Rondônia, - 01:51
Últimas Política Amazônia Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - Geral
DEFENSORIA PÚBLICA DEVE FUNCIONAR 24 HORAS NOS SETE DIAS DA SEMANA
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 09:59 | Fonte STF 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=259932&codDep=31" data-text="DEFENSORIA PÚBLICA DEVE FUNCIONAR 24 HORAS NOS SETE DIAS DA SEMANA
  
 
 

O ministro Carlos Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou liminar na Ação Cautelar (AC) 2442, ajuizada pela Defensoria Pública do Rio Grande do Sul. O caso trata da implantação, na comarca de Getúlio Vargas (RS), de plantão de atendimento 24h pela Defensoria.

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) ajuizou Ação Civil Pública nº 050/1.07.0002799-2 visando à implantação, naquela comarca, de atendimento em caráter de plantão 24 horas, nos sete dias da semana. O pedido foi julgado parcialmente procedente, determinando que fosse instituído regime de plantão da Defensoria Pública da Comarca de Getúlio Vargas, nos  fins de semana e feriados, no prazo de 30 dias.

No entanto, o governo gaúcho interpôs apelação que foi desprovida, razão pela qual tanto o estado quanto a Defensoria Pública gaúcha ingressaram com Recursos Extraordinários, os quais tiveram a remessa ao STF rejeitada. Contra a negativa de envio dos recursos à Suprema Corte, a Defensoria apresentou recurso de agravo por instrumento.

Indeferimento

O relator, ministro Carlos Ayres Britto, ressaltou que a Constituição elevou a Defensoria Pública ao patamar de instituição permanente, essencial à prestação jurisdicional do Estado. De acordo com ele, esta é “uma instituição especificamente voltada para a implementação de políticas públicas de assistência jurídica, assim no campo administrativo como no judicial”.

No caso, o ministro considerou que a falta de atendimento em regime de plantão impede que a Defensoria Pública “cumpra, plenamente, a importante missão constitucional que lhe foi conferida”. Ele destacou que, nos autos, consta a notícia de relaxamento de determinada prisão em flagrante, tendo em vista a ausência de defensor público para acompanhar o preso hipossuficiente fora do horário normal de funcionamento da Defensoria.

Assim, nesse primeiro momento, o relator entendeu que a decisão contestada “prestigia valores constitucionais tão inerentes à dignidade da pessoa humana, tão elementarmente embebidos na ideia-força da humanização da Justiça, que se sobrepõe à própria cláusula da reserva financeira do possível”. Segundo o ministro Carlos Ayres Britto, o Tribunal gaúcho informou que a execução de sua decisão não onera os cofres públicos, “nem exige esforços sobre-humanos dos Defensores”.








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Geral


EM RONDÔNIA: II NATAL NA PRAÇA ACONTEÇE NESTA TERÇA-FEIRA EM MONTE NEGRO
...


ARIQUEMES: “Conhecimento científico é essencial para que o estado cresça”
...


Pessoas com deficiência poderão ter preferência em causas judiciais e administrativas
...


ATENÇÃO: Golpe na internet em nome da Receita Federal
...

 

      





2016 - ARIQUEMES ONLINE - Informação Sem fronteiras

© 2014 - 2017 • Ernesto & Eugenio Comunicação
jornal@emrondonia.com
redacao@ariquemesonline.com.br
(69) 9 9201-1314 (WhatsApp) - 9 9967-8787 (Oi)
Porto Velho - Rondônia - Brasil

Livre a reprodução, transmissão por broadcast, ou redistribuição dos conteúdos. Pede-se a citação do crédito.
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do EMRONDONIA.COM. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.










 
 
 
  EMRONDONIA.COM