Rondônia, - 05:22
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Artigos
Vida, Sociedade, Eleições!
Vida, Sociedade, Eleições!
Cabe aos eleitores que hoje cumprem seu dever de cidadão fazer uso do seu voto livre e limpo em vista do resgate da política como serviço ao bem comum (GS 75);
Publicado Domingo, 2 de Outubro de 2016, às 08:26 | Fonte Dom Moacyr Grechi 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=315465&codDep=33" data-text="Vida, Sociedade, Eleições!

  
 
 

Em quem votar? As eleições municipais que acontecem neste domingo são imprevisíveis em seu resultado, diante do momento que estamos vivendo e dos desdobramentos da crise política nacional.
 
Cabe aos eleitores que hoje cumprem seu dever de cidadão fazer uso do seu voto livre e limpo em vista do resgate da política como serviço ao bem comum (GS 75); encerradas as eleições, deverão acompanhar a gestão dos eleitos, mantendo o controle social sobre seus mandatos e cobrando deles o cumprimento das propostas apresentadas durante a campanha.
 
Por que o atual processo eleitoral não tem despertado a cidadania? Como pensar as nossas cidades, quais são as propostas e os debates inspiradores? Temos a impressão que o que mais falta são ideias, visões e direções a dar para as nossas cidades, responde o diretor do Ibase, sociólogo C. Grzybowski.
 
Em quem votar? Para Selvino Heck, da Coordenação Nacional do Movimento Fé e Política, as Eleições municipais costumam discutir predominantemente realidades, problemas e soluções locais. Desta vez, não há como discutir o micro, o local sem debater o global. Qual é o projeto de Nação e o projeto de desenvolvimento onde o município se insere? Como combinar as políticas públicas locais e a participação social e popular com o bem-estar geral da população e com uma visão de país e de coletivo nacional?
 
Em quem votar? Quando candidatos a prefeito possuem terras em áreas indígenas; outros são pecuaristas, latifundiários e até protagonistas diretos de episódios violentos nos últimos anos? Quando, entre 52 dos municípios que mais desmatam no Brasil, 18 madeireiros tentam ser prefeitos? E a maior parte deles já esteve envolvida em alguma denúncia relativa à extração proibida ou outro tipo de crime ambiental relacionado à madeira?
 
Apesar do reinante desinteresse, “nada vai acontecer sem fortalecer o comum que nos une em torno à cidade, sem defesa e promoção de uma cultura democrática radical da participação, da liberdade, da igualdade na diversidade, da solidariedade entre todas e todos”.
 
Na liturgia deste domingo, vamos perceber que a comunidade de fé tem um compromisso fundamental com a vida política do país.
 
O profeta Habacuc, percebendo que não mais seria possível esperar por uma solução baseada na Lei e acreditando na vitória de Deus denuncia a política injusta, os juízes corruptos e o cinismo do conquistador (Hab 1,2-3;2,2-4). O profeta lamenta pela situação do povo e implora a Deus, para que escute o clamor dos que sofrem.
 
O evangelho de hoje, é talvez o mais duro de todos: a fé cristã não reivindica nada. Ao longo de todo o caminho, Cristo nos ensina como ser cristãos: não devemos exigir nenhuma recompensa, pois nossa alegria é servir, somos amados gratuitamente por aquele que serve: Deus... Esse Deus que encontramos no outro (Lc 17, 5-10).
 
Com certeza, a fé é um dom, mas também uma escolha! O serviço é uma dimensão da fé, portanto, basta um pouco de fé para fazer grandes coisas.
 
Paulo Apóstolo nos exorta a viver a fé sem desanimar, dar testemunho de Jesus Cristo e guardar o depósito da fé. Sobretudo, na missão, ser corajoso, não olhar interesses pessoais.
 
O tema “Vida e Sociedade” abre a Semana Nacional da Vida (01-07/10), neste mês missionário de Outubro, que se encerra com o Dia do Nascituro (08/10). Nesse dia, homenageamos o novo ser humano que ainda vive no ventre materno. A Igreja propõe à sociedade o debate sobre os cuidados, proteção e a dignidade da vida humana, em todas as suas fases, desde a concepção até seu fim natural.
 
Com relação à Ação Direta de Inconstitucionalidade-ADI 5581 que tramita no Supremo Tribunal Federal-STF e questiona a lei 13.301/2016 que trata da adoção de medidas de vigilância em saúde, relativas ao vírus da dengue, chikungunya e zika, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil emitiu no dia 21 de setembro uma Nota oficial em defesa da integridade da vida.
 
Na Nota, os bispos do Conselho Episcopal Pastoral concordam que é urgente “que o Governo implemente políticas públicas para enfrentar efetivamente o vírus da zika, como, por exemplo, um eficiente diagnóstico e acompanhamento na rede pública de saúde”. No entanto, consideram estranho e indigno que se introduza nesse contexto da ADI a questão do aborto: “É uma incoerência que ela defenda os direitos da criança afetada pela síndrome congênita e, ao mesmo tempo, elimine seu direito de nascer”.
 
Nenhuma deficiência, por mais grave que seja, diminui o valor e a dignidade da vida humana e justifica o aborto. Merecem grande admiração as famílias que enfrentam com amor a difícil prova de um filho com deficiência. Elas dão à Igreja e à sociedade um precioso testemunho de fidelidade ao dom da vida (AL 47).
 
Repudiamos o aborto e quaisquer iniciativas que atentam contra a vida, particularmente, as que se aproveitam das situações de fragilidade que atingem as famílias. São atitudes que utilizam os mais vulneráveis para colocar em prática interesses de grupos que mostram desprezo pela integridade da vida humana (CNBB).
 
“Cuidar da Casa Comum é nossa missão”. Este é o tema da Campanha Missionária deste mês. O lema é “Deus viu que tudo era muito bom” (Gn 1,31).
 
Ouçamos o grito dos injustiçados, desfavorecidos, dos que sofrem. Olhemos ao redor: quem ama, cuida! Cuidemos de nossa cidade, de nosso Estado! Ouçamos o grito da terra! Sejamos os guardiões da obra de Deus, vivendo nossa missão de cuidar da vida que nos foi confiada, assumindo a defesa da vida dos povos indígenas, migrantes, quilombolas, ribeirinhos e atingidos pelas barragens!
 
Como São Francisco de Assis, cuja festa reúne e une a população de Porto Velho e Ariquemes (04/10), assumamos a Causa dos Pobres, contemplando neles a face misericordiosa de Cristo.
 
Como o papa Francisco, “alonguemos mais o olhar e abramos os ouvidos ao clamor dos outros povos” (EG 190). Orando pela Paz em Assis, o papa se encontrou com lideres religiosos, e todos se sentiram convocados para a luta que não se restringe ao âmbito da humanidade, envolvendo igualmente o planeta que habitamos, com seus dramas e cansaços, com seus anseios e esperanças.
 
“Promover a esperança e a paz” é o objetivo da visita do Papa a Geórgia e ao Azerbaijão nestes dias. É um desejo de reiterar o caminho de paz e de diálogo inter-religioso, que no Cáucaso é mais do que nunca necessário, em um momento em que toda a área é abalada pela onda do conflito sírio.
 
Ao rezar pelas populações da Síria e do Iraque, no âmbito desta sua 16ª viagem apostólica internacional, papa Francisco lembrou os sofrimentos de tantas vítimas inocentes: as crianças, os idosos, os cristãos perseguidos; as pessoas vítimas de abusos, privadas da liberdade e da dignidade; os exilados, os refugiados, quem perdeu o gosto pela vida. Rezou pelas “vítimas da injustiça e da opressão”, pelos povos em guerra e “exaustos pelas bombas”.
 
“Senhor Jesus, estendei a sombra da vossa cruz sobre os povos em guerra: que eles aprendam o caminho da reconciliação, do diálogo e do perdão; fazei saborear a alegria da vossa ressurreição aos povos exaustos pelas bombas: levantai da devastação o Iraque e a Síria; reuni sob a vossa doce realeza os vossos filhos dispersos: sustentai os cristãos da diáspora e dai-lhes a unidade da fé e do amor.”
 
Na próxima semana, vamos celebrar Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil e de todos os brasileiros. É forte a presença de Maria em todos os municípios de Rondônia: paróquias e Comunidades dedicadas a Nossa Senhora, sobretudo, Nossa Senhora Aparecida. É Festa em Alto Paraíso, Machadinho, São Carlos do Jamari, e aqui em Porto Velho, além da Balsa, no Santuário Arquidiocesano Nossa Senhora Aparecida.
 
E neste clima mariano, celebraremos Nossa Senhora do Rosário, o Círio de Nazaré e tantos outros títulos com os quais Maria é invocada e venerada.
 

Neste ano, o tema da novena de Nossa Senhora Aparecida é “O rosto misericordioso de Maria”, que está em sintonia com o Ano de Misericórdia e com a oração da Salve-Rainha. 

 

 

Leia também

 

 

OS VENTOS DA POLÍTICA NÃO SOPRAM NA DIREÇÃO DOS POBRES!

 

 

Celebramos, no último domingo de setembro, o Dia Nacional da Bíblia. A liturgia fala da insensibilidade humana e da desigualdade social.

 

O alto grau de concentração de renda entre os mais ricos é a característica marcante da desigualdade brasileira. Segundo o pesquisador do IPEA, Pedro F.de Souza, o que não mudou no Brasil foi a desigualdade, considerando dados históricos do imposto de renda, quando éramos ainda um país rural. A concentração de renda no 1% mais rico da população adulta manteve-se em patamar alto, sem nenhuma tendência clara de longo prazo. Ou seja, o bolo cresceu, mas não foi dividido.

 

O Evangelho de Lucas mostra a insensibilidade de quem vendeu a sua alma em troca de riqueza, alguém que é tão pobre que só possui dinheiro! Trata-se da parábola do rico e do pobre Lázaro (Lc 16,19-31); uma descrição do pobre e sua contrapartida, a vida de luxo e insensibilidade do rico; há entre os dois um abismo intransponível, antes e depois da morte do rico e do pobre. Na realidade, esse abismo já existia antes da morte: o abismo entre ricos e pobres, mas com a morte tornou-se intransponível, definitivo (VP).

 

Lázaro significa hoje as minorias, para muitos, descartáveis, ignoradas, sem direitos e privilégios. Minorias que vivem “em extrema necessidade, famintas, enfermas, excluídas por aqueles que lhes podiam ajudar; sua única esperança é Deus” (Ihu). Cristo desmascara a cruel injustiça daquela sociedade.

 

As classes mais poderosas e os estratos mais oprimidos parecem pertencer à mesma sociedade, mas estão separados por uma barreira invisível: essa porta que o rico não atravessa nunca para aproximar-se de Lázaro. Deus, que é Pai de todos, não pode aceitar essa cruel separação entre seus filhos.

 

Na “Comunicação Pastoral ao Povo de Deus” (doc.08/CNBB, 1976), ocasião em que “fatos abalavam o povo e a Igreja”, os bispos alertavam “só os grandes e poderosos é que tem direito” e “o pequeno deve ter só o estritamente necessário para continuar vivendo e servindo ao poder” e “no momento em que ele se recusar a servir ou começar a ser uma pedra no sapato do grande ele deve desaparecer, sua terra ser invadida sua choupana ser desapropriada ou destruída”. Contudo, “a exemplo de Cristo, o grande defensor dos direitos humanos”, a Igreja “não pode fechar os olhos ante a grave situação de insegurança que vivem os pequenos, não pode ficar indiferente à espoliação dos povos indígenas expulsos de suas terras, não pode ignorar os desenraizados”, pois, “Cristo se faz presente e visível nestas pessoas”.

 

Ao ser entrevistado no programa Roda Viva da TV Cultura (1989), reafirmei a posição da Igreja, “se a Igreja não denunciar fatos tais, se não alertar a opinião pública dos seus fiéis, inclusive exigindo uma definição, ela está traindo sua missão, porque ela também tem uma missão profética”. Temos assassinatos, nomes, sobrenomes, local, possíveis mandantes. Há um assassinato, e ele é seletivo: se assassinam lideranças, advogados que lutam pelos povos indígenas, pelos trabalhadores posseiros; se assassinam políticos. A coisa é planejada, se quer acabar com a organização.

 

Eu era da convicção que eu não deveria me envolver com a problemática social, que não tocava a mim. No máximo eu devia cuidar de pobres. Nós temos lá um hospital para hansenianos; temos hospitais para pobres; escolas ao longo dos rios para alfabetizar; mas esse compromisso mais direto com a problemática social eu não o sentia. E foi diante de fatos lamentáveis... prisões arbitrárias, espancamentos; e o povo cobrando de mim; o povo confiava no bispo. Em certo momento, eu senti o que um velho de mais de 80 anos me disse: “Se eu tivesse a sua idade, eu já estaria lá”. Eu senti uma profunda vergonha, e foi aí que eu comecei entrar em contato com essa realidade dos seringais, dos fazendeiros, e percebi quanta corrupção, quanta violência, quanta mentira estava nessa situação. Eu comecei a acordar ali; houve uma mudança muito grande, principalmente na dimensão social estrutural. Não tanto o pobre, os pobres em si, mas a fábrica de pobres que essa nossa organização de sociedade produz, e percebi que o caminho não era só tentar fazer hospital, ou creche; era apoiar o povo na sua organização para mudar essa situação.

 

Dessa forma, hoje, não podemos nos conformar com a situação vergonhosa do país quando “medidas antissociais e antinacionais” são elaboradas; “direitos da classe trabalhadora e dos aposentados” estão sendo feridos; “programas sociais, sorrateiramente vão sendo esvaziados, apesar de enganosas declarações de que o social não será tocado, mas inclusive incrementado”. É hora, aponta o amigo e sociólogo Luiz Alberto Gomez de Souza, desde já, de mobilização e de não ceder ao pessimismo, hora de olhar adiante, com criatividade e numa grande aliança na solidariedade com o Brasil e seu povo.

 

Cada dia os ventos da política sopram numa direção, analisa o sociólogo Pedro Ribeiro de Oliveira, do ISER, que sempre acompanhou nossas Comunidades Eclesiais de Base no Brasil e a Coordenação Nac. do Movimento Fé e Política. Vivemos um momento “de pressão externa” que age no sentido de tornar a economia brasileira mais subserviente aos interesses das grandes corporações e tem peso maior do que os atores políticos que aparecem nos noticiários, embora não seja fácil detectar exatamente onde e como influem. Tudo indica que estamos vivendo a segunda tentativa de encerrar o projeto desenvolvimentista brasileiro e reforçar a dependência neocolonial. Esperamos e lutamos, “para abortar essa tentativa antipopular e antinacional, porque ainda estamos no primeiro tempo do jogo e nada está definido”.

 

Apesar do silencio da CNBB, a Igreja da base, para Pedro Ribeiro, não deixou de ser protagonista, porque os leigos atuam em muitos movimentos sociais e políticos, embora esse setor não tenha a mesma relevância de outros tempos.

 

Aos que não se importam pela situação de gritante desigualdade do povo brasileiro, “Puebla, após reconhecer a brecha crescente entre ricos e pobres como um pecado social e compreender que no rosto do pobre reconhecemos o rosto do Cristo sofredor, nos interpela, afirmando a necessidade de conversão de toda a Igreja para a opção preferencial pelos pobres”.

 

O papa Bento XVI, no discurso inaugural da Conferência de Aparecida, retomando a opção pelos pobres, indica nova etapa no aprofundamento dessa opção, afirmando que o Deus revelado em Jesus de Nazaré é “o Deus de rosto humano; é o Deus-Conosco, o Deus do amor até a cruz”. Somos chamados a contemplar nos rostos sofredores de tantos Lázaros, nossos irmãos, o rosto de Cristo que nos chama a servi-lo neles: ‘Os rostos sofredores dos pobres são os rostos sofredores de Cristo’. Eles interpelam o núcleo do agir da Igreja, da pastoral e de nossas atitudes cristãs. Tudo o que tem a ver com Cristo tem a ver com os pobres e tudo o que estiver relacionado com os pobres está relacionado com Jesus Cristo: ‘Todas as vezes que vocês fizeram isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizeram’ (Mt 25,40; DAp 393).

 

Para Pe. Benedito Ferraro, da PUC de Campinas, a vida de Jesus de Nazaré foi inteiramente voltada para a libertação dos pobres de seu tempo e pode ser resumida na expressão do Bom Pastor: “Eu vim para que todos tenham vida e tenham vida em abundância” (Jo 10,10). A opção pelos pobres e excluídos de nosso continente é a marca de nossa Igreja latino-americana e tem o selo dos nossos mártires que, por amor aos irmãos e irmãs, deram seu sangue como Jesus o fez em favor da vida de todos.

 

Em defesa da ordem constitucional e contra mais um golpe às instituições democráticas, renomados professores da Unicamp, USP e outras (dentre eles, pe. Ferraro), emitiram uma Nota pública em defesa da ordem constitucional, em desagravo ao professor e economista Guido Mantega, no momento em que a ordem pública brasileira vem sendo ameaçada sistematicamente por aqueles que deveriam protegê-la.

 

A Nota diz que o episódio da prisão do professor levou o arbítrio a novos limites e que o direito ao protesto coletivo vem sendo coibido por intervenções provocativas, abusivas e desproporcionais por parte da Polícia, como se a velha política das ditaduras estivesse de novo às soltas. Ano a ano, cidadãos brasileiros invisíveis são conduzidos coercitivamente a depoimentos, ou algo pior, sem serem intimados pela justiça. O combate à corrupção não pode ser um pretexto para corromper a Constituição, autorizar a perseguição política e inflar vaidades de juízes, procuradores e policiais.








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Artigos


Respeite-se a Constituição
Inúmeros brasileiros vivem uma ficção, a supor que se trate da própria realidade. Eles acreditam que, derrubado o governo de Dilma Rousseff, o destino voltará a sorrir. E que a corrupção é o mal maior, de exclusiva marca petista. ...


Osmar Silva: o meu 13 de setembro
Eu gostava do 13 de setembro, quando se comemorava o aniversário do Território Federal de Rondônia. O jornal O Parceleiro festejava a data com edição especial bem planejada e editorialmente bonita. Capa trabalhada, matérias especiais com pioneiros ...


O GENRO DE DONA PALMIRA
Conheci o Sérgio Melo pouco tempo depois de ter chegado em Rondônia. E nem sabia que ele era jornalista, até dona Palmira me perguntar se o conhecia....


Os suplícios da carne
A carne vermelha é o suspeito habitual. Volta e meia surgem inquéritos populacionais que a acusam de provocar ataques cardíacos, derrames cerebrais, câncer e outros achaques menos populares....

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE