Rondônia, - 15:05
Últimas Política Amazônia Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - Artigos
artigos
Banalização das prisões preventivas
A situação tem sido tão alarmante que recentemente, considerável número de promotores e procuradores de todo país, preocupados com a banalização na aplicação das prisões preventivas, muitas vezes desnecessárias, e que maculam o ordenamento jurídico
Publicado Quinta-Feira, 23 de Junho de 2016, às 08:10 | Fonte José Francisco Cândido 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=311781&codDep=33" data-text="Banalização das prisões preventivas
  
 
 

A prisão preventiva foi assegurada pela legislação para situação de excepcionalidade, constituindo assim no sistema processual penal, medida extrema para garantir a ordem pública e econômica, por conveniência da instrução, ou para assegurar a aplicação da lei penal, diante de prova da existência de crime e de indícios suficientes de autoria.
A matéria é delicada por se tratar de restrição de um direito fundamental, que é a liberdade da pessoa humana e, bem por isso, deve, ou deveria, sempre ser vista como medida de exceção.Todavia, vivemos momentos em que as decisões neste sentido têm fugido à excepcionalidade e praticamente se tornado regra, antecipando cumprimento de pena por delito que, ao final, pode ou não ser objeto de condenação, afrontando a presunção da inocência e aniquilando o princípio da ampla defesa e impondo outro, que poderia ser intitulado de “ampla e irrestrita acusação”.
 
A situação tem sido tão alarmante que recentemente, considerável número de promotores e procuradores de todo país, preocupados com a banalização na aplicação das prisões preventivas, muitas vezes desnecessárias, e que maculam o ordenamento jurídico e os direitos fundamentais constitucionalmente previstos, firmaram nota repudiando o abuso nos pedidos e deferimentos delas.
 
Não se pode distanciar do entendimento de que o momento exige rigor, mas nem por isso, atos arbitrários se justificam. Longe de defender aqui, em nome desses valores (presunção da inocência – direito à ampla defesa), qualquer relaxamento na apuração de fatos delituosos, mas apegado sobretudo à função da Policia, do Ministério Público e do Judiciário, na efetiva e justa apuração dos supostos crimes, não só para condenar, mas também para absolver eventuais inocentes que venham ser apontados de forma indevida, evitando julgamentos antecipados e impondo punições precipitadas antes da efetiva condenação.
 
Com total respaldo na legislação, medidas podem ser adotadas, dentro de uma proporcionalidade que não implique em cumprimento antecipado de pena, como aquelas elencadas no artigo 319 do Código de Processo Penal, como determinar comparecimento periódico em juízo, proibições de manter contato e acesso a determinados lugares, não se ausentar da comarca sem autorização judicial, monitoramento eletrônico e recolhimento domiciliar, figurando assim o recolhimento em estabelecimento prisional como última e extrema medida a ser adotada.
 
Preocupadas com as lotações de prisões por pessoas pendentes de julgamentos, as autoridades brasileiras foram signatárias do “Pacto de San José da Costa Rica”, gerando como conseqüência as chamadas “Audiências de Custódia”, determinando a necessidade do comparecimento de imediato do preso à presença da autoridade judiciária. Desta forma, os juízes podem avaliar a necessidade ou não de manter a pessoa presa e ainda a possibilidade de substituir a prisão por medidas cautelares menos graves.
 
Infelizmente, o que se observa é que a norma aprovada pela Convenção Interamericana de Direitos Humanos, apesar de adotada no Brasil, está sendo realizada meramente com a finalidade de dar legalidade ao procedimento, sem, no entanto, atender o de mais essencial, que é a análise da existência ou não da extrema medida representada pela prisão preventiva.
 
Autor: defensor público aposentado José Francisco Cândido, ex-Defensor Público-Geral do Estado de Rondônia.
 

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Artigos


Nenhuma vítima de estupro é santa!!
Até hoje nunca ouvi falar que uma vítima de estupro é santa, nunca. Tudo que minha experiência me apresentou foram mulheres, seres humanos, com defeitos, fraquezas, mas também com muitas qualidades e sonhos. ...


Não ao caminho da exclusão social! Por Dom Moacyr Grechi
A sequência de temas desde domingo passado: Água, Luz, Vida, tem sintonia com os temas batismais e pascais desse período. Em nossa caminhada quaresmal estamos avançando na direção da vida nova, do novo nascimento do batismo, que é também iluminação...


Batizada de ''Carne Fraca'', a operação da PF alcança apenas uma parte de uma indústria envolvida em vários outros crimes
Parte dos pecuaristas brasileiros rejeita a ideia de certificação e selagem, que aumentaria a segurança do consumidor. Alegam que isso custaria mais caro....


A imprensa paulista de 1932 é precursora do PIG?
Artigo do jornalista Oscar Pilagallo, que escreveu a história dos meios de comunicação de São Paulo, revela que jornais se transformaram em trincheiras contra Getúlio ...

 









 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE