Rondônia, - 15:03
Últimas Política Amazônia Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
Recordes candentes
Ameaça a Amazônia: 2016 seria o ano mais quente registrado desde 1880
A descarbonização ganhou impulso próprio no setor privado e prioridade estratégica na China. A nação asiática investiu US$ 100 bilhões em energia renovável em 2015; os EUA, impulsionados por Barack Obama, US$ 44 bilhões.
Publicado Quinta-Feira, 19 de Janeiro de 2017, às 15:10 | Fonte Folha de SP - Editorial 19-01-2017 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=319733&codDep=38" data-text="Ameaça a Amazônia: 2016 seria o ano mais quente registrado desde 1880
  
 
 

Desmatamento deixa Amazônia mais quente ainda (Foto: Fernando Araújo)

Mesmo que já se desse por certo que 2016 seria o ano mais quente registrado desde 1880, a confirmação oficial da marca veio nesta quarta-feira (18) com a chancela de três organizações de renome: a agência espacial americana (Nasa), a de atmosfera e oceanos (Noaa) e a Organização Meteorológica Mundial (OMM).
 
Trata-se da temperatura média na superfície do planeta, apurada com medições por satélite e uma miríade de boias e estações espalhadas pelo globo. O ar sobre os continentes e os mares ficou 0,83°C acima do que se observou no período 1961-1990, segundo a OMM.
 
O recorde anterior se deu em 2015; antes deste, o campeão havia sido 2014. Pela primeira vez se registra uma sequência de três anos recordistas. É consenso entre especialistas que apenas a variação natural do clima seria incapaz de ensejar tal sucessão escaldante.
 
A única explicação cabível, dada a magnitude do aquecimento, acha-se nas atividades humanas sobre a Terra, em especial os transportes e a produção de energia. Gases gerados na queima de combustíveis fósseis, entre eles vários compostos de carbono, aprisionam radiação solar na atmosfera, aquecendo-a além do normal.
 
Os meios para o mundo enfrentar essa tendência ameaçadora começaram a ser delineados com o Acordo de Paris, em dezembro de 2015. A difícil negociação internacional para descarbonizar a economia sofreu seu maior revés com a eleição de Donald Trump —um cético estridente do aquecimento global— para a Presidência dos EUA.
 
Trump decerto pode atrapalhar o processo de Paris, se de fato vier a repudiar o acordo, mas dificilmente terá o poder de estancá-lo.
 
A descarbonização ganhou impulso próprio no setor privado e prioridade estratégica na China. A nação asiática investiu US$ 100 bilhões em energia renovável em 2015; os EUA, impulsionados por Barack Obama, US$ 44 bilhões.
 
No Brasil, o governo Dilma Rousseff (PT), em seus estertores, vislumbrou as oportunidades econômicas e geopolíticas abertas ao país por sua matriz energética limpa e pelo imenso patrimônio florestal da Amazônia. Metas respeitáveis de descarbonização acabaram adotadas, ainda que sem projetos detalhados para realização.
 

Com a crise na economia, o tema perdeu destaque e dinamismo no governo Michel Temer (PMDB) —e parece pouco provável que o triênio recordista de calor venha a despertá-lo para um dos problemas mais candentes do mundo. 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Notícias da Amazônia


Em reunião com presidente da Funai, MPF/RO tratou de proteção às terras indígenas
Obras de compensação socioambiental e invasões de terras indígenas foram alguns dos pontos discutidos durante reunião realizada hoje em Cacoal...


Indústria ilegal de madeira na Amazônia: Profissão Madeireiro
Enquanto trabalhadores arriscam a vida no corte de árvores, grandes marcas brasileiras e internacionais compram madeira......


Aumento do desmatamento em Unidades de Conservação da Amazônia
Estudo do Imazon mostra que entre 2012 e 2015, 237,3 mil hectares foram desmatados dentro de Unidades de Conservação (UCs) da Amazônia, causando grandes danos ambientais. ...


Para conservação da espécie, botos são monitorados por drones
Atualmente, as espécies estão classificadas como “Dados Insuficientes” pela Unidade Internacional de Conservação da Natureza (IUCN) e aparecem no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção...

 









 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE