Rondônia, - 01:46
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Notícias da Amazônia
O mercado de chocolate da Amazônia
O mercado de chocolate da Amazônia: um produto tipo exportação
Doces com matéria-prima regional movimentam empresas locais que miram no mercado externo
Publicado Segunda-Feira, 5 de Dezembro de 2016, às 07:50 | Fonte Redação A Crítica - Rebeca Mota Manaus (AM) 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=318557&codDep=38" data-text="O mercado de chocolate da Amazônia: um produto tipo exportação

  
 
 

No Amazonas, as empresas de chocolate investem nas embalagens, destacam a originalidade, a criatividade e no diferencial do produto. São produtos deste o cupuaçu, a castanha, açaí, camu-camu, araçá-boi, bacuri e buscam inovar de forma artesanal, além de  dedicação e originalidade que se faz um bom negócio.

 

O proprietário da Bombons Finos, Jorge Alberto Coelho, trabalha com a própria poupa das frutas, a padronização e com a criatividade das embalagens e um dos diferenciais é a utilização total do cupuaçu. 

 

“Nós utilizávamos parcialmente o cupuaçu na produção de embalagens, mas o percentual de aproveitamento ainda era baixo em torno de 20%. O restante era perdido ou transformado em adubo orgânico”, conta Jorge.

 

As embalagens além de não prejudicar o meio ambiente, também possibilitam a geração de emprego e renda para os amazônidas, por meio do trabalho dos artesãos de diversos municípios do estado do Amazonas. Atualmente a empresa trabalha com cerca de 200 famílias.

 

Além do reaproveitamento do cupuaçu, também são utilizados outros frutos da região na confecção das embalagens ecológicas como o ouriço da castanha, fibras do buriti, o tucumã, cipós, entre outros que são utilizados pelos artesãos.

São mais de 200 embalagens e empresa só utiliza madeiras caídas, cipós ou sementes na confecção de suas caixas de madeiras, de fibras, palhas artesanais, cuias, fibras de piaçaba, uma forma de retratar a cultura amazônica e presentear as pessoas.

 

Segundo o Gerente de Marketing, Jorge Alberto Junior, as plantações e as produções são feitas pela própria empresa, além da opção da pronta entrega. 

 

“Queríamos tornar conhecidos os frutos regionais poucos famosos como: camu-camu, araçá-boi, cubiu, taperebá. Além dos que já tem uma certa evidência como o açaí, guaraná, cupuaçu e castanha”, enfatiza Junior.

 

A Bombons Finos já está há 18 anos no mercado e conta com 6 lojas espalhadas pela capital amazonense, 200 distribuidoras, alguns vendedores e um representante em São Paulo.

 

Saiba mais

 

Classificado como o terceiro maior produtor de chocolate, o Brasil, consome em média 2,8 quilos de chocolate por ano - sendo 55% desses consumidores da classe C segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates Cacau e Amendoim (Abicab). E os volumes globais de produção de chocolate caíram 1,1% em comparação com 2015. Apesar dessa queda global na produção do doce no Brasil, os dados são outros, segundo a Euromonitor.

 

Oiram Chocolates

Com 20 anos no mercado amazonense, a Oiram Chocolates, do advogado Mário Oiram Fogaça, com mais de 72 itens desde o chocolate até licor, vinho de cupuaçu, molho de murupi e geleias. Ele investe em um produto que possa atingir todo o Brasil. 

 

“Nossa empresa é diferente na qualidade, temos prêmios classificando a qualidade do produto. Começamos apenas com o chocolate e sentimos necessidade de expandir para os demais produtos”, conta Mário. 

 

A empresa recebeu o nome de Oiram que significa o contrário do nome Mario e narrado remete aos sons indígenas. E para as embalagens o proprietário deu um toque especial, como o licor. 

 

“Nossas garrafas são personalizadas por artistas locais como Alex Marsall que tem o cuidado de retratar pinturas indígenas”, destaca Mário.

 

A empresa venceu o Prêmio PQA 2005 (Prêmio Qualidade Amazonas) sendo a primeira microempresa a receber esta premiação outorgada pela Federação das Indústrias do Amazonas. Em 2006 Adélia, sua esposa e parceira do empreendimento, recebeu o prêmio Mulher de Negócios do Sebrae em 2007, em 2012 concorreu e venceu os Premio SESI (troféu ouro) na categoria Sustentabilidade e, mais uma vez, o PQA.

 

O grande salto da empresa ocorreu em 2010, por meio do Pappe Subvenção, que proporcionou a oportunidade à empresa de desenvolver um novo produto, o Vinho de Cupuaçu.  Em 2012, a empresa iniciou pesquisas sobre lanches com insumos amazônicos, destinados à merenda escolar e canteiro de obras 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Notícias da Amazônia


Cura Milagrosa: Adolescente amazonense de 14 anos sobrevive a raiva humana; caso é o segundo no Brasil
Primeiro comunicado do ministério dava a entender que menino estava curado. Mais tarde, uma nova nota retificou e esclareceu a primeira informação....


Exército assume buscas por agricultores desaparecidos em área de conflito agrário no AM
Doze soldados estão buscando pelos trabalhadores rurais em Canutama. Polícia Civil do AM diz que enviou equipes ao local para ajudar nas buscas....


Madeireiros abrem mais de 200 km de estradas na Amazônia
O custo estimado é de R$ 1,4 milhão –cada quilômetro de terra construído na região sai em torno de R$ 7 mil....


Brasileiro Sebastião Salgado entra em Academia de Belas Artes francesa
O fotógrafo Sebastião Salgado tomou posse quarta-feira (6) na Academia de Belas Artes de Paris, na França, onde mora. Ele é o primeiro brasileiro a ocupar uma cadeira na entidade. ...

 

::: Publicidade :::

a



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE