto a ponto.
 
Para mapas, custos e mais detalhes, consulte o site: www.diariodemotocicleta.com.br ou nos escreva para falecom@diariodemotocicleta.com.br
 
BR-319-12
 
BR-319-11
 
BR-319-9
 
BR-319-8
 
BR-319-7
 
BR-319-5
 
 

*Matéria publicada na edição #162 da revista Moto Adventure. 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Notícias da Amazônia


Justiça recebe nova denúncia contra prefeito de Coari, no Amazonas
Prefeito descumpriu repasse à Câmara Municipal de Coari. Tramitam 56 processos contra Adail Pinheiro no judiciário amazonense....


Homem de 200kg morre e IML precisa de 20 homens para retirar o corpo
Por volta das 8h30, os familiares de Elson chamaram o Samu, que só chegou às 10h, quando Élson já estava morto....


Coordenador de campanha eleitoral de Artur Neto é executado a tiros
Homem foi morto com pelo menos cinco tiros. Delegacia de Homicídios e Sequestros vai investigar o crime. ...


Escutas revelam como funcionava esquema de grilagem de terras na Amazônia
Série de reportagens mostra como era a invasão e a derrubada da floresta. Escutas telefônicas autorizadas foram obtidas com exclusividade pelo JH....

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::