Rondônia, - 18:13

 

Você está no caderno - Artigos
A Família e a prática da justiça!
A Família e a prática da justiça!
O Encontro Mundial das Famílias, que acontece na Filadélfia com a presença do papa Francisco tem como tema: “O amor é a nossa missão: a família plenamente viva”, em sintonia com o tema do próximo Sínodo: “A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo”.
Publicado Domingo, 20 de Setembro de 2015, às 07:38 | Fonte Dom Moacyr Grechi 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=297713&codDep=33" data-text="A Família e a prática da justiça!

  
 
 

Importantes acontecimentos marcam a vida da Igreja de setembro a dezembro: a viagem do papa Francisco a Cuba e aos Estados Unidos com destaque ao 8º Encontro Mundial das Famílias (22-27/09) e a visita à sede da ONU em seu septuagésimo aniversário; o Sínodo sobre a Família (04-25/10) que envolve as dioceses de todos os países em sua preparação; a visita do papa à África (novembro); a abertura do Jubileu da Misericórdia (8/12).
 
O Encontro Mundial das Famílias, que acontece na Filadélfia com a presença do papa Francisco tem como tema: “O amor é a nossa missão: a família plenamente viva”, em sintonia com o tema do próximo Sínodo: “A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo”.
 
O documento de trabalho (Instrumentum Laboris) para o Sínodo da Família, que foi apresentado em junho deste ano, contempla a nova consulta a todas as dioceses na sequência da assembleia de 2014; sublinha a importância das famílias na sociedade e na Igreja, com uma abordagem de “misericórdia” pelas que vivem maiores dificuldades; retoma as preocupações com divorciados, natalidade e defesa da vida. Na Introdução, o documento destaca “a fidelidade generosa com a qual tantas famílias cristãs respondem à sua vocação e missão”, apesar dos “obstáculos, incompreensões e sofrimentos”.
 
Não obstante os numerosos sinais de crise da instituição familiar nos vários contextos da aldeia global, o desejo de família permanece vivo, de forma especial entre os jovens, motivando a Igreja a anunciar com profunda convicção o Evangelho da família, que lhe foi confiado mediante a revelação do amor de Deus em Jesus Cristo e ensinado pelos Mestres da espiritualidade e pelo Magistério da Igreja. Para a Igreja, a família, é missionária e deve novamente se descobrir como protagonista da evangelização.
 
O Sínodo, assim como o Encontro Mundial da Família, quer anunciar o valor e a beleza da família; expressar seu significado de sociedade natural fundada sobre o matrimônio, abençoada pelo Senhor no sacramento nupcial; preciosa como “escola de humanidade” (GS 52), de sociabilidade, de experiência eclesial e de vida de fé. Para Dom Bruno Forte, secretario especial do Sínodo, o documento de trabalho afirma um princípio que, para o cristão, deveria ser óbvio e basilar: o respeito a cada pessoa e o compromisso da Igreja para oferecer acompanhamento a todos, em vista da maior integração possível, na verdade e com caridade.
 
Ao pedir orações pelo bom êxito do sínodo, papa Francisco invoca do Espírito Santo, o dom da escuta aos padres sinodais: escuta de Deus, até ouvir com Ele o grito do povo; escuta do povo, até respirar nele a vontade de Deus que nos chama.
 
A liturgia de hoje fala da “sabedoria de Deus”, atitude daqueles que assumiram as propostas de Deus e se deixam conduzir por elas; mostra o conflito aberto entre a prática da justiça e a injustiça que se tornou norma regedora das relações sociais. Quem escolhe a “sabedoria de Deus”, não tem uma vida fácil (Sb 2,12.17-20); é perseguido, caluniado, desacreditado.
 
Mas quem são estes perseguidores injustos? São caracterizados pelo próprio texto com base em suas ações: eles oprimem o justo empobrecido; não poupam a viúva nem respeitam o velho; agem com prepotência; manipulam a Lei, pela força e violência; impõem a injustiça como norma. O justo rompe com eles, e, para sua defesa, chama em causa o próprio Deus (VP).
 
A eliminação de pessoas que lutam pela justiça levanta uma questão importante: onde Deus se posiciona em meio a esse conflito? O tema do justo perseguido e conduzido à morte é ponto de partida para entendermos o evangelho deste domingo: “O Filho do homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará” (Mc 9,30-37).
 
O caminho de Cristo e de seus seguidores não é um caminho de glória, êxito e poder; é o contrário: conduz à crucifixão e à rejeição, apesar de que terminará em ressurreição. Enquanto Jesus fala de entrega e da cruz, seus discípulos falam de suas ambições: Quem será o mais importante do grupo? Quem ocupará o posto mais elevado? No entanto, para seguir seus passos, precisamos aprender duas atitudes fundamentais: “Se alguém quer ser o primeiro, deverá ser o último, e ser aquele que serve a todos”. No grupo (comunidade) de Jesus ninguém está acima dos outros, mas deve ser como Ele: “servidor de todos”.
 
Compreendemos a segunda atitude quando Jesus coloca uma criança no centro do grupo e diz: “Quem receber em meu nome uma destas crianças, estará recebendo a mim; e quem me receber, não estará recebendo a mim, mas àquele que me enviou”. Uma Igreja que acolhe os pequenos e indefesos está ensinando a acolher a Deus. Uma Igreja que olha para os grandes e se associa com os poderosos da terra está pervertendo a Boa Nova de Deus anunciada por Jesus (A.Pagola).
 
O apostolo Tiago nos conduz pelo caminho da sabedoria qualificando-a como pura, pacífica, indulgente, conciliadora, cheia de misericórdia e bons frutos, sem parcialidade, sem fingimento (Tg 3,16–4,3). Portanto, sábia é a pessoa autêntica e leal, que promove a paz e a justiça, é misericordiosa, procura conciliar, é imparcial e transparente (VP).
 
Estamos nos preparando para o Ano Santo dedicado à misericórdia, convocado pelo Papa Francisco de 8 de dezembro de 2015 a 26 de novembro de 2016, no qual “somos chamados a viver de misericórdia, porque conosco, em primeiro lugar, foi usada a misericórdia”.
 
Ser justo e misericordioso hoje significa estar atento aos outros, aos seus sofrimentos, as suas feridas e necessidades. Ter olhos abertos e não fazer parte da globalização da indiferença.
 
A justiça é o mínimo da misericórdia, é o mínimo daquilo a que somos obrigados a dar aos outros, porque é o seu direito, mesmo que às vezes não sejamos nem isso. A misericórdia pressupõe essa justiça e vai além, como o bom samaritano. E isso muda o mundo. A justiça é o pressuposto da misericórdia, mas a misericórdia vai muito além, como fundamenta o papa Francisco na Bula Misericordiae Vultus:
 
Se Deus Se detivesse na justiça, deixaria de ser Deus; seria como todos os homens que clamam pelo respeito da lei. A justiça por si só não é suficiente, e a experiência mostra que, limitando-se a apelar para ela, corre-se o risco de destruí-la. Por isso Deus, com a misericórdia e o perdão, passa além da justiça. Isto não significa desvalorizar a justiça ou torná-la supérflua. Antes pelo contrário! Quem erra, deve descontar a pena; só que isto não é o fim, mas o início da conversão, porque se experimenta a ternura do perdão.
 
Deus não rejeita a justiça. Ele engloba-a e supera-a num evento superior onde se experimenta o amor, que está na base duma verdadeira justiça. Devemos prestar muita atenção àquilo que escreve Paulo, para não cair no mesmo erro que o apóstolo censurava nos judeus seus contemporâneos: “Por não terem reconhecido a justiça que vem de Deus e terem procurado estabelecer a sua própria justiça, não se submeteram à justiça de Deus; é que o fim da Lei é Cristo, para que, deste modo, a justiça seja concedida a todo o que tem fé” (Rm 10,3-4).
 
Esta justiça de Deus é a misericórdia concedida a todos como graça, em virtude da morte e ressurreição de Jesus Cristo. Portanto a Cruz de Cristo é o juízo de Deus sobre todos nós e sobre o mundo, porque nos oferece a certeza do amor e da vida nova.
 
Para ser capazes de misericórdia, devemos primeiro pôr-nos à escuta da Palavra de Deus. Isso significa recuperar o valor do silêncio, para meditar a Palavra que nos é dirigida. Deste modo, é possível contemplar a misericórdia de Deus e assumi-la como próprio estilo de vida.
 
Ao povo cubano, o papa disse: venho até vocês “como missionário da misericórdia e da ternura de Deus”. Venho “visita-los para compartilhar a fé e a esperança, para que nos fortaleçamos mutuamente no caminho de Jesus”.
 

Nesta semana abençoada e na alegria do Evangelho, vivamos a experiência solidária das pequenas comunidades cristãs, na certeza de que não estamos sozinhos quando enfrentamos todo tipo de dificuldades e de que não é vã a nossa luta. “A vida no Corpo de Cristo é destinada para ser vivida como membros interdependentes, que constroem uns aos outros no amor”, pois juntos podemos ser misericordiosos, curar e viver de tal forma que poderia parecer impossível. A palavra de Deus, os ensinamentos, os sacramentos e a comunidade eclesial existem para ajudar nossa caminhada. 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em Artigos


A violência já atinge a cracolândia da capital
A onda de violência que atinge a periferia de Porto Velho começa a migrar com maior frequência no ambiente habitado pelos mendigos e.....


Os novos estão em guerra contra os políticos tradicionais
Séculos de desigualdades Por suas amplas qualidades e potenciais, a Amazônia concentra as esperanças do mundo em que aqui se concretize.....


Votos nulos beneficiam siglas atoladas na Lava Jato
Uma análise feita pela equipe de pesquisa do instituto Data Folha precisa ser muito bem avaliada pela população que está com a.....


Os ventos estão soprando contra os políticos tradicionais
O exemplo de Rondônia Não se pode ignorar que o atraso piorou com o impacto da crise mundial detonada em 2008, a marolinha que virou.....

 

ADS NEWS 2

ADS NEWS 3


:: Publicidade :::


 
 
 
 
EMRONDONIA.COM