Rondônia, - 10:46
Últimas Política Amazônia Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - Geral
REFORMA POLÍTICA – Voto em lista fechada pode ocasionar caciquismo político além de ser inconstitucional, afirma senador
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 16:25 | Fonte ASCOM 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=272984&codDep=31" data-text="REFORMA POLÍTICA – Voto em lista fechada pode ocasionar caciquismo político além de ser inconstitucional, afirma senador
  
 
 

REFORMA POLÍTICA – Voto em lista fechada pode ocasionar caciquismo político além de ser inconstitucional, afirma senador
 

Pedro Taques também se posicionou a favor do fim da suplência de senadores, pelo fim da reeleição para os cargos majoritários e pela manutenção do voto obrigatório

 

O II Seminário de Direito Eleitoral de Rondônia, que aconteceu na semana passada em Porto Velho, foi mais uma passo promovido pelo Instituto de Direito Eleitoral de Rondônia (Idero) para debater com a sociedade – principalmente com especialistas e estudantes de Direito - os temas da Reforma Política e Eleitoral em tramitação no Senado. O Senador Pedro Taques (PDT/MT), membro da Comissão Especial da Reforma Política do Senado e uma das personalidades debatedoras presentes ao seminário, manifestou seu voto em alguns pontos polêmicos da proposta, entra elas o voto em lista fechada (o eleitor vota no partido que tem uma lista prévia de nomes indicados pela sigla) e o fim do voto obrigatório.

 

“Além de ir contra à constituição, que garante o direito a livre escolha dos candidatos pelos cidadãos, o voto em lista fechada fortalece os partidos, mas pode ocasionar o caciquismo político. Para evitar o domínio por alguns grupos políticos,  defendo eleições primárias nos partidos, onde todos os filiados devem escolher seus representantes”, enfatizou o senador.

 

Com votação marcada para começar nesta semana, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que prevê mudanças na suplência de senador, Pedro Taques falou que defende a extinção dos suplentes para o Senado, pois entende que quem deve assumir o cargo é o segundo ou terceiro candidato mais votado, exatamente como já acontece nas eleições proporcionais. Também defende o fim das reeleições para presidente, governador e prefeito. “A reeleição não é aconselhável para o Brasil, pois estimula o abuso do poder político”, enfatizou.

 

Outro ponto polêmico é a questão do fim do voto obrigatório, para o senador, tecnicamente não é obrigatório votar, pois o eleitor pode anular ou justificar seu voto ou mesmo pagar uma multa de valor simbólico. “O eleitor é que define que atitude tomar. No caso de voto facultativo, vejo que prejudicaria ou enfraqueceria os grupos vulneráveis”.

 

Taques reforçou o que fora falado pelos ministros do TSE durante o seminário, de que o que falta ao país são partido com ideologia política, estatutos sérios e políticos comprometidos com a sociedade. “Temos 27 partidos políticos no Brasil, não é possível ter 27 ideologias diferentes. Criou-se com essa enormidade de siglas apenas a venda de tempo de propaganda eleitoral”.

 

Reforma não deve vigorar para próximas eleições

 

A proposta de reforma política eleitoral ainda está em fase de votação na Comissão Especial e na CCJ do Senado. Ainda vai ter que passar pelo Plenário e depois seguir para a Câmara. Para entrar em vigor nas próximas eleições, ela teria que estar sancionada pela presidência até o início de outubro deste ano. “Não teremos tempo hábil para aprovar as mudanças propostas pela Reforma Política e Eleitoral propostas para serem implantadas nas eleições de 2012”, chancelou o senador Taques.

 

Mesmo assim, “sendo cidadão penso que precisamos muito mais que uma reforma política e eleitoral: precisamos de uma reforma na maneira de fazer política. Político hoje é aquele que se preocupa mais em fazer o bem para terceiros do que consigo mesmo. Não ha como fazer da política um instrumento de transformação se não trouxer a ética para dentro da política”, finalizou o senador que foi aplaudido de pé pelo público, no auditório da Ulbra.

 

Financiamento de campanha deve ter mais transparência

 

Quanto a proposta do fim do financiamento público de campanha por empresas provadas, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Henrique Neves, destacou que, independente das novas regras de doação, a discussão do financiamento de campanha deve se concentrar em implantar um método que traga mais transparência durante o processo de arrecadação e utilização do dinheiro destinado a este financiamento, principalmente por fim às doações anônimas.

 

“As empresas quando passam a financiar a candidatura de um político têm como objetivo cobrar no futuro o conjunto de medidas que foram prometidas durante a campanha”. Quanto a doação de pessoas físicas, Neves enfatizou que o cidadão que faz doação para um determinado candidato deve fiscalizar as atividades exercidas durante o cargo do político eleito. “Ele está me representando e se ele não me representou bem, vou puni-lo não votando nele novamente no próximo processo eleitoral”.

 

O II Seminário de Direito Eleitoral foi uma realização do Idero com a participação do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ/RO), Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE-RO), Ministério Público de Rondônia (MP/RO), Procuradoria Geral do Estado (PGE/RO) e Escola do Legislativo.








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Geral


Incra visita área para reassentamento das famílias do PA Joana D?Arc
...


Porto Velho Shopping comemora dois anos neste sábado
...


No Dia Internacional do Consumidor governo de Rondônia distribui R$ 1 milhão em prêmios
...


Enriquecimento inexplicado de servidor público pode ser crime
...

 

      





2016 - ARIQUEMES ONLINE - Informação Sem fronteiras

© 2014 - 2017 • Ernesto & Eugenio Comunicação
jornal@emrondonia.com
redacao@ariquemesonline.com.br
(69) 9 9201-1314 (WhatsApp) - 9 9967-8787 (Oi)
Porto Velho - Rondônia - Brasil

Livre a reprodução, transmissão por broadcast, ou redistribuição dos conteúdos. Pede-se a citação do crédito.
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do EMRONDONIA.COM. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.









 
 
 
  EMRONDONIA.COM