Rondônia, - 01:09
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Artigos
Em defesa da vida e dos direitos humanos!
Dom Moacyr Grechi: Em defesa da vida e dos direitos humanos!
Esta foi a nossa reflexão em novembro, que se aprofunda neste tempo de Advento, tempo de ampliar o horizonte de nosso coração e preparar a Vinda de Jesus no meio de nós.
Publicado Segunda-Feira, 5 de Dezembro de 2016, às 08:04 | Fonte Dom Moacyr Grechi 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=318569&codDep=33" data-text="Dom Moacyr Grechi: Em defesa da vida e dos direitos humanos!

  
 
 

Caminhamos em direção à vida e toda nossa caminhada está voltada para Deus, e com Ele, somos chamados a peregrinar neste mundo, rumo à Pátria definitiva.
 
Esta foi a nossa reflexão em novembro, que se aprofunda neste tempo de Advento, tempo de ampliar o horizonte de nosso coração e preparar a Vinda de Jesus no meio de nós.
 
O Senhor vem na hora que não imaginamos. Vem para nos conduzir a uma dimensão mais bonita e maior. Então, devemos nos colocar em caminho para encontrar o Senhor (papa Francisco).
 
O 2º domingo do Advento fala de expectativa e de esperança, de coragem e perseverança. Para o jesuíta Marcel Domergue, a plenitude da vida está diante de nós, no final da nossa estrada.
 
Para nossos jovens do time Chapecoense, assim as vítimas do acidente aéreo na Colômbia; muitos, conterrâneos meus; hoje “cidadãos do céu”, suas vidas foram precocemente interrompidas.
 
Diante de tamanha tragédia, somos solidários com o sofrimento das famílias que perderam seus filhos queridos, oramos para que a comunhão e a fraternidade, apesar da dolorosa ausência, se expandam e se fortaleçam na dimensão do Corpo Místico de Cristo.
 
Na casa do Pai, um dia, toda a família se reencontrará e os laços, que aparentemente se haviam desfeito, se recomporão, assim como os fios de um tecido que nada mais poderá desgastar ou rasgar.
 
A liturgia deste domingo convida-nos a uma mudança radical de vida, porque já se aproxima o Reino, que vai transformar radicalmente as relações entre os homens (Mt 3,1-12). É o tempo do julgamento, e nada adianta ter fé teórica, pois o julgamento se baseará nas opções e atitudes concretas que cada um assume (BP).
 
Aqui estamos, pois, começando sempre a viver uma história, na qual cada instante já vem carregado com a presença do futuro. E esta é uma presença ativa e criadora, uma vez que se trata da Presença divina.
 
Se fôssemos condicionados somente por nosso passado, estaríamos, é preciso repetir, enclausurados na prisão do destino. João Batista nos anuncia o final deste percurso e a hora do balanço. Ele vê em perspectiva a vinda do Cristo, que veio já em Belém, mas que, agora, com a sua última vinda, está na vigília de nascer para o cumprimento da sua missão: proferir a palavra cortante que opera a triagem entre o bem e o mal, entre o que vale e o que nada vale.
 
Atemorizante? Não, pois somos todos portadores de palha e do bom grão: a triagem final libertará cada um de nós “do homem iníquo e fraudulento” (Sl 43) que, em nós, que somos imagem de Deus, vive como uma parasita. Tudo virá à luz, mas tudo o que vem à luz, até mesmo as nossas trevas, se torna luz (Ef 5,13; Sl 139,12).
 
Para o profeta Isaias, o advento do Reino virá através de um descendente de Davi, em quem repousa o Espírito de Deus para trazer um reino de justiça e paz (Is 11,1-10). Cabe a esse enviado construir o novo reino, de justiça e paz, em que os mais pobres serão res­peitados e libertados.
 
O Apóstolo Paulo fala da obra da reconciliação em Cristo, cujo fruto é a unidade de fracos e fortes, judeus e gentios: unidade de todos (Rm 15,4-9). Na obra salvífica de Cristo a “utopia” já teve início, como se verifica no mútuo acolhimento (Konings).
 
Na conclusão de seu discurso no 3º Encontro Mundial dos Movimentos Populares, papa Francisco pediu a todos que continuassem a combater o medo com uma vida de serviço, solidariedade e humildade em favor dos povos e especialmente daqueles que sofrem.
 
“Vocês vão errar muitas vezes, todos erramos, mas se perseveramos neste caminho, cedo ou tarde, veremos os frutos”.
 
“E insisto, contra o terror, o melhor remédio é o amor”.
 
“Quanto mais difícil o tempo, mais forte deve ser a esperança”. (Pedro Casaldáliga)
 
Interpelados pela conjuntura sociopolítica e indigenista regional e nacional, o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Regional Rondônia, reunido em sua 31ª Assembleia, sob o tema “Defesa dos territórios na atual conjuntura política”, após uma leitura crítica dos acontecimentos mais recentes no Brasil e os impactos na demarcação das terras, bem como na proteção dos territórios de invasores e grandes empreendimentos e garantia dos direitos constitucionais dos povos indígenas, reafirmou sua postura de resistência e luta pelo “Bem Viver” para todos.
 
Durante a Assembleia constatou que continua em curso o processo de violências e violações de direitos contra os povos indígenas, comunidades tradicionais, atingidos por grandes empreendimentos, camponeses e comunidades urbanas, com a crescente criminalização das lideranças e movimentos organizados.
 
O modelo econômico desenvolvimentista dissemina o aumento dos conflitos agrários, a exemplo do que ocorre no Vale do Jamari/RO, onde os assassinatos são decorrentes da disputa pela terra; invasão de todas as terras indígenas: por madeireiros, garimpeiros e loteamentos promovidos por agentes públicos, que se beneficiam de tais conflitos, e os grandes projetos econômicos que invadem os territórios indígenas, quilombolas, ribeirinhos, comunidades urbanas, em total desrespeito aos direitos constitucionais.
 
Denuncia os projetos de morte, a PEC 241/2016, que tramita no Senado com o número de PEC 55/2016, aprovada na calada da noite pelos senadores; os grandes empreendimentos projetados para a região amazônica: Ribeirão e Tabajara/RO, Teles Pires/PA e Cachuela Esperenza/Bolívia; concentração de terra nas mãos de uns poucos e as violências que sofrem diariamente os povos indígenas, comunidades tradicionais, camponesas e urbanas, com as manobras do Executivo, Legislativo e Judiciário em promover a desconstrução dos direitos garantidos na Constituição Federal de 1988.
 
Manifesta sua solidariedade aos Povos indígenas: Tupinambá/Bahia, Guajajara/Maranhão, Guarani Kaiowá/Mato Grosso do Sul e os povos que estão na luta pelo território e pelo reconhecimento étnico/Rondônia, as lideranças criminalizadas do Movimento Indígena, do Movimento Sem Terra, do Movimento Atingido por Barragens, da Comissão Pastoral da Terra e do Conselho Indigenista Missionário, que são violentados no seu direito fundamental, o direito à vida, a dignidade e a terra.
Por fim, continuará a denunciar a violência que fere os direitos dos povos indígenas, comunidades tradicionais, rurais e urbanas. Reafirma seu compromisso de se unir em favor da vida, sendo sinal profético e solidário, em defesa dos Direitos Humanos, da dignidade e dos direitos garantidos pela Constituição Federal.
 
E com o Papa Francisco reafirma seu compromisso em lutar por uma economia a serviço dos povos, no caminho da paz e da justiça e na defesa da Mãe Terra (Porto Velho, 30 de novembro de 2016).
 
Assinam os Membros do Conselho Indigenista Missionário/Regional Rondônia, entidades aliadas da Comissão Pastoral da Terra, Instituto Madeira Vivo, Movimento dos Atingidos por Barragens, Povos Indígenas: Cassupá, Puruborá e Karitiana.
 
No próximo domingo (11), a Igreja realiza a Coleta da Campanha para a Evangelização, cujo tema é: “Ele está no meio de nós”, para o exercício da solidariedade de todos os católicos no sustento da missão evangelizadora da Igreja no País.
 

Que a nossa resposta de fé seja a expressão do novo ardor missionário e de nosso entusiasmo pelo Reino de Deus e pela evangelização. 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Artigos


Tragédia e triunfo Cinta Larga em três atos
Desde que o maldito garimpo foi descoberto/impulsionado, há aproximadamente 15 anos, morreram dezenas (centenas) de pessoas. Apenas no momento mais triste, havido em abril de 2004, 29 vidas se perderam no conflito que se estabeleceu na região....


MISTÉRIO! Cada um com as mentiras que assume
Tinha semana que perdia duas cabeças… Até que um dia perdeu o boi carreiro Bandeirante, que puxava uma das carroças da sua fazenda. Amaral andou pelos alagados, passeou pelos campos procurando vestígios e carcaças, e nada. Até que adentrou numa baí...


''O grande papel do Judiciário é a proteção dos direitos fundamentais das minorias'', afirma ministro
Por mais de 30 anos, a carteira da Ordem dos Advogados do Brasil de número 37769-RJ foi a principal identificação de Luís Roberto Barroso....


Família: minoria criativa que transforma a sociedade!
Hoje acontece a abertura da Semana Nacional da Família. Nossas preces, benção e homenagens a todos os pais, de modo especial, aos pais enfermos...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::