Rondônia, - 19:48
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Notícias da Justiça e do Direito
GRITOS E INSULTOS
Danos Morais: Empregada chamada de gorda e incompetente receberá R$ 50 mil
O uso de ofensas e pressão psicológica contra funcionários é considerado assédio moral
Publicado Terça-Feira, 26 de Maio de 2015, às 11:46 | Fonte Revista Consultor Jurídico 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=295528&codDep=35" data-text="Danos Morais: Empregada chamada de gorda e incompetente receberá R$ 50 mil

  
 
 

O uso de ofensas e pressão psicológica contra funcionários é considerado assédio moral, pois essas atitudes ultrapassam os limites do poder empregatício e ferem a dignidade do trabalhador. Por isso, a 5ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho determinou o pagamento de indenização de R$ 50 mil a uma funcionária da Catho Online que era insultada a gritos por seu superior.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ministro Caputo Bastos, do TST, apontou precedentes para reduzir indenização.
 
 
Consta na decisão que a trabalhadora era chamada de gorda e incompetente, sofria ameaças de demissão e de que o bônus ao qual teria direito não seria pago, além de ouvir que o que ela fazia ela era uma “merda”. Segundo testemunhas do caso, esse tipo de tratamento dado pelo supervisor era voltado às mulheres. Também há relatos de que o presidente da companhia fazia brincadeiras impróprias com os empregados, entre elas, simular o uso de arma de fogo contra seus funcionários.
 
Em segunda instância, a Catho foi condenada a indenizar a funcionária em R$ 100 mil. Na decisão, o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região destacou o tratamento mais hostil com as mulheres, as ofensas gratuitas do empregador e as "brincadeiras" do presidente da empresa.
 
No recurso ao TST, a Catho solicitou na redução da indenização, alegando que o valor era desproporcional. Ao analisar o processo, o relator do caso, o ministro Guilherme Augusto Caputo Bastos, considerou que o montante foi definido sem considerar os critérios da proporcionalidade e da razoabilidade.
 
Para definir o valor, o ministro usou decisão recente da corte trabalhista em caso semelhante contra a mesma empresa (AIRR-261300-61.2008.5.02.0084). A compensação, então, foi fixada em R$ 50 mil. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.
 

Processo RR-1780-49.2012.5.02.0203 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Notícias da Justiça e do Direito


Evento promove conexão digital entre advogados e operadores do Direito no Brasil
O fórum poderá ser assistido no computador, tablet, celular ou notebook. As palestras serão liberadas a cada dia por grupo, conforme o cronograma de conteúdo do evento....


TRT14 recebe ministro corregedor-geral da Justiça do Trabalho no próximo dia 14
Nos dias 15, das 9h às 16h, e dia 16, das 9h às 12h, o ministro estará à disposição do público na sede do TRT, rua Almirante Barroso, 600, Bairro Mocambo, em Porto Velho....


Inscrições para o 1º Concurso Público Nacional Unificado para a Magistratura do Trabalho encerra nesta quarta-feira (02)
...


Caravana Trabalhista leva discussões sobre as reformas trabalhista e previdenciária na Zona da Mata
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE