Rondônia, - 00:52
Últimas Política Amazônia Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - Geral
A exigência do diploma para Jornalismo na pauta da última instância
Publicado Segunda-Feira, 30 de Julho de 2012, às 10:43 | Fonte Genésio Alves de Sousa Neto 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=255324&codDep=31" data-text="A exigência do diploma para Jornalismo na pauta da última instância
  
 
 

A polêmica a respeito da exigência do diploma de formação universitária, específica para o exercício profissional do Jornalismo, precisa ter um desfecho final no Supremo Tribunal Federal. Já se sabe que a matéria está na eminência de entrar na pauta com o julgamento do recurso extraordinário que contesta a decisão unânime da 4ª Turma do Tribunal Regional Federal, da 3ª Região, em 2005. Aquela Corte entendeu que: "a exigência de formação em curso superior confere maior controle de qualidade na divulgação das notícias e das opiniões públicas não ferindo direito de liberdade de expressão e de profissão".

Não é novidade a lentidão de nossa Justiça e, em muitos dos casos, existem justificativas plausíveis diante da estrutura de nosso Poder Judiciário.

A questão se arrasta desde o ano de 2001, quando por decisão monocrática da juíza Carla Abrantkoski Rister, da 16a Vara Cível da Justiça Federal em São Paulo, os efeitos do Decreto-Lei 972/69 e legislação complementar foram suspensos, em processo de iniciativa do Ministério Público Federal. A decisão da juíza suspende provisoriamente a obrigatoriedade da exigência do diploma de Jornalismo para a obtenção do registro profissional em todo o País. Assim, sindicatos e delegacias regionais do trabalho passaram a receber pedidos de registros de qualquer pessoa, numa apologia ao peleguismo, algumas alfabetizadas, outras analfabetas no assunto, gente vaidosa, num verdadeiro vale tudo.

Apesar de ser uma decisão provisória, o exercício da atividade de jornalista foi submetido a tamanho absurdo, em que pese ser a exigência da regulamentação para a profissão uma luta travada pela categoria há mais de 80 anos. É de se vislumbrar que a decisão da juíza, em análise ao argumento principal de sua sentença, carece de razoabilidade, e confronta o preceito constitucional, numa visão contrária ao que se pretende firmar, quando insere como base de sua posição "a liberdade de manifestação do pensamento, a liberdade de expressão intelectual, artística e científica, independentemente de censura previa".

A magistrada faz seu embasamento na afirmação de que a sociedade tem direito à informação. Uma redundância paralela à carta de navegação constitucional e balizadora da missão do jornalista, pouco alcançada pela excelentíssima, que evoca subsídios generalizados para suas convicções equivocadas, hoje à mercê do controle constitucional na seara do STF. Nesta esfera espera-se que se restabeleça a ordem em consonância com as entidades representativas da profissão na defesa da formação superior em Jornalismo, o que é uma exigência que interessa à sociedade.

Todo e qualquer cidadão é livre para se expressar por qualquer mídia, sendo assim, não há o porquê associar essa liberdade constitucional à regulamentação da profissão, até porque é essência do jornalismo ouvir infinitos setores sociais em qualquer dos campos do conhecimento, pensamento e ação, mediante critérios como relevância social, interesse público, estando assim os jornalistas comprometidos com a ética e a transmissão da boa informação, de maneira transparente e acessível à grande massa da população, o que muitas vezes não acontece com outras atividades especializadas, que guardam compromissos e reserva de mercado.

A reivindicação para a criação de escolas de jornalismo data de 1918. Veio a primeira regulamentação profissional em 1938. A obrigatoriedade de formação específica em nível universitário chega ao ano de 1962. Sete anos depois se conquista a exigência do curso, confirmada pelo decreto-lei n. 972/69. Em 1979 a legislação é aperfeiçoada e hoje, debatem-se novos projetos, a exemplo da criação do Conselho Federal de Jornalismo, que tem o apoio da categoria, sempre na perspectiva de defesa da profissão e do exercício qualificado, observando-se a formação sociológica, cultural, através de uma base teórica, a ética e a estética, numa técnica fundamental e importante na responsabilidade e influência junto à opinião pública.

A juíza Carla Rister chega a ponderar pela observância daqueles que têm o hábito de leitura, que estariam impedidos de manifestar seus escritos na imprensa, posição em tudo equivocada e longe das perspectivas centradas. Os espaços da mídia não estão restritos aos jornalistas. Cada qual tem a liberdade de manifestar qualquer pensamento e para isso deve buscar os meios democráticos. No que pese à formação do jornalista, existem requisitos fundamentais e toda uma estrutura acadêmica, ética, prática e experiência, indispensáveis no trato das informações levadas a público.

Não se concebe, como fez a digníssima, pontuar a leitura, o conhecimento e a prática como requisitos para o exercício profissional, talvez, nesse ponto de vista, seria justo privilegiar, no âmbito da Justiça, aquele que tem leitura e cultura jurídica, qualquer um, ou mesmo mais próximo um escrivão de cartório, um escrevente, que em muitas das vezes são verdadeiros editores de peças de sentenças e petições jurídicas, no entanto são impedidos de assinar o trabalho pela falta do diploma. É claro, do jeito que existem juristas sem diploma que fazem sentenças, técnicos que fazem projetos arquitetônicos, também estão a enriquecer os livros bons escritores. Agora, é verdade que para assinar uma petição tem que ser advogado com diploma, do jeito que, para assinar um projeto, tem que ter a graduação específica.

A desregulamentação da profissão de jornalista é um retrocesso e revela o naniquismo que ainda estamos envolto em nosso processo de redemocratização. Essa iniciativa é resquício do poder conservador, que relega a multiplicidade dos aspectos filosóficos, teóricos, culturais e técnicos que embasam a formação dos jornalistas. Ao invés de se procurar aniquilar o pensamento cientifico na atividade do jornalista, deviam aqueles fomentadores do pensamento magistral avançar para outra direção, fomentando a reflexão, fortalecendo as instituições acadêmicas, na prática política e técnica em benefício das demandas da sociedade. É de se acreditar que o bom senso do STF prosperará, e há de ser a prática seguida, assim como tem sido em outras polêmicas decisões daquele Corte Maior. Uma premissa foi a unanimidade da 4ª turma do TRF, 3ª Região: "a exigência de formação em curso superior confere maior controle de qualidade na divulgação das notícias e das opiniões públicas não ferindo direito de liberdade de expressão e de profissão".

* Jornalista e advogado








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em Geral


Manchetes dos jornais: Lula deve vetar um artigo da MP da Amazônia
...


Prefeitura de Jaru adquire terreno para ampliar cemitério municipal
...


Amazônia perdeu 1,5 campo de futebol por minuto em junho diz ONG
...


15 coisas que o impedem de atingir o sucesso na internet e nos negócios online!
...

 









 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE