Rondônia, - 22:02
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Artigos
Dom Moacyr: Pessoa e sociedade!
Dom Moacyr: Pessoa e sociedade!
Incentiva, diante da crise ética, a busca de novos padrões éticos, que levem a comportamentos moralmente corretos e socialmente construtivos, e traz a contribuição da ética cristã, em consonância com o Magistério da Igreja universal...
Publicado Domingo, 24 de Julho de 2016, às 09:25 | Fonte Gente de Opinião 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=312647&codDep=33" data-text="Dom Moacyr: Pessoa e sociedade!

  
 
 

O documento “Ética: Pessoa e Sociedade”, aprovado na Assembleia Geral da CNBB de 1993, expressa posicionamentos fundamentais da Igreja a fim de resgatar os valores éticos em todos os níveis da vida nacional.
 
Incentiva, diante da crise ética, a busca de novos padrões éticos, que levem a comportamentos moralmente corretos e socialmente construtivos, e traz a contribuição da ética cristã, em consonância com o Magistério da Igreja universal, para uma renovação da consciência pessoal e pública (n.2).
 
Válida e atual a sua leitura nos dias de hoje, inclusive a manifestação de nossa solidariedade com tantas pessoas que “têm fome e sede de justiça” (Mt 5,6) e que procuram corajosamente ser fiéis aos valores humanos e evangélicos, mas sofrem pela crise ética da nossa sociedade (n.1).
 
Ao tratar da crise ética da sociedade brasileira, o doc.50 da CNBB afirma que nossa sociedade ficou decididamente marcada pela desigualdade e diversidade étnica, geradoras de um dualismo ético. Há uma elite dominante, que explora o trabalho, usa da violência, ostenta luxo, despreza e oprime as culturas indígena e africana. Há os dominados, com sua ética popular, com seu jeito próprio de sobrevivência e conservando a alegria, mesmo nas mais duras condições de vida (n.40).
 
A economia escravagista deixou como herança um ethos da Casa-Grande, com sua arrogância do poder. Esse ethos atribui aos poderosos privilégios e mordomias. Ignora o princípio moderno da igualdade perante a lei. O poderoso teria direito a tirar proveito do seu poder, independentemente de critérios da lei e da justiça, mesmo se isto comportar que a coisa pública seja reduzida a propriedade quase privada, subordinada aos interesses particulares (n.41-45).
 
Entre os dois extremos, foram se introduzindo novos comportamentos, com o suporte de novas condições sociais. A colonização baseada em pequenas propriedades conservou uma forte marca religiosa, regendo o comportamento ético. A formação de novas classes médias leva a manifestações de indignação e de protesto por parte destas contra o comportamento dos poderosos (n.42-45).
 
Ao propor caminhos de uma nova ética, o documento trata da ética da solidariedade. A experiência ética é uma experiência que toda pessoa humana, que chegue ao desenvolvimento de suas faculdades, faz e não pode deixar de fazer (n.65-70).
 
Fazer o bem é, antes de tudo, dar prioridade efetiva às exigências do ser humano. Estas não são apenas as necessidades materiais, relativas à sobrevivência, mas também as aspirações profundas, voltadas para a realização da dignidade e do destino transcendente das pessoas. Isto parece constatado historicamente, na medida em que a extensão dos grupos humanos e de sua organização política fez crescer também a consciência de que agir bem é procurar o bem de todos os seres humanos em todas as suas dimensões.
 
Por esta razão o ser humano só conquista a sua realização onde, em liberdade e responsabilidade, as pessoas reconhecem mutuamente sua dignidade, constituindo uma comunidade igualitária: é pela mediação dos outros que cada homem se constitui sujeito livre e responsável, de tal modo que qualquer forma de dominação do homem sobre o homem frustra o processo histórico de conquista da humanidade do homem (n.78-79).
 
Hoje, a crise política de nosso país revela a privação dos poderes conquistados pelo voto popular nas últimas eleições presidenciais. A desconstrução e o desmonte social estão sendo operacionalizados por políticos “ficha suja” e notadamente comprometidos com a corrupção.
 
É hora, afirmam nosso assessor Pe Luiz Ceppi e o teólogo Leonardo Boff, de se refundar como sociedade de cidadãos criativos e conscientes de seus valores. Hora de resistir, organizar e restaurar a democracia.
 
O Evangelho deste domingo nos propõe a solidariedade através da oração do cristão (Lc 11,1-13). No Pai Nosso Jesus ensina seus discípulos, e a todos nós, a rezar primeiro para que o nome de Deus seja santificado (isto é, para que Deus encontre reconhecimento no mundo) e seu reino venha. Rezamos pelo pão de cada dia, pelo perdão (pois somos eternos devedores) e para ficar incólumes na tentação.
Pedir é cultivar nossa fé, nossa confiança filial, é deixar “crescer Deus”, como nosso Pai, em nossa consciência e em toda a nossa vida (VP).
 
A oração de Abraão, da viúva e do vizinho nos ensina uma coisa importante: pedem coisas com que Deus se possa comprometer. Parece que pedem a Deus o que, no fundo, ele mesmo deseja (Gn 18,20-32). Esse é o segredo da oração eficiente (Konings).
 
Para o Apostolo Paulo, em Cristo existe uma comunhão entre todos os que buscam a fonte da vida, Deus (Cl 2,12-14). Essa comunhão de vida faz que Cristo nos redima. Desde que participemos da vida que ele viveu podemos dizer que a santidade de Cristo salda nossas dívidas, e sua morte por amor supre nossa falta de amor (com a condição de nos arrependermos).
 
Para papa Francisco, “a pedra angular da oração é o Pai”. Se não formos capazes de iniciar a oração com esta palavra, a oração não vai dar certo:
 
“Pai”. É sentir o olhar do Pai sobre mim, sentir que aquela palavra “Pai” não é um desperdício como as palavras das orações dos pagãos: é um chamado para Aquele que me deu a identidade de filho. Este é o espaço da oração cristã: sempre começando com “Pai” e na consciência de que somos filhos e que temos um Pai que nos ama e que conhece todas as nossas necessidades. Este é o espaço.
 
Jesus refere-se ao perdão do próximo como Deus nos perdoa. “Se o espaço da oração é dizer Pai, a atmosfera da oração é dizer ‘nosso’: somos irmãos, somos uma família”. ‘Pai’ e ‘nosso’: nos dão a identidade de filhos e nos dão uma família para “caminhar” juntos na vida”.
 
De 26 e 31 de julho, será realizada a Jornada Mundial da Juventude na terra de João Paulo II, com a presença do papa Francisco. Cracóvia tem um significado mais que especial para a juventude católica. É a terra de Karol Wojtyla, o papa que mudou a história do mundo, que levou Cristo aos confins da Terra e conquistou povos de diferentes culturas. Acompanhando nossos jovens, vivamos este momento de esperança orando pela paz no mundo.
 
Nestes dias fazemos memoria da JMJ do Rio (julho/2013) e do Intereclesial de Porto Velho (12º/julho.2009). Preparando-nos para a Romaria Missionaria e Vocacional das Capelinhas (07/08) e para o Encontrão das CEBs do Nortão (26-28/ 08), oramos com Dom Antonio Possamai, que preparou-nos esta oração:
 
Deus, nosso bom Pai, nós, vossos filhos e filhas, estamos realizando o encontro das Comunidades Eclesiais de Base de toda a Amazônia. Acreditamos que as CEBs são a forma que vosso Espírito nos infundiu para sermos Igreja como comunidades. Acreditamos que elas são a forma para evangelizar e viver inseridos na sociedade e nela exercer o profetismo e o compromisso para a transformação da realidade à luz do Evangelho.
 
Pedimos perdão porque não somos capazes de ser uma Igreja em saída, presente e atuante em todas as realidades do mundo. Queremos Vos agradecer porque muitos missionários acreditam nas CEBs nesta região Amazônica. Sabemos que nossa Igreja da Amazônia necessita urgentemente de evangelizadores ousados e criativos. E estamos conscientes que atualmente as Comunidades Eclesiais de Base são a forma de gerar estes evangelizadores. Reconhecendo nossas limitações, pedimos:
 
Que elas se multipliquem e continuem sendo verdadeiras escolas que formam discípulos missionários. Que elas, na força da fé, continuem sendo testemunhas de entrega generosa à causa da libertação deste povo oprimido, explorado e descartado. Que sejam capazes de reafirmar e dar novo impulso à vida e à missão profética da nossa Igreja. Que tenham a Palavra de Deus e a Eucaristia como fontes de sua espiritualidade e vivam em comunhão com seus legítimos pastores.
 
Pedimos que elas sejam força revitalizadora das paróquias deste nosso Nortão.
 
Que sejam a presença da Igreja junto aos mais simples, aos descartados e excluídos. Que tenham a força para se fazerem presentes no campo, nas periferias e nos centros das nossas cidades. Que sejam uma presença profética que denuncie uma Igreja de massas e de ostentação e anunciem a urgência de uma Igreja simples, pobre e para os pobres. Que sejam CEBs que lutam pela justiça.

Amém. 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Artigos


Domingueira da Nova Economia - por Confúcio Moura
Sei que tudo vai mudando com o passar dos anos. E o homem obrigatoriamente muda ou é extinto. E agora, chegou a época da reinvenção de tudo. A prova é o iphone (celular). Todo mundo tem um. E fica agarrado nele grande parte do dia. ...


Baixo número de inquéritos mostra ''colapso'' de órgãos de segurança e controle
O número baixo de inquéritos policiais abertos no Brasil e o consequente montante reduzido de ações propostas pelo Ministério Público coloca em discussão várias maneiras de melhorar a investigação e a ação penal no país....


Artigo: Feliz 2019 - por: Silvio Persivo
Bem, verdade seja dita, não gosto muito de chegar no Natal, no fim de ano, falando de coisas horrorosas, mas, me digam, como não falar, como não escrever sobre as tristezas de um país sem rumo, de um ano horroroso, que termina de forma mais melancó...


Nós Mulheres, e a Mamografia
Em torno dos seios femininos havia uma mística que muito fascinava os rapazes e os homens em geral; afinal, antigamente as mulheres não saíam exibindo seus dotes físicos como hoje...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::