Rondônia, - 04:41
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Geral
Desmatamento na Amazônia é maior em terras da União, constata Sipam
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 12:22 | Fonte Estado de São Paulo 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=265817&codDep=31" data-text="Desmatamento na Amazônia é maior em terras da União, constata Sipam

  
 
 

Os candidatos a um título de propriedade em terras da União na Amazônia respondem por uma taxa de desmatamento duas vezes superior ao atual limite legal de abate de árvores na região: 40,4%, indica o primeiro monitoramento ambiental do Programa Terra Legal.

Levantamento feito pelo Sipam, o Serviço de Proteção da Amazônia, mostra que as áreas federais sujeitas à regularização já têm uma área desmatada equivalente a quase 60% do tamanho do Estado de São Paulo.

O levantamento indica também que as áreas federais ocupadas irregularmente e alvo do programa respondem por 18% do desmatamento registrado no ano passado. A taxa oficial foi a menor em mais de 20 anos.

"São áreas de ocupação mais antigas e quem obtiver os títulos de terra terá de se adequar à legislação ambiental", avalia o coordenador do programa Terra Legal, Carlos Guedes. As regras do programa preveem até a retomada pela União da terra que registrar desmatamento irregular após a entrega do título.

Balanço. O Sipam está encarregado de monitorar as áreas que vierem a ser regularizadas. A meta do Terra Legal é entregar 50 mil títulos de terras na Amazônia até o final deste ano.

O monitoramento da Gleba Curuá, no Pará, onde foram distribuídos os primeiros 236 títulos a posseiros, mostra que a área regularizada registrou uma taxa de desmatamento 4 vezes menor do que as áreas não regularizadas desde a edição da medida provisória que criou o programa Terra Legal, no início do ano passado.

"Isso mostra que o programa não é responsável pelo aumento do desmatamento, como se dizia", afirma Carlos Guedes, referindo-se a um estudo da ONG Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia), que vinculou o desmatamento à expectativa de distribuição de títulos de terras a posseiros.

O Terra Legal prevê o reconhecimento da posse a quem ocupou terras na Amazônia até 1.º de dezembro de 2004. O programa vai recorrer a imagens de satélite e vistorias para comprovar as ocupações.

"Promoção". Posses médias e grandes serão vendidas a preços inferiores aos de mercado. A maior parte dos posseiros terá descontos superiores a 50%. Em alguns casos, os descontos poderão superar 80% .

Conforme mostrou o Estado ontem, a nova tabela de preços do programa prevê casos de pagamento de apenas R$ 2.99 por hectare de terra pública na Amazônia. Até o limite de 1.500 hectares, fica dispensada a licitação. E as posses menores (até 60 ou 100 hectares, dependendo do município) são reconhecidas gratuitamente.








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Geral


As duas caras do Itaú
...


Papa pede que Igreja na América Latina lute contra a corrupção
...


PORTO VELHO: Lei Maria da Penha é tema de debate no Congresso de Direito das Famílias
...


TJ-SP condena promotor que chamou juiz de desequilibrado em representação
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE