Rondônia, - 07:48

 

Você está no caderno - Artigos
Natal: um novo projeto de Vida!
Natal: um novo projeto de Vida!
Diante dos últimos acontecimentos podemos afirmar que Advento é tempo de tomada de consciência:
Publicado Domingo, 7 de Dezembro de 2014, às 10:44 | Fonte Dom Frei Moacyr Grechi 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=293531&codDep=33" data-text="Natal: um novo projeto de Vida!

  
 
 

Diante dos últimos acontecimentos podemos afirmar que Advento é tempo de tomada de consciência: Vivemos numa “sociedade dominada por um sistema econômico e político aético (que) desestimula a moral individual e exigem do cidadão consciente uma atitude crítica perspicaz e uma firmeza corajosa, quando não heroica, para inverter a tendência e permanecer fiel à honestidade e à justiça” (CNBB doc 50, 112).
 
Nesta segunda semana do Advento o convite à conversão e a uma mudança de vida, se faz mais intenso. É tempo de vencer as resistências e pôr-se em caminhada, celebrando a presença salvadora de Deus.O apelo nos chega através de João Batista, o Precursor de Cristo (Mc 1,1-8):“Preparai o caminho, endireitai as suas veredas, Ele vai chegar.”.
 
João Batista é o homem do deserto, da solidão em Deus, do absoluto. O próprio silêncio de João já é um grito de denúncia profética ao nosso mundo marcado pelo consumismo hedonista. Sua atividade profética é marcada por uma palavra e um gesto: conversão e batismo. O mais importante de sua missão é o anúncio de que virá alguém que é “mais forte” do que ele (Lit/Bh). João Batista é voz emprestada à verdadeira Palavra; torna-se síntese da expectativa, da espera e da preparação de toda a humanidade, em vista da vinda do Senhor.
 
Toda conversão supõe um processo de transformação permanente e integral, o que implica o abandono de um caminho e a escolha de outro. A expressão conversão pastoralremete acima de tudo a uma renovada conversão a Jesus Cristo, que consiste no arrependimento dos pecados, no perdão e na acolhida do dom de Deus (At2,38s) Trata-se de uma conversão pessoal e comunitária. Há muitos batizados e até agentes de pastoral que não fizeram um encontro pessoal com Jesus Cristo, capaz de mudar sua vida para se configurar cada vez mais ao Senhor. Alguns vivem o cristianismo de forma sacramentalista sem deixar que o Evangelho renove sua vida. Outros até trabalham na pastoral, mas perderam o sentido do discipulado e esqueceram a força missionária que o seguimento de Jesus implica (CNBB doc 104,51-52).
 
Na liturgia, o evangelista Marcos tem certeza de que Jesus é uma Boa Notícia para Israel e para toda a humanidade, e esse fato não está isolado no tempo ou na história (Mc 1,1-8). O profeta Isaias anuncia a esperança para o povo em tempo de exílio (Is 40,1-5.9-11); apresenta Deus como um pastor que “apascenta o rebanho, reúne os cordeiros com a força dos seus braços e carrega-os no colo”. Infunde-nos coragem, pois no processo de conversão, o mais difícil nem sempre é a experiência do “retorno do exílio”. Às vezes, consegue-se dar um basta na situação que nos prende e escraviza, contudo, somente dizer um “não” à servidão ou ao pecado, não é suficiente, uma vez que no processo de maturação da vida cristã, o necessário é transformar o “não” em um “sim” e construir um novo projeto de vida mais ético e espiritual.
 
O Apóstolo Pedro fala do tempo de Deus e do Dia do Senhor (2Pd 3,8-14): “mil anos são como um dia…”. A paciência faz parte da pedagogia de Deus: Ele quer que todos se convertam e que ninguém se perca. À dimensão da conversão, tão fortemente presente na espiritualidade do Advento, soma-se a alegre esperança de que a vinda de Deus em nossa história é o cumprimento da promessa da antecipação de “novos céus e uma nova terra”.
 
Além de João Batista, Maria é personagem central no Advento. Nesta semana celebramos a solenidade da Imaculada Conceição da Bem-Aventurada Virgem Maria(8/12) e Nossa Senhora de Guadalupe (12/12).
 
Sempre que olhamos para Maria, voltamos a acreditar na força revolucionária da ternura e do afeto. Esta dinâmica de justiça e ternura, de contemplação e de caminho para os outros faz dela um modelo eclesial para a evangelização. Hoje nós lhe pedimos que nos ajude, com a sua oração materna, para que a Igreja se torne uma casa para muitos, uma mãe para todos os povos, e torne possível o nascimento dum mundo novo (EG 287-288).
 
A Santíssima Virgem de Guadalupe está ligada de modo especial ao nascimento da Igreja na História dos povos da América que através dela chegaram a encontrar Cristo. A aparição da Santíssima Virgem ao índio Juan Diego na colina do Tepeyac teve uma repercussão decisiva na evangelização. Tal influxo supera amplamente os limites da nação mexicana, alcançando o continente inteiro. A América reconheceu no rosto mestiço da Virgem de Guadalupe o grande exemplo de evangelização perfeitamente inculturada. Pio X proclamou Nossa Senhora de Guadalupe “Padroeira de toda a América Latina”; Pio XI “Padroeira de todas as Américas”; João XXIII “Missionária Celeste do novo mundo” e “Mães das Américas”; João Paulo II pediu que a solenidade da Virgem de Guadalupe, “Mãe e Evangelizadora da América” fosse celebrada no dia 12 de dezembro, em todo continente Americano.
 
O Ano da Paz, que começou com o Advento, convoca cada pessoa a ser Construtor da Paz, superando a violência em todos os níveis.
 
O 1º passo é uma reflexão pessoal e comunitária sobre os motivos de tantos acontecimentos violentos. Violência que se manifesta na forma da morte de pessoas, na falta de ética na gestão da coisa pública, na impunidade. A violência, a falta de paz, provém do desprezo aos valores da família, da escola na formação do cidadão, do desprezo da vida simples. A violência, segundo Dom Leonardo Steiner, é a decadência do conviver, fruto da exclusão, da rejeição. Falta de amor nas relações. A paz é fruto da participação de todos na construção de uma sociedade em que todas as pessoas, famílias podem viver, educar os filhos e ter oportunidade de futuro. Paz significa a possibilidade de realização, de maturação, de plenificacão dos membros de uma comunidade.
 
O 2º passo é apoiar as iniciativas nesse sentido, participando das comemorações dos 66 anos daDeclaração Universal dos Direitos Humanos, redigida pela Organização das Nações Unidas (10/12/1948).
 
Participando também, no dia 12 de dezembro, no auditório do Ministério Público de Rondônia, em Porto Velho, ao evento alusivo ao Dia Internacional Contra a Corrupção, a partir das 14 h (inscrições: www.mpro.mp.br).
 
Muitos participam da Campanha Mundial contra a fome que tem como tema: “Uma Família Humana: pão e justiça para todas as pessoas”. A Caritas nesta campanha está desenvolvendo o Projeto “10 Milhões de Estrelas” como forma de provocar a solidariedade, formando uma verdadeira constelação humana pela Paz e contra a fome e a pobreza extrema. Além da ajuda concreta, há um ato que identificará os participantes dessa iniciativa: o acender de velas na noite de Natal, nas casas, nas praças, nas ruas, nas comunidades, nas praias, nos cantos e recantos das cidades e dos campos. Para a Caritas, este “será um gesto de nossa solidariedade, uma prática de sensibilização da sociedade e de todas as pessoas como uma só família humana. Quanto mais forem as estrelas, mais iluminarão. A cada ano, essa ação será repetida coletivamente, num pedido de paz e unidade, por outro mundo que já estamos construindo”.
 
No próximo domingo (14/12), 3º do Advento, será realizada a Coleta nacional da Campanha para a Evangelização, cujo lema neste ano é: “Cristo é nossa paz” (Ef 2,14).Abramos nosso coração para este gesto de partilha, tão próprio deste tempo em que os corações se abrem ainda mais à solidariedade.
Na Turquia, opapa Francisco orou pela PAZ. Com ele, oremos também:
 
Através das palavras do profeta Zacarias, o Senhor deu-nos mais uma vez, o fundamento que está na base da nossa tensão entre um hoje e um amanhã, a rocha firme sobre a qual podemos mover juntos os nossos passos com alegria e esperança; este alicerce rochoso é a promessa do Senhor: “Eis que eu salvo o meu povo do Oriente e do Ocidente, na fidelidade e justiça” (Zc 8,7-8).
 
”Está aqui a semente da paz” (Zc 8,12); está aqui a semente da alegria. Aquela paz e aquela alegria que o mundo não pode dar, mas que o Senhor Jesus prometeu aos seus discípulos e lha deu como Ressuscitado, no poder do Espírito Santo. André e Pedro ouviram esta promessa, receberam este dom. Eram irmãos de sangue, mas o encontro com Cristo transformou-os em irmãos na fé e na caridade.
 
E nesta oração de vigília, quero, sobretudo, dizer: irmãos na esperança! E a esperança não desilude! Que grande graça e que grande responsabilidade poder caminhar juntos nesta esperança, sustentados pela intercessão dos Santos irmãos Apóstolos André e Pedro!
 

E saber que esta esperança comum não desilude, porque está fundada, não sobre nós e as nossas pobres forças, mas sobre a fidelidade de Deus. 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Artigos


Perda e ganho de milhões nas obras de recuperação da BR-364 em Rondônia
Embora ainda se mantenham investimentos conquistados pela bancada federal de Rondônia para a BR 364, a verdade é que o governo cortará 1 bilhão de reais em investimentos, no sistema e transporte terrestre...


Crimes cibernéticos na esteira da evolução tecnológica
Não é novidade afirmar que o mundo digital trouxe inúmeros pontos positivos em nossas vidas, proporcionando enormes facilidades e benefícios às atividades diárias das pessoas e empresas, inclusive promovendo grandes avanços...


MP que alterava pontos da Reforma Trabalhista caducou. E agora?
A Medida Provisória (MP) nº 808, que regulamentava alguns pontos polêmicos da Reforma Trabalhista, perdeu eficácia por decurso de prazo, no último 23 de abril......


Evolução da robótica no treinamento corporativo
Com diversos cases de sucesso comprovados na indústria automotiva e mecânica de alta precisão, a robótica - ciência da concepção, construção e utilização de dispositivos artificiais de automação (robôs) ...

 

::: Publicidade :::


:: Publicidade :::

 
 
 
 
EMRONDONIA.COM