Rondônia, - 02:54
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - POLÍTICA
PRE pede impugnação de diplomação de expedito
Procuradoria Eleitoral pede que TRE não diplome Expedito Júnior e recomenda nova eleição para governador
Despesas de mais de R$ 2,5 milhões referentes a materiais impressos para campanha eleitoral de 2014 não foram contabilizadas na prestação de contas de Expedito
Publicado Terça-Feira, 28 de Abril de 2015, às 09:03 | Fonte da Redação 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=294917&codDep=19" data-text="Procuradoria Eleitoral pede que TRE não diplome Expedito Júnior e recomenda nova eleição para governador

  
 
 

Expedito Júnior e Neodi Francisco de Oliveira, candidatos a governador e vice-governador de Rondônia nas eleições de 2014, vão responder por ilícitos na arrecadação e gastos da campanha. A Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) em Rondônia informou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que os candidatos contrataram serviços gráficos no valor de R$ 2.565.580,90 e não contabilizaram estes recursos na prestação de contas.
O material subsidiou toda a campanha de Expedito no 2º turno das eleições de 2014 e o valor referente a sua produção representou 42% das despesas do candidato. Um sócio da Graff Norte, gráfica que produziu o material, afirmou que foi procurado por José Robério Alves, administrador financeiro da campanha, e por Viviane Ferreira, sobrinha de Expedito, para a confecção dos materiais.
De acordo as investigações realizadas pela PRE, houve uma reunião no ponto de apoio de Expedito. Lá, ficou definido que as únicas pessoas autorizadas a fazerem pedidos de material gráfico eram os administradores da campanha, José Robério Alves Gomes e Silas Borges. Expedito também participou dessa reunião, tendo autorizado, pessoalmente, o volumoso pedido de material gráfico. Na ocasião, foi acordado que o pagamento do material seria feito cinco dias antes das eleições do segundo turno, o que não ocorreu.
Na prestação de contas da campanha, Expedito manifestou-se sobre o fato alegando que não foi realizado nenhum pedido de material gráfico, além da falsidade dos documentos apresentados pela gráfica, e que quem realizou o orçamento dos materiais foi Júlio Bonache.
No entanto, a PRE afirma que Bonache, colaborador da campanha de Expedito no segundo turno, consta como responsável por apenas um pedido de material no valor de 90 reais e que ele se comprometeu a pagar esse pedido, caso Expedito não o fizesse.
Para a PRE, a negativa de Expedito em assumir as despesas e a sua omissão na prestação de contas, seja como despesa ou receita (bens estimáveis em dinheiro), violaram o princípio da moralidade eleitoral. “As campanhas eleitorais dos candidatos devem se pautar na transparência e ética, o que não ocorreu no caso de Expedito que foi em sentido contrário a todas as regras e princípios que norteiam os bons costumes e a legitimidade de um processo eleitoral justo e igualitário”, disse a procuradora regional eleitoral, Gisele Bleggi.
Com a representação, a PRE pede que o TRE negue uma eventual diplomação a Expedito e Neodi nos cargos de governador e vice-governador. Caso a diplomação ocorra antes do julgamento, que os diplomas sejam cassados e que os dois sejam declarados inelegíveis.
A PRE pede ainda que seja considerada a possibilidade de uma nova eleição para governador, conforme estabelece o artigo 224 do Código Eleitoral. Pela lei, quando há nulidade de mais de 50% dos votos, ocorrerá nova eleição. Isto pode acontecer se os votos de Confúcio Moura e Expedito Júnior forem declarados nulos.
No TRE, a ação está registrada com o número 8895 e tem como relator o juiz Delson Xavier.
 
Fonte: MPF/RO (www.prro.mpf.mp.br)
 
 
Leia também:
 
 
TRE julga nesta terça-feira recurso que tenta reverter decisão que cassou governador e vice
 
A votação dos embargos de declaração (recurso) ajuizados pela defesa do governador do estado, Confúcio Moura (PMDB), e do vice, Daniel Pereira (PDT), que tiveram os mandatos cassados, deve ser concluída nesta terça-feira, dia 28, pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RO). A sessão está prevista para começar às 11 horas.
 
Por duas vezes, a sessão para julgar os embargos teve que ser adiada. No último dia 16, o presidente da Corte Eleitoral em exercício, desembargador Roosevelt Queiroz, optou por adiar o julgamento por "falta de componentes à mesa para votação".
 
 
Na sessão do dia 9, um pedido de vista adiou o julgamento dos embargos de declaração (recurso). O juiz eleitoral Delson Xavier pediu vista dos autos do processo, após a apresentação do voto do relator, Dimis Braga.
 
No entendimento de Dimis Braga, a saída de Confúcio do cargo e o cumprimento da decisão tomada em 5 de março só devem ser efetivados quando todos os recursos possíveis na Justiça Eleitoral no âmbito regional forem esgotado.
 
Os membros do TRE-RO Jorge Luiz Gurgel do Amaral, Juacy do Santos Loura Júnior e Roosevelt Queiroz anteciparam os votos e acompanharam o relator.
 
Já José Antônio Robles e Péricles Moreira Chagas vão aguardar o voto vista de Delson Xavier para votar.
 
De acordo com o processo, em uma convenção realizada no ano passado pelo PMDB, houve distribuição em grande quantidade de comida aos cerca de mil participantes do evento, caracterizando abuso de poder econômico e captação ilícita de sufrágio (compra de votos). A Justiça Eleitoral do estado entendeu que houve crime eleitoral e cassou os mandatos de Confúcio e Pereira.
 
Outra ação
 
Outra ação em análise no TRE-RO contra Confúcio, já na fase de recursos, também deve ser apreciada na sessão desta terça-feira.
 
O caso envolve uso da logomarca do governo em carreta do Hospital do Câncer, distribuição de comida durante convenção, coação a servidores , entre outros supostos abusos na campanha.
 
Fonte: Rondonotícias.com.br

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em POLÍTICA


Lúcio Mosquini defende regulamentaçāo da profissāo de Tecnólogo em Segurança do Trabalho
...


Paulinho chama de 'estapafúrdias' ideias de Meirelles para a Previdência
...


Prefeitos vindicam investimentos e Arom assina protocolo com o parlamento e governo
...


Cunha diz que não cabe a ele pedir apuração sobre assinatura suspeita
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::