Rondônia, - 10:26
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Geral
Padres e quilombolas fazem greve de fome no Maranhão
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 09:31 | Fonte FOLHA ONLINE 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=273241&codDep=31" data-text="Padres e quilombolas fazem greve de fome no Maranhão

  
 
 

Dois padres da CPT (Comissão Pastoral da Terra) no Maranhão e 17 quilombolas entraram em greve de fome nesta quinta-feira (9). O protesto é uma forma de pressionar pela presença da ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) para tratar sobre a questão da violência contra líderes quilombolas no Estado.

Desde a sexta-feira passada, cerca de 40 comunidades de remanescente de quilombo do Maranhão ocupam a sede do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em São Luís.

Protesto de pescadores e quilombolas acaba em tumulto na Bahia
Quilombolas fazem protesto no MA contra violência no campo

"Estamos há dois dias tentando falar com a ministra dos Direitos Humanos e não conseguimos. Perdemos a paciência", disse o padre Inaldo Serejo, coordenador da CPT no Estado e quem lidera o movimento. O outro padre que aderiu ao protesto é Clemir Batista da Silva.

Segundo a CPT, a lista de quilombolas ameaçados de morte no Maranhão aumentou de 52 para 59 nesta semana. A entidade diz que "nos últimos dias pelo menos duas lideranças quilombolas no estado sofreram tentativas de assassinato".

O padre Serejo ressalta ainda que as últimas reuniões realizadas com representantes do Incra não avançaram. "Estamos reunidos há dois dias e nada é resolvido. A presidente Dilma deveria dar uma ordem à ministra para vir discutir a questão da segurança aqui, que piora a cada dia", disse.

Ainda de acordo com Serejo, a greve de fome não tem data para acabar. "Vamos avaliar a situação de cada um, mas não vamos parar enquanto não conseguirmos conversar com a ministra", conclui.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Direitos Humanos informou que há uma equipe em Brasília cuidando do caso. Disse, ainda, que a ministra já sabe do protesto e que ela "determinou que continue tratando a situação com prioridade e que, se for preciso, ela irá até o Maranhão".








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Geral


Rondônia recebe diretoria do Conselho Federal de Odontologia
...


Bacharéis criam onda de ações contra faculdades de Direito nos EUA
...


Planejamento autoriza 52 vagas temporárias na Funasa
...


Preparativos para corrida de Jericos movimentam Alto Paraíso
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE