Rondônia, - 06:10
Últimas Política Amazônia Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - Geral
Banco do Brasil é condenado a indenizar cliente por capacete furtado dentro de agência em Rondônia
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 19:10 | Fonte ASSESSORIA 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=279131&codDep=31" data-text="Banco do Brasil é condenado a indenizar cliente por capacete furtado dentro de agência em Rondônia
  
 
 

Banco do Brasil é condenado a indenizar cliente por capacete furtado dentro de agência em Rondônia


Por decisão do Juizado Especial Cível da comarca de Presidente Médici (Rondônia), o Banco do Brasil foi condenado a ressarcir uma cliente que teve o capacete furtado enquanto ela aguardava para ser atendida no interior da agência. Ela pediu à Justiça o pagamento de 85 reais, mesmo valor que pagou pelo equipamento de uso obrigatório para motociclistas, já que a instituição bancária se recusou a fornecer as imagens do circuito interno de televisão, que poderia ajudar a polícia a identificar o autor do furto.


Consta nos autos que, no dia 15 de setembro de 2011, entre as 12 e 13 horas, na agência do banco localizada no centro de Presidente Médici, o capacete da professora Maria Marli foi furtado. Após registrar a ocorrência na delegacia, foi até o banco com policiais civis para solicitar as imagens, ocasião em que foi informada de que só teria acesso com ordem judicial, pois o banco não teria responsabilidade pelo ocorrido.


A defesa do banco alegou que o fato é de responsabilidade de terceiros, cabendo à autoridade policial apurar a responsabilidade e pedir a punição a quem direito. Com relação a cessão das imagens do circuito interno, alegou que só há obrigatoriedade de serem preservadas por 30 (trinta) dias, em cumprimento à legislação vigente (Portaria 387/2006 da Direção Geral da Polícia Federal).


Mas para o juiz Adriano Lima Toldo, titular da comarca de Presidente Médici, o vínculo jurídico existente entre as partes decorrente da utilização pela professora dos serviços fornecidos pelo banco caracteriza a relação de consumo e autoriza a aplicação da Lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor).


Para o juiz, a responsabilidade civil do banco, no que tange aos danos ocorridos com os usuários de seus serviços, tem natureza objetiva e independe da demonstração da conduta culposa, sendo suficiente a caracterização dos danos e da ligação de causa (utilizar os serviços do banco) com o evento ocorrido no interior do estabelecimento bancário.


Nesse sentido é o entendimento do Supremo Tribunal Federal, no sentido da responsabilidade do banco por roubo ocorrido no interior de agência bancária, por ser instituição financeira obrigada por lei a tomar todas as cautelas necessárias para a segurança dos cidadãos, não podendo alegar força maior, por ser o roubo fato previsível na atividade bancária. "Portanto, comprovado o furto do capacete, inegável a responsabilidade do banco réu", decidiu o juiz em 31 de janeiro deste ano, nos autos de n. 000693-77.2011.8.22.0006.

 

 


Assessoria de Comunicação Institucional








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Geral


Etapa do campeonato de Kart movimenta Monte Negro
...


Convenção Nacional do PDT vai eleger novo Diretório
...


ISSO É BRASIL: Veja faz jogo de empurra no escândalo Andressa
...


FUTEBOL EM RONDÔNIA: TJD MULTA TÉCNICO DO VEC EM CINCO MIL
...

 









 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE