Rondônia, - 10:51

 

Você está no caderno - POLÍTICA
Política
Dilma recebe apoio de Nobel da Paz de 1980 contra impeachment
Publicado Sábado, 30 de Abril de 2016, às 06:58 | Fonte Do G1, em Brasília 0

 
 

 

A presidente Dilma Rousseff recebeu, no Palácio do Planalto, o prêmio Nobel da Paz de 1980, Adolfo Esquivel (Foto: José Cruz / Agência Brasil)

 

 

A presidente Dilma Rousseff se reuniu na manhã desta quinta-feira (28) com o argentino Adolfo Pérez Esquivel, vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 1980. Ao chegar ao Palácio do Planalto, Esquivel não quis conceder entrevista à imprensa, mas adiantou que o encontro serviria para ele manifestar apoio a Dilma contra o processo de impeachment.

 

Arquiteto, escultor e militantes de direitos humanos, o argentino foi autorizado a fazer o discurso pelo senador Paulo Paim (PT-RS), que presidia a sessão de debates do Senado no início da tarde desta quinta. Esquivel ganhou o Nobel da Paz por conta de seu trabalho como coordenador, na década de 1970, da fundação do Servicio Paz y Justicia en América Latina (Serpaj-AL) na cidade colombiana de Medelin. À época, a fundação difundiu o combate aos regimes militares da América do Sul por meio da "não-violência ativa".

 

Se o plenário do Senado decidir acompanhar um eventual posicionamento da comissão especial pelo impeachment, a presidente Dilma deverá ser afastada por até 180 dias e, neste período, o vice Michel Temer assumirá a Presidência da República.

 

Após o encontro, que durou cerca de 40 minutos no Planalto, Esquivel afirmou que a reunião serviu para ele levar “solidariedade e apoio” à presidente Dilma em razão do atual cenário político do país. Para ele, é “muito claro” que está em curso no Brasil um “golpe de Estado, encoberto sobre o que podemos chamar de golpe branco”.

 

Esquivel comparou ainda o impeachment que Dilma enfrenta no Congresso aos processos de destituição dos ex-presidentes do Paraguai Fernando Lugo, em 2012, e de Honduras Manuel Zelaya, em 2005.

 

“Dissemos à presidenta que viemos dar solidariedade e apoio a ela e para que não se interrompa o processo constitucional no Brasil porque isso seria, não só para o povo brasileiro, mas para toda a América Latina, um retrocesso muito grave”, afirmou o vencedor do Nobel da Paz.

 

O pedido de afastamento da presidente está sob análise na comissão especial no Senado. O relator, Antonio Anastasia (PSDB-MG), tem de apresentar um parecer sugerindo a continuidade ou não do processo de impeachment de Dilma. Caberá, então, ao colegiado decidir se aprova ou rejeita o relatório e, ao plenário do Senado, optar se acompanha ou não a decisão da comissão especial.

 

Eventos de apoio à presidente

 

Nas últimas semanas, Dilma organizou diversos atos com grupos contrários ao processo de imepachment. A presidente recebeu no Palácio do Planalto, por exemplo, juristas, movimentos sociais, artistas, intelectuais, mulheres e estudantes que não veem base legal para o impeachment.

 

Em todos esses atos, a presidente enfatizou a tese de “golpe” e se disse vítima de “farsa” e “traição” cometidas pelos “chefe e vice-chefe do golpe”, em uma referência a Eduardo Cunha e o vice-presidente Michel Temer.

 

Além de eventos no Planalto, Dilma também aproveitou discursos em outros atos, como a Conferência Nacional de Direitos Humanos, nesta quarta, para se defender. Desde o ano passado, o governo tem argumentado que Cunha só acolheu o pedido de impeachment porque o PT decidiu votar a favor da abertura de um processo contra o peemedebista no Conselho de Ética da Câmara.

 







Veja também em POLÍTICA


PF apreende R$ 300 mil e carros de mil de investigados da Lava Jato
...


Janot diz que nomeação de Lula para ministério 'é problema dele'
...


Como Dilma não tem vergonha na cara, vai ter de sair por impeachment, diz tucano
...


Marun diz que não se cogita afastamento do diretor-geral da PF
...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News